Que é ser socialista?

Texto de Olavo de Carvalho, publicado no Jornal da Tarde em 28 de Outubro de 1999. Está disponível em seu site neste link.

O socialismo matou mais de 100 milhões de dissidentes e espalhou o terror, a miséria e a fome por um quarto da superfície da Terra. Todos os terremotos, furacões, epidemias, tiranias e guerras dos últimos quatro séculos, somados, não produziram resultados tão devastadores. Isto é um fato puro e simples, ao alcance de qualquer pessoa capaz de consultar O Livro Negro do Comunismo e fazer um cálculo elementar.

Como, porém, o que determina as nossas crenças não são os fatos e sim as interpretações, resta sempre ao socialista devoto o subterfúgio de explicar essa formidável sucessão de calamidades como o efeito de acasos fortuitos sem relação com a essência da doutrina socialista, a qual assim conservaria, imune a toda a miséria das suas realizações, a beleza e a dignidade de um ideal superior.

Até que ponto essa alegação é intelectualmente respeitável e moralmente admissível?

O ideal socialista é, em essência, a atenuação ou eliminação das diferenças de poder econômico por meio do poder político. Mas ninguém pode arbitrar eficazmente diferenças entre o mais poderoso e o menos poderoso sem ser mais poderoso que ambos: o socialismo tem de concentrar um poder capaz não apenas de se impor aos pobres, mas de enfrentar vitoriosamente o conjunto dos ricos. Não lhe é possível, portanto, nivelar as diferenças de poder econômico sem criar desníveis ainda maiores de poder político. E como a estrutura de poder político não se sustenta no ar mas custa dinheiro, não se vê como o poder político poderia subjugar o poder econômico sem absorvê-lo em si, tomando as riquezas dos ricos e administrando-as diretamente. Daí que no socialismo, exatamente ao contrário do que se passa no capitalismo, não haja diferença entre o poder político e o domínio sobre as riquezas: quanto mais alta a posição de um indivíduo e de um grupo na hierarquia política, mais riqueza estará à sua inteira e direta mercê: não haverá classe mais rica do que os governantes. Logo, os desníveis econômicos não apenas terão aumentado necessariamente, mas, consolidados pela unidade de poder político e econômico, terão se tornado impossíveis de eliminar exceto pela destruição completa do sistema socialista. E mesmo esta destruição já não resolverá o problema, porque, não havendo classe rica fora da nomenklatura , esta última conservará o poder econômico em suas mãos, simplesmente trocando de legitimação jurídica e autodenominando-se, agora, classe burguesa. A experiência socialista, quando não se congela na oligarquia burocrática, dissolve-se em capitalismo selvagem. Tertium non datur . O socialismo consiste na promessa de obter um resultado pelos meios que produzem necessariamente o resultado inverso.

Basta compreender isso para perceber, de imediato, que o aparecimento de uma elite burocrática dotada de poder político tirânico e riqueza nababesca não é um acidente de percurso, mas a conseqüência lógica e inevitável do princípio mesmo da idéia socialista.

Este raciocínio está ao alcance de qualquer pessoa medianamente dotada, mas, dada uma certa propensão das mentes mais fracas para acreditar antes nos desejos do que na razão, ainda se poderia perdoar a essas criaturas que cedessem à tentação de “fazer uma fezinha” na loteria da realidade, apostando no acaso contra a necessidade lógica.

Ainda que imensamente cretino, isso é humano. É humanamente burro insistir em aprender com a experiência própria, quando fomos dotados de raciocínio lógico justamente para poder reduzir a quantidade de experiência necessária ao aprendizado.

O que não é humano de maneira alguma é rejeitar a um tempo a lição da lógica que nos mostra a autocontradição de um projeto e a lição de uma experiência que, para redescobrir o que a lógica já lhe havia ensinado, causou a morte de 100 milhões de pessoas.

Nenhum ser humano intelectualmente são tem o direito de apegar-se tão obstinadamente a uma idéia ao ponto de exigir que a humanidade sacrifique, no altar das suas promessas, não apenas a inteligência racional, mas o próprio instinto de sobrevivência.

Tamanha incapacidade ou recusa de aprender denuncia, na mente do socialista, o rebaixamento voluntário e perverso da inteligência a um nível infra-humano, a renúncia consciente àquela capacidade de discernimento básico que é a condição mesma da hominidade do homem. Ser socialista é recusar-se, por orgulho, a assumir as responsabilidades de uma consciência humana.

Libertarianismo de palha

Este texto é uma réplica do artigo O Marxismo da Direita, de Robert Locke – The Stupid Left (link com versão original em inglês e traduzida):

POR DIOGO COSTA

Os conservadores americanos poderiam ver que suas tradições adequam-se dentro de uma sociedade liberal, desde que eles não obriguem ninguém mais a segui-las.

Todos os liberais brasileiros deveriam ler “Marxismo da Direita” de Robert Locke[1], publicado no Mídia Sem Máscara. É um ótimo motivo para se afastar do conservadorismo.

A retórica chama de “boneco de palha” a criação de uma representação deformada e fragilizada de determinado argumento ou ideologia. Assim, finge-se refutar o argumento, derrubando sua mera representação. “Marxismo de Direita” é um exemplo primo dessa técnica.

Para compreender a palha com que Robert Locke costura seu boneco, é necessário compreender o que significa “libertarianismo” na América. Contrário aos deterministas que achavam o máximo a idéia de que as ações humanas são produtos do meio ou dos genes, o libertário originalmente era o defensor do livre-arbítrio. Foi apenas nos anos 50 que Leonard Read, fundador da Foundation for Economic Education, decidiu lançar mão do termo para se referir à filosofia política liberal. Uma adaptação que se tornou urgente por causa da corrupção sofrida pelo conceito de “liberal” nos EUA que, deixando de rotular os defensores do laissez-faire e do Estado limitado, tornou-se sinônimo da esquerda. Desalentados pela diferença numérica perante a esquerda, os liberais passaram a se chamar de liberais clássicos ou libertários.

Gadsden Flag
Gadsden Flag – Bandeira tradicional americana muito usada por paleoconservadores e libertários.

Em “Marxismo da Direita”, Robert Locke admite a abrangência do conceito, abarcando desde os jusnaturalistas até os anarco-capitalistas. Nesse intervalo caberiam os utilitários, austríacos, objetivistas, neo-institucionalistas, entre outras escolas conhecidas no Brasil como liberais. Logo a seguir, o autor resolve restringir o escopo da palavra e diferencia libertários de liberais clássicos. É o tecido que impede que a palha do boneco seja facilmente enxergada pelo leitor desatento. Quem lê autores americanos sabe que os mesmos princípios de direitos individuais, governo limitado, mercado livre, ordem espontânea, não agressão e propriedade privada defendidos pelos liberais clássicos são defendidos pelos libertários. Aliás, se libertarianismo significasse algo verdadeiramente distinto do que conhecemos como liberalismo não haveria mais liberais nos EUA.

O texto também é contaminado por uma das mais comuns distorções da filosofia liberal. A idéia de que o liberalismo estabelece um padrão de comportamento moral. O liberalismo, no entanto, não é um sistema ético, tão somente uma filosofia política. Em vez de perguntar “como eu devo agir?”, o liberalismo apenas pergunta “como o governo deve agir?”. “Os alimentos nutritivos são bons para nós”, até concordo, mas como o governo deve agir com relação a alimentos nutritivos? Subsidiá-los? Obrigar-nos a comê-los? Ou nos deixar livres para consumi-los na quantidade que escolhermos? Esse é o problema do qual se ocupa o liberalismo e a última escolha seria sua resposta.

Exatamente por não ser um sistema ético, o liberalismo não “alivia a culpa de seus crentes naquilo que a sociedade atual condena“, como afirma Robert Locke. É o estatistmo defendido por Locke que permite às pessoas se sentirem “livres das regras morais da sociedade”, garantindo pensão a quem não poupa, dando diploma a quem não estuda, subsidiando a reabilitação dos drogados. Conservadores olham para a sociedade e dizem que precisamos fazer alguma coisa para impedir a crescente dissolução de famílias, ou diminuir o número de crianças que vivem sem um dos pais. O que eles não vêem é que foram as próprias políticas de welfare que provocaram esse quadro, desencorajando a união matrimonial com o envio de cheques para mães solteiras. O liberalismo não condena ou aprova filhos fora do casamento, apenas exige que os indivíduos sejam responsáveis pelas suas próprias ações. Sem o auxílio do marido, a renda de uma mãe solteira será menor que a da casada.

Mas o autor não admite tanta responsabilidade porque “boa parte da população, se deixada completamente livre, se entregará à bebida, às drogas, não arranjará emprego e terão (sic) filhos fora do casamento”. Ele fala como se com a “guerra às drogas” americana, ninguém mais se entorpecesse no país, e as conquistas trabalhistas francesas fossem eficientes em eliminar o desemprego. Seria fácil se as pessoas pudessem ser moralizadas pela coerção estatal, mas não funciona assim. Este papel é cumprido com muito mais propriedade pela persuasão de associações voluntárias como igrejas e famílias, em vez de ser meta política. Entretanto, essas associações têm perdido sua autonomia para se transformarem em “questões principais das quais se ocupam os governos”. Quando liberais pregam “a abolição da educação compulsória”, eles não estão tratando “as crianças como adultos”, mas devolvendo à família a responsabilidade sobre seus filhos para escolher o tipo de ensino desejado, em vez do modelo “tamanho único” imposto pelo governo.

Enquanto tenta comparar o liberalismo ao marxismo, Locke denuncia a si próprio como divulgador das fantasias marxistas. O liberal que Robert Locke acusa de tentar “governar uma sociedade puramente à base do egoísmo e do individualismo”, parece ser o mesmo homem que Marx atacava dizendo ser “um indivíduo mergulhado atrás de seus próprios interesses e caprichos, separado dos outros homens e da comunidade”. Claro que Robert Locke não quer a coletivização do homem, como previa Marx. Discordam do grau que a política deve escolher, mas comungam sobre o espectro que vai da atomização à coletivização. O liberalismo vê o indivíduo como o fim a que se destinam as coletivizações. Permite que, livres, os homens escolham com quem se associar e que da sociedade civil emerjam associações voluntárias. Clubes, igrejas, empresas, comunidades, famílias, condomínios, são vários exemplos de associações que, por serem voluntárias não contradizem a individualidade humana, mas a aumentam dando espaço tanto ao altruísmo quanto à realização dos objetivos que não podemos alcançar quando solitários.

Hayek encontrava no conservadorismo “sua afeição por autoridade e sua falta de entendimento das forças econômicas“. Robert Locke mostra que essa visão não é nenhum boneco de palha. Ele afirma que “a prosperidade está ligada à liberdade já que ela nos torna livres para consumir, mas não é a mesma coisa; é possível ser rico e ao mesmo tempo oprimido como, por exemplo, a esposa de um magnata dos tempos vitorianos”. Quem entende um pouquinho de economia, sabe que a liberdade não se resume à liberdade para consumir. É essencial para a prosperidade generalizada de uma sociedade e, no longo prazo, de qualquer um de seus membros, incluindo os magnatas e suas esposas oprimidas. Apenas quando as pessoas são livres para trocarem o que quiserem, da forma que quiserem, pelo preço que quiserem, os recursos são alocados da forma mais eficiente possível e o conjunto de informações constitui um mercado inteligente e, conseqüentemente, próspero. Liberdade é a explicação para a explosão do progresso nos últimos 200 anos e para a discrepância entre países ricos e pobres.

Robert Locke também esbanja afeição por autoridade. Sua pregação lembra o sacrifício socialista: “menos liberdade hoje é o preço a pagar por mais liberdade amanhã”. O totalitarismo ainda saliva no seguinte trecho:“considere o caso da pornografia: os libertários dizem que ela deve ser liberada porque se alguém não gosta de pornografia, basta não escolher vê-la. Mas o que não é possível escolher é não viver numa cultura vulgarizada pela pornografia”. Veja que é possível utilizar este argumento para censurar qualquer coisa, para oprimir qualquer um. Por exemplo: considere o caso do homossexualismo: os libertários dizem que ele deve ser liberado porque se alguém não gosta de homossexualismo, basta não escolher ser um homossexual. Mas o que não é possível escolher é não viver numa cultura vulgarizada pelo homossexualismo”. Os conservadores americanos contemporâneos não discordam do planejamento social desde que concorde com seus valores. Em contrapartida, nas palavras de Hayek, “ele, [o conservador] não possui princípios políticos que permitam que ele trabalhe com as pessoas de valores morais diferentes dos dele por uma ordem política onde todos possam obedecer suas convicções”.

É uma pena que o conservadorismo americano tenha tomado esse rumo. Nos EUA seria possível ser um conservador e um liberal, ou libertário, ao mesmo tempo. Os revolucionários americanos defendiam a posse humana de direitos naturais que o Estado não poderia violar, mas deveria proteger. Alguns conservadores entendem essa intercessão entre as duas ideologias. Ronald Regan foi um exemplo: “a essência e a alma do conservadorismo é o libertarianismo. Acho que conservadorismo é um termo inadequado assim como liberalismo(no sentido empregado nos EUA, como falamos acima) é um termo inadequado para os liberais se voltássemos ao tempo da Revolução Americana, os chamados conservadores seriam os Liberais e os liberais seriam os Tories. A base do conservadorismo é um desejo por menos interferência governamental ou menos autoridade centralizada, e mais liberdade individual, e essa é uma boa descrição do que é o libertarianismo”.

Em vez de enxergarem todos os não-conservadores como inimigos, os conservadores americanos poderiam ver que suas tradições adequam-se perfeitamente dentro de uma sociedade liberal, desde que eles não obriguem ninguém mais a segui-las. Da mesma forma que comunidades baseadas no princípio socialista do “de cada um de acordo com suas habilidades, para cada um de acordo com suas necessidades” podem existir numa sociedade liberal, desde que seus membros sejam voluntários e, portanto, nenhuma propriedade venha a ser violada. O conservador e o progressista se opõem sobre o mesmo eixo por acharem que o outro deve viver como ele quer. O liberal crê que eles devem viver como bem quiserem, desde que não o coloquem no meio.

Veja também:

What Libertarianism Isn’t, por Edward Feser: http://www.lewrockwell.com/orig/feser2.html
Conservadorismo verdadeiro vs Neoconservadorismo, por Nelson Hutberg: https://direitasja.wordpress.com/2012/07/21/conservadorismo-verdadeiro-vs-neoconservadorismo/

Notas de Rodrigo Viana:

[1] Robert Locke é um colunista americano nacionalista e neoconservador.

Comissão “da Verdade” e Marco Legal para a Paz: ovos da mesma serpente

Há alguns anos venho alertando os brasileiros de que se está gestando um plano para destruir as Forças Armadas no continente, sob a batuta do Foro de São Paulo (FSP). Pouca atenção foi dada, sobretudo pelos militares, embora meus alertas estivessem embasados em documentos probatórios, tanto das resoluções finais dos encontros do FSP como da realidade mesma, sendo mais patente o caso da Argentina desde o início da era Kirchner, onde centenas de combatentes da subversão, militares, policiais e civis, estão sendo condenados por haverem devolvido a segurança, a liberdade e a democracia ao país.

As FARC, organização terrorista responsável milhares de sequestros, assassinatos e atentados à bomba, é o remanescente do terrorismo comunista que infestou a América Latina nos anos da Guerra Fria. Hoje querem ser anistiados de todos os seus crimes, como foram os terroristas daqui que hoje querem derrubar a anistia aos militares que os combateram.

Em todos os países onde nas décadas de 70 e 80 a subversão e o terrorismo foram contidos por governos militares, a Lei de Anistia, que perdoava os excessos cometidos por ambos os lados foi modificada, retirando-se delas os capítulos “obediência devida” e “ponto final”, na qual apenas os terroristas passaram a se beneficiar. Do mesmo modo que no Brasil, os terroristas, além do benefício do perdão e esquecimento, passaram a ser remunerados a título de “indenização” pelo tempo em que tiveram seus direitos políticos cassados.

A Colômbia não passou pelo mesmo processo, embora tenha anistiado os terroristas do M-19 que aterrorizavam o país com seus atos brutais e hediondos, como o caso do Palácio da Justiça ocorrido em 1985. Entretanto, por haverem sido anistiados, esses terroristas hoje se encontram em todas as instâncias políticas e jurídicas, onde a perseguição aos militares e policiais é a marca mais patente e a destruição das Forças Armadas se dá em forma de lei, uma lei dissimulada que finge ser uma coisa que não é: um marco para a paz no país.

Há mais ou menos um mês o senador colombiano Roy Barreras criou uma lei que oferece perdão e esquecimento de todos os crimes cometidos pelas FARC, para aqueles que queiram se desmobilizar. Ora, todo mundo sabe que já houve muitos casos de terroristas que se “desmobilizaram” para receber as garantias do governo, e continuam delinqüindo! Ademais, o Plano Estratégico das FARC, desconhecido da quase totalidade dos legisladores não contempla o desarmamento, tampouco elas cumprem com a palavra dada, pois apesar de terem dito ao governo que não mais iam seqüestrar, como mostra de “boa vontade” para com a paz, há pouco mais de uma semana seqüestraram 13 crianças entre 10 e 12 anos de dentro de uma sala de aulas!

E o que tem a ver esta lei com a Comissão da Verdade? Esta lei, que já está sendo apelidada de “lei da impunidade”, foi aprovada pela Câmara dos Deputados quase que por unanimidade no mesmo dia em que as FARC cometeram um ato terrorista da maior brutalidade no centro de Bogotá, dirigido diretamente ao Dr. Fernando Londoño, ex-ministro da Justiça do governo Uribe, um dos maiores combatentes dessa lei infame, que, por milagre, saiu vivo. Ao mesmo tempo, dois carros-bomba foram desativados em bairros distantes para dispersar a atenção dos policiais e poucos dias depois uma bomba foi desativada no teatro Gran Rex em Buenos Aires onde o ex-presidente Uribe faria palestra no dia seguinte.

Há dois dias as FARC assassinaram 12 militares em La Guajira, na fronteira com a Venezuela. É voz corrente que os terroristas saíram da Venezuela, atacaram e voltaram para esse país, onde continuam tendo respaldo de Chávez e dos militares dos altos escalões das Forças Armadas. Chávez, entretanto, garantiu ao presidente Santos que não admitiria nenhum terrorista em seu território e que ia colaborar na caçada aos mesmos, enviando uma tropa de 3 mil homens para patrulhar a fronteira onde se deram os fatos. Ocorre que esses militares por pouco não abateram uma aeronave colombiana, pois o que eles pretendem não é combater terroristas das FARC, seus aliados, mas os militares que cumprem com seu dever.

Esses atos dos últimos dias na Colômbia têm revoltado os cidadãos, sobretudo porque, apesar de ter crescido a ousadia e crueldade das FARC, os parlamentares insistem em aprovar a malfadada lei que apagará todos os crimes desses terroristas e lhes garantirá, ainda, o direito de se candidatar a cargos públicos e políticos. Enquanto isso, a justiça, que está completamente dominada por “ex” narcotraficantes e terroristas vem condenando militares e policiais de todos os escalões, desmoralizando as Forças Armadas e Policiais, levando-os a temer combater o inimigo pois sabem que terão suas carreiras destruídas e acabarão nos cárceres como já estão os quase 5.000 militares.

E o que pretende a “Comissão da Verdade” senão desmoralizar as Forças Armadas, retirando os militares da Lei da Anistia e colocá-los na cadeia como pessoas hediondas? Este é o objetivo de uma e outra lei, auspiciada pelo FSP, para em seu lugar criar milícias formadas por terroristas e assim implantar de vez uma ditadura comunista. Foi com este objetivo que o Foro de São Paulo foi criado, ao ver que fracassou com a luta armada. Agora, a tomada do poder vem com força de Lei, seja qual for o nome que se queira dar ou a maquiagem que se queira pintar.

Artigo de Graça Salgueiro, postado originalmente no Mídia Sem Máscara. Para ler o artigo original, clique aqui.

Leia também:

Fascismo sustentável

Contribuição de Rodrigo Viana ao blog.

No dia 26 de Abril foi publicado uma matéria no site da BBC sobre um relatório feito por um grupo de cientistas ingleses no qual a ênfase dada é no controle de consumo e população. É um assunto que será bem discutido no encontro ambientalista Rio+20 que acontecerá em Junho desse ano.
Pare por um momento, por favor. Antes de continuar a ler esse artigo, sugiro que leia antes a reportagem do link abaixo pois este artigo baseia-se exclusivamente nesta reportagem.

Planeta não é sustentável sem controle do consumo e população , diz relatório:
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/04/120426_population_report_mv.shtml

Continuando. Pra quem acompanha tais assuntos apenas pela mídia convencional não sabe o que realmente há por trás de todas essas propostas. O texto mostra uma esperança pro leitor comum perante as mazelas existentes no planeta. Mas fica apenas aí. Já quem realmente está informado sobre toda essa lavagem cerebral sabe exatamente o que significada cada medida dessa descrita.
Vou expor algumas:

Consumo excessivo
Na linguagem ambientalista/ esquerdista consumo excessivo significa o controle do modo de vida do indivíduo por terceiros. Por consequência resulta em menos liberdade. E os métodos oficiais são sempre os mesmos: aumento de impostos, regulamentações e proibições de fato.
O aumento dos ônus gera mais despesas encarecendo o serviço/ produto final para o consumidor. Quer dizer, isso gerará maior dificuldade em adquirir e produzir produtos ou serviços de modo mais barato e eficiente, afetando principalmente os mais pobres. Não tenha a menor dúvida, o que eles realmente querem é diminuir sua qualidade de vida por uma hipotética “melhoria sustentável”[1][2].
Então prepare-se para mais políticas em “comitês centrais” impondo-lhe sobre quais produtos ou serviços você pode ou não obter, segundo esses “seres iluminados”[3][4]. Seja comida, automóveis ou qualquer coisa do tipo do qual é ou não é “válido uma família ter em casa”, por exemplo. Ou então a espoliação, o roubo propriamente dito de alguma propriedade sua através de coerções
governamentais.

Controle populacional/ planejamento familiar
O controle populacional e o tal planejamento familiar é bem claro: intervenção estatal no âmbito individual e familiar e a perda das autonomias. É isso mesmo que você está pensando: as perdas das suas, das nossas liberdades civis. É algo muito, muito sério. Diferente de algumas décadas atrás, o controle estatal do indivíduo e da família muito provavelmente não será encorajado a ser feito de modo bruto, no centro. Não. Ele já é feito hoje pelas periferias, de modo que se chegue ao centro sem alardear a população. Por isso, não pense que haverá agentes do governo roubando um familiar seu pelo simples fato de não se adequar
no “projeto oficial”.
As práticas são outras. Hoje em dia o que está em voga são políticas abortistas, “gayzistas”[5][6] e a eutanásia pra citar algumas. Todas com influências diretas no indivíduo e na família. Esse é o verdadeiro planejamento deles. Se for preciso diminuir a influência desse grupo ou daquela crença que destoa do projeto oficial, mesmo que isso signifique a perda das liberdades individuais ou então, defender algum tipo de política imoral que rebaixe o ser humano[7] perante uma planta ou
animal, pode ter certeza, haverá coerção pra isso.

Deixar de utilizar o PIB como referência econômica
O PIB (Produto Interno Bruto) realmente não diz muita coisa e é imperfeito por si só[8][9]. Causa distorções e é impreciso. Seria ótimo que o PIB não fosse usado por fontes estatais, já que dificultaria ainda mais que “iluminados” fizessem suas políticas de planejamento. Na verdade sequer deveria existir comitês de planejamento econômico estatal.
A questão é que, não que os planejadores econômicos deixarão de usar o PIB. Claro que não. Até porque para todo o planejamento deles é necessário algum tipo de indicador econômico. A alternativa? O cálculo estatístico conhecido como PPR (Produto Privado Remanescente)[10].
Agora perceba que eles não propõem que o PIB seja abandonado de modo que o mercado possa agir livremente. Pelo contrário, seus argumentos fortalecem a falácia do “gerenciamento econômico”. A liberdade econômica, necessária para qualquer prosperidade social, não passa na cabeças desses grupos. É tudo ignorado para impor a política do “mais do mesmo” com coerção e limitação das liberdades no âmbito comercial.

Mudanças na saúde humana e natureza
Note que o termo aquecimento global[11] não é mais tanto utilizado pelos ambientalistas. A moda agora é sustentabilidade. E uma das causas é graças aos vários debates ocorridos pelo mundo (isso raramente é pauta da mídia mainstream brasileira) com questionamentos pertinentes e estudos sérios combatendo o mito “aquecimentista”. Com a perda do combate cada vez mais evidente dos alarmistas climáticos[12][13], foi necessário traçar novos rumos estratégicos e isso inclui também mudar nomenclaturas. Nada é por acaso.
Só que para esses “gurus” não basta apenas mudar o modo como o ser humano se relaciona com o ambiente. É necessário também mudar o modo como o ser humano age a si próprio. Não basta apenas um “culto” exagerado a uma vida saudável mas se preciso for, proibir até dentro da sua propriedade se você deve ou não fumar. Ou até mesmo estipular aquilo que você deve ou não comer.
Vamos ser claros. O nacional-socialista Hitler, ferrenho defensor do “autoritarismo saudável”, sentiria orgulho de toda essa política.

Educação universal
Uma das principais metas dos planejadores é tornar indivíduos com pensamentos direcionados apenas aos interesses de seus planejadores, com pensamento único. E isso já começa cedo, com as crianças, sem capacidade de discernir um julgamento verdadeiramente correto de um falso.
É certo que cada vez mais o governo vem impondo nas agendas disciplinares programas escolares dos mais absurdos. A liberdade de escolha dos pais não é levada em conta. E a mudança de escola não faz a menor diferença, seja ela estatal ou privada, já que o currículo escolar é único.
Os pais são obrigados a aceitarem conteúdos que vão contra as suas opiniões, crenças ou costumes[14]. Tudo em nome da “democratização” do ensino.
O governo diz que é preciso essa ordenação para o melhor convívio entre a sociedade.
Falácia. Muitos instrumentos que existem na sociedade sequer existiram através de um planejamento central. Um exemplo, os idiomas. Eles foram criados através de uma ordem espontânea na sociedade, sem planejadores. Bastando haver apenas a liberdade da sociedade se auto-organizar em relações de cooperação mútua.
O governo, tanto como interventor social como econômico (inclui-se aí a esfera educacional) não é apenas dispensável mas temerário também.

Enfim
O mais importante é deixar claro que sim, há correntes de pensamentos que vão em total discordância com o que a mídia convencional propõe. O que vale, caro leitor, é questionar tais assuntos. Não soa estranho ver sempre os mesmo discursos nas TVs, nos jornais, nas revistas e etc. sempre martelando na mesma tecla? Será mesmo que isso é uma verdade inconveniente?
Por que não se vê debates, discussões de ideias entre ambas as partes, apenas tendo um lado do assunto[15]?
É bom mencionar que não está sendo dito que todas as pessoas que desejam a conservação da fauna ou flora são pessoas com intenções obscuras. Muito menos que seja necessário o total extermínio de animais e vegetais para um melhor conforto do ser humano. Na verdade grande parte dessas pessoas possuem sim boas intenções, porém são levadas a defender argumentos incabíveis ou políticas suicidas de gente com propósitos que vão além de “salvar” esse ou aquele animal.
Não caia no pensamento binário de que “um conservacionista é bom e o contrário é mal”. Esse julgamento além de não ser justo, possui um caráter autoritário pois leva a querer suprimir a opinião alheia a todo custo.

E sim, há alternativas de preservação da flora e fauna que vão por um caminho completamente diferente no que diz ao autoritário ‘status quo’. Por isso, seguem alguns links interessantes, divididos por assuntos, para um melhor esclarecimento.

Vídeos interessantes:

Entrevista com o climatologista Ricardo Augusto Felício pelo Programa do Jô, da TV Globo, desvendando o mito do “Aquecimento Global”: aqui.

Entrevista com o climatologista Luiz Carlos Molion pelo programa Canal Livre, da TV
Bandeirantes, que fala sobre a crença do “Aquecimento Global”: aqui.

O economista Rodrigo Constantino comenta a “ditadura dos eco-chatos”: aqui.

O economista Rodrigo Constantino comenta a escassez da água: aqui.

Trailer do documentário “Not evil just wrong”, que desafia o filme “Uma verdade inconveniente”: aqui.

O sistema de educação pública: aqui.

Links interessantes:

Pensamento Anti-humanitário:

  • As raízes anti-humanas do movimento ambientalista: aqui.
  • A incontrolável sanha anti-humana dos ambientalistas: aqui.

Controle educacional e populacional:

  • Educação em poder do Estado, por Rosely Sayão: aqui.
  • A Educação Livre, por Bernardo Santoro: aqui.
  • Educação e liberdade: aqui.

A Quarta Fronteira – série de artigos produzidos pelo médico, psicanalista e jornalista Heitor de Paola sobre estratégias de manobra de massa usadas para impor o controle educacional, populacional e, dentre elas, a agenda ambiental:

A quarta fronteira: aqui.

  • Os exterminadores do futuro: aqui.
  • Os exterminadores do futuro 2: aqui.
  • Os exterminadores do futuro 3: aqui.
  • Os exterminadores do futuro 4 (parte 1): aqui.
  • Os exterminadores do futuro 4 (parte 2): aqui.
  • Os exterminadores do futuro 4 (parte3): aqui.
  • Os exterminadores do futuro 4 (parte 4): aqui.

Sustentabilidade e aquecimento Global:

  • Sustentabilidade – um assalto à ciência econômica: aqui.
  • O aquecimento global é uma religião: aqui.
  • BBC – O que aconteceu com o aquecimento global?: tradução aqui e original em inglês aqui.
  • O sol define o clima – estudo científico do cientista Habibullo Abdussamatov: original aqui e versão condensada pelo IMB aqui.
  • Catastrofismo aquecimentista e comportamento humano – entrevista com o climatologista Ricardo Augusto Felício: aqui.
  • Relatório do Senado americano que diz que mais 700 cientistas discordam da tese do “Aquecimento Global causado pelo homem”: aqui.
  • Estudo afunda mito do “aquecimento global de origem humano”[sic] – Notícias Agrícolas: aqui.
  • O Aquecimento Global é uma fraude: aqui.
  • Alternativas ambientais viáveis: O manifesto ambiental libertário – IMB: aqui.
  • Uma nova defesa da sustentabilidade – IMB: aqui.
  • Carbon Discredit (medidas ambientais simples e de baixo custo) – Popular Science: aqui.

Sites interessantes:

Notas:
[1]The Cap and Tax Fiction – The Wall Street Journal: http://online.wsj.com/article/SB124588837560750781.html

[2]Food Recycling Law A Hit In San Francisco – NPR: http://www.npr.org/templates/story/story.php?storyId=113969321&ft=1&f=1007

[3]Ajuste em preços de alimentos pode tornar dieta mais saudável – Agência USP de notícias: http://www.usp.br/agen/?p=43577

[4]Contra obesidade, grupo quer taxar gordura – G1: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL68558-5603,00-CONTRA+OBESIDADE+GRUPO+QUER+TAXAR+GORDURA.html

[5]Entenda, leitor, que o que está sendo colocado não é uma crítica aos homossexuais mas aos movimentos homossexuais que defendem “direitos” (leia-se privilégios) perante o resto dos indivíduos. Bem se sabe que direito é inato
a indivíduos. Quer dizer, direito não depende de etnia, nacionalidade, sexo, classe social, opção sexual ou qualquer outro tipo grupo. Direito é comum, e somente, a seres humanos sem distinção.

[6]Sindicalismo, sem-terrismo, com-terrismo, gayzismo, machismo… Toda essa bobajada agride os valores universais da democracia, por Reinaldo Azevedo: http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/sindicalismo-sem-terrismo-com-
terrismo-gayzismo-machismo-toda-essa-bobajada-agride-os-valores-universais-da-democracia/

[7]Esvaziamento da “lei Muwaji”: triunfo da “religião verde” anti-humana: http://www.midiasemmascara.org/artigos/ambientalismo/12362-esvaziamento-da-lei-muwaji-triunfo-da-religiao-verde-anti-humana.html

[8]Por que o PIB é uma ficção: http://mises.org.br/Article.aspx?id=203

[9]A falácia do PIB – um pequeno adendo: http://mises.org.br/Article.aspx?id=960

[10]Produto Privado Remanescente – Wikipédia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Produto_Privado_Remanescente

[11]Uma tacada mortal nos modelos climáticos: novos dados da NASA dão um duro golpe no alarmismo do aquecimento global – Mídia a Mais: http://www.midiaamais.com.br/artigo/detalhes/849/Uma+tacada+mortal+nos+modelos+clim%C3%A1ticos:+novos+dados+da+NASA+d%C3%A3o+um+duro+golpe+no+alarmismo+do+aquecimento+global+

[12]Climategate: the final nail in the coffin of ‘Anthropogenic Global Warming’?, por James Delingpole: http://blogs.telegraph.co.uk/news/jamesdelingpole/100017393/climategate-the-final-nail-in-the-coffin-of-anthropogenic-global-warming/

[13]Mais uma farsa “aquecimentista”: o escândalo do Dr. Peter Gleick – Alerta em rede: http://www.alerta.inf.br/mais-uma-farsa-aquecimentista-o-escandalo-do-dr-peter-gleick/

[14]Presidente Dilma derruba ‘kit gay’ do MEC – Jornal do Brasil: http://www.jb.com.br/pais/noticias/2011/05/25/presidente-dilma-derruba-kit-gay-do-mec/

[15]Céticos do clima sem voz na imprensa brasileira – BBC Brasil: http://www.bbc.co.uk/blogs/portuguese/planeta_clima/2011/11/