O Brasil precisa de Belo Monte

Artigo escrito por Rafaela Santos Jacintho com contribuição de João Victor Gasparino

As usinas hidrelétricas são responsáveis por produção de energia aproveitando o potencial gravitacional da água. No mundo elas são responsáveis por 18% da produção energética. Esse número é só não é maior porque apenas poucos países possuem capacidade de água suficiente para produzir tal energia. Podemos citar entre eles os Estados Unidos, Canadá, China, Rússia e Brasil. A energia gerada por hidrelétricas é renovável e não emite poluentes. No Brasil 95% da energia elétrica gerada se dá por esse meio.

A usina hidrelétrica de Furnas, por exemplo, está localizada entre os municípios de São José da Barra e São João Batista da Glória em MG e possui uma potência nominal de 1.216 MW. A construção dessa usina, na década de 60 evitou o colapso energético do país. Durante a sua construção, é obvio que houve inundações, pois impossível fazer omelete sem que pra isso se quebrem os ovos. Mas se por um lado alguns agricultores tiveram prejuízo, as inundações também trouxeram benefícios, pois possibilitou o desenvolvimento da região. As inundações formaram pelas paisagens que possibilitou a geração de renda através do turismo.

O que a maioria das pessoas não sabe é que todo impacto ambiental que é causado por alguma empresa tem que ser compensado de alguma forma, pois a lei obriga. No caso da Usina de Furnas, podemos enumerar as seguintes ações:

  1. A estação de Hidrobiologia e Piscicultura, implantada na década dos 70, além de produzir espécies nativas como dourado, trairão, piau-três-pintas, piracanjuba, curimbatá e pau-caranha, para repovoar o reservatório, faz a distribuição de tilápias invertidas para os produtores rurais de São José da Barra;
  2. São fornecidos cerca de 150 mil alevinos por período reprodutivo a produtores selecionados pela Emater, segundo o biólogo Paulo Sérgio Formágio. Um deles é Nelson Alves Batista, proprietário do sítio Vargem dos Pinheiros. Em 2002, ele recebeu o primeiro lote de alevinos/juvenis de tilápia-nilótica e a orientação profissional dos técnicos da piscicultura de Furnas. Hoje ele se diz satisfeito com o resultado e com a produção de cerca de 90 toneladas/ano;
  3. A estação também realiza o levantamento das comunidades de peixes de cada reservatório das usinas em operação no Rio Grande, Paranaíba e Paraíba do Sul e emite relatórios para órgãos ambientais, como Instituto Florestal e Ibama. Além disso, avalia a qualidade da água em termos ambientais, medindo o grau de poluição através dos níveis de fósforo e nitrogênio;
  4. Outra atividade que beneficia diretamente os municípios vizinhos à usina é realizada pelo Horto, que produz cerca de 80 mil mudas/ano de espécies nativas cultivadas para o reflorestamento de parte da mata ciliar e destinadas à arborização das cidades banhadas pelo Lago de Furnas;
  5. Horta nas Nascentes e o Pomar Comunitário, recém implantado, também são projetos que fornecem alimentos para famílias carentes de comunidades próximas e entidades beneficentes.

As pessoas que vem acompanhado diariamente os noticiários já devem estar cientes que atualmente a situação da Usina de Furnas é preocupante, pois a mesma está operando com apenas 33% de sua capacidade, tornando grandes as chances de um apagão. Esse é o nível mais baixo que ela vem operando nos últimos dez anos.

Se o Brasil não dobrar sua capacidade energética até 2020, simplesmente não haverá energia o suficiente para país inteiro, pois a população cresce diariamente e com ela o consumo de energia também.

A solução pra isso seria a construção da Usina de Belo Monte. Essa questão é polêmica, pois muitas pessoas mal intencionadas ou mal informadas teimam em fazer campanha contra sua construção, pois alegam que a mesma causará muitos danos ambientais, que alagará terras indígenas, desalojará populações ribeirinhas e etc e tal.

O que estas pessoas são sabem é que diferente do que os ambientalistas pregam, nenhuma das áreas indígenas será alagada, visto que o projeto original perdeu 2/3 do tamanho do reservatório, tendo sido reduzido para 503 km². Com isso pode-se concluir que boa parte do reservatório ficará dentro do rio. Seria possível alagar algo que já foi alagado pela própria natureza? Respondam só as pessoas inteligentes! Sendo assim, somente 252 km² serão inevitavelmente alagados, porém longe de áreas indígenas.

As eventuais interferências nas atividades de caça, pesca e da lavoura nas áreas do projeto serão compensadas pelos programas e projetos socioambientais previstos no Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e no Projeto Básico Ambiental (PBA). No caso específico das populações indígenas, essas medidas incluem os seguintes programas:

– Fortalecimento Institucional e Direitos Indígenas;
– Sustentabilidade Econômica dos Povos Indígenas;
– Saneamento Básico em Comunidades Indígenas;
– Reestruturação do Serviço de Educação para os Povos Indígenas;
– Melhoria de Habitações Indígenas;
– Segurança Territorial das Terras indígenas;
– Garantia das Condições de Acessibilidade da População Indígena a Altamira.

Mas mesmo que fossem alagadas terras indígenas, estes não poderiam ser deslocados pra outras áreas? Antes que alguém me chame de egoísta e sem coração, quero lembrar que toda vez que o Estado faz desapropriação de casas, terrenos, empreendimentos comerciais, entre outros para alargamento de uma avenida, por exemplo, pagando um valor irrisório pela propriedade que pertence a famílias durante anos, as vezes até décadas, desalojando as mesmas, ninguém se mobiliza contra. Nessa hora todos dizem que tem q ser feito em prol do “bem-comum”. Santa hipocrisia!

Outro erro que pessoas que se acham entendidas do assunto cometem é dizer que a usina destruirá vários trechos de floresta amazônica virgem. Porém, não sei se por falta de informação ou má fé, esse dado é incorreto,  pois há várias décadas não existe mais floresta virgem no entorno de 252 km² que será alagado.

Outro mito é dizer que a energia oriunda de hidrelétricas é uma energia suja. Perai, é isso mesmo: Suja?!? Como um sistema que utiliza apenas água para geração de energia pode ser considerada suja? Dizer que é cara, tudo bem, mas suja, de modo algum.

E pra quem mesmo assim ainda quiser usar o argumento de que represas produzem metano, informem-se melhor, pois matéria vegetal em decomposição produz sim metano, só que esse metano seria produzido com ou sem usina por toda e qualquer matéria vegetal que rios, igarapés e lagoas produzem. Podemos exemplificar até as folhas que caem das árvores como produtoras de gás metano.

Se mesmo após todas essas informações ainda tiver gente que defenda a não construção da usina de Belo Monte, eu sugiro que as mesmas levantem da cadeira e façam o protesto de outra forma que não seja virtual, pois se a usina não for construída, não terão energia sequer para ligarem seus computadores.

Obrigado Militares

Dia 19 de abril, se comemorou o Dia do Exército Brasileiro. E, a esse grupo de bravos homens, que deu a vida por esse país e não tem o reconhecimento devido , só tenho uma coisa a dizer: OBRIGADO. Abaixo exporei os motivos desse meu agradecimento:

1. Obrigado por ter resguardado aos brasileiros o direito mais sagrado de todos os brasileiros: o direito de ir e vir. O direito de ser feliz, o direito de escolher o melhor rumo para a sua vida, o direito de progredir na vida, de viajar para onde quiser e quando quiser, de escolher o que vestir, o que comer, o que assistir na TV.

2. Obrigado por ter me deixado estudar. Sim, estudar. Pode parecer pouco, mas pergunte a qualquer cidadão do Leste Europeu o que isso significa. É muito. Pergunte para aqueles bravos cidadãos que, durante mais de 50 anos, estiveram nas mãos de governos totalitários que tinham poder de escolher não só o que eles poderiam estudar, mas uma coisa ainda pior: se eles poderiam estudar, se eles poderiam ter um curso superior, de acordo com a “fidelidade ” à causa. Direito esse que vocês não negaram nem aos seus adversários.

3. Obrigado pelas seguintes realizações deixadas como legado:

  • Embratel
  • Telebrás
  • Usina de Angra I
  • Usina de Angra II
  • INPS
  • LBA
  • Funabem
  • Mobral
  • Funrural
  • Usina Hidrelétrica de Tucuruí
  • Usina Hidrelétrica de Itaipu
  • Usina Hidrelétrica de Ilha Solteira
  • Programa Nacional do Álcool
  • Zona Franca de Manaus
  • Ponte Rio-Niterói
  • Nuclebrás
  • Banco Central do Brasil
  • Polícia Federal
  • Conselho Monetário Nacional
  • A Petrobrás aumenta a produção de 75 mil para 750 mil barris/dia de petróleo.
  • Crescimento do PIB de 14% ao ano
  • Fortalecimento da Eletrobrás com muitas obras de ampliação do sistema elétrico brasileiro e a encampação de várias usinas, subestações e linhas de transmissão.
  • Construção de 4 portos e recuperação de outros 20
  • Exportações crescem de 1,5 bilhões de dólares para 37 bilhões
  • Rede rodoviária asfaltada de 3 mil km para 45 mil km
  • Redução da inflação de 100% ªª para 12% ªª,
  • Fomento e financiamento de pesquisa: CNPq, FINEP e CAPES
  • Programa de merenda escolar e alimentação do trabalhador
  • Criação do FGTS, do PIS e do PASEP
  • Criação da EMBRAPA
  • Duplicação da rodovia Rio-Juiz de Fora e da Rodovia Presidente Dutra
  • Criação da EBTU
  • Implementação do Metrô em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Fortaleza
  • Criação da INFRAERO, proporcionando a criação e modernização dos aeroportos brasileiros (Galeão, Guarulhos, Brasília, Confins, Campinas, Viracopos, Salvador e Manaus)
  • Implementação dos pólos petroquímicos em São Paulo (Cubatão) e na Bahia (Camaçari)
  • Prospecção de Petróleo em grandes profundidades na bacia de Campos
  • Código Tributário Nacional
  • Código de Mineração
  • IBDF – Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal
  • BNH – Banco Nacional da Habitação
  • Construção de 4 milhões de moradias
  • Regulamentação do 13º salário
  • Banco da Amazônia
  • SUDAM
  • Reforma Administrativa pelo decreto-lei 200
  • Projeto Rondon

Muito, não ? Parece muito, para quem está acostumado a viver sob a batuta de um governo que, em 10 anos, não executou nem 3% do que prometeu. Mas é fácil, é só seguir o exemplo do Presidente Medici: político é para servir ao povo, não para se servir do povo. Fazer o povo crescer, e não crescer às custas do povo. É fácil conseguir. É só não roubar. É só não fazer negócio com a Delta. É só aplicar o dinheiro em prol do povo, em vez de aplicar o dinheiro em proveito próprio. Aliás, o General Médici, tido como o “mais tirano de todos”, morreu com uma vida humilde, ao contrário de seus adversários “heróis” de outrora, que hoje se borram nas calças se alguém sussurrar em seus ouvidos a palavra “Cachoeira”. Será mera coincidência que mais uma vez muitos dos envolvidos são os que se diziam “exilados políticos”, “perseguidos pela ditadura militar”. Pode descansar em paz, Presidente Médici, o senhor deu a essa corja o tratamento que eles merecem: banimento do país. Errado, embora que bem intencionado, foi o General Figueiredo, que deixou voltar.

4. Obrigado por ter dado ao povo brasileiro o direito de escolher o seu destino, e não deixar que o destino de nossa pátria fosse decidido por Leonid Brejenev, Fidel Castro, Mao Tse Tsung ou quer quem que seja de corja de tiranos loucos que assombrou o mundo no Século XX, deixando um rastro de fome, mortes, desespero e sofrimento por onde passaram. Aqui, graças a pessoas como o Coronel Brilhante Ustra e o Coronel Lício Maciel, eles não criaram asas e se Deus quiser nunca irão criar.

5- Obrigado por ter sido a melhor tropa da Segunda Guerra Mundial. Ter a FEB como parte de nossa história é um motivo de orgulho, história essa que os petistas apagaram dos livros escolares brasileiros.

Quero terminar aqui minha homenagem ao Exército louvando a memória de dois grandes brasileiros: Mário Kozel Filho e Alberto Mendes Júnior. Quero dizer o seguinte a vocês: descansem em paz. Tenente Alberto, o seu sangue não foi derramado em vão: foi o sangue da liberdade. As coronhadas e pauladas que o senhor levou na cabeça antes de morrer, da forma mais covarde possível, não foram só na sua cabeça: foram na cabeça da democracia, na cabeça do povo brasileiro, foram as coronhadas e pauladas da tirania, as mesmas coronhadas e pauladas que o povo brasileiro leva todo o dia dos seus governantes, que ignoram os anseios populares da mesma forma que seus assassinos a ignoraram, ignorando a vontade do povo, que queria o comunismo bem longe daqui, que não os apoiou em nada, que esteve ao lado dos militares o tempo inteiro. Alguma vez eles perguntaram ao povo se queriam uma Revolução Comunista ? Mas isso para eles não importa. Não importa a vontade do povo, e sim a vontade deles, o que eles acham que o povo deve fazer.

Mais uma vez obrigado