Lutando contra a opressão do sistema aritmético: 2 + 2 = 5

Uma esforçada ativista lutando contra o imperialismo e a exploração aritmética. Ela vai chegar ao resultado 2 + 2= 5.

De vez em sempre, esquerdistas simpáticos ao marxismo nos dizem
que os regimes comunistas que se instauraram na URSS, China,
Camboja, Vietnã e etc. não representam o verdadeiro comunismo,
pois desvirtuaram a teoria original. Bom, eu concordo plenamente
que o regime instaurado nesses países não se deram como Marx um dia imaginou. Mas tal fato nada faz para tornar a teoria marxista aceitável (o que me parece ser o objetivo de quem usa esse argumento). Afinal, o que temos aqui é uma teoria que prevê um resultado que jamais poderá ser alcançado. Para entender isso, lancemos mão de uma analogia.

Imagine que alguém proponha a seguinte teoria: 2 + 2 = 5. Não
importa o quão bem intencionada seja a pessoa que formulou esta teoria, ou quão bem intencionados sejam os que procuram colocá-la em
prática… o resultado jamais será 5, porque 2 + 2, na prática,
sempre será 4.

Aqui está o ponto cômico da história. Quando os marxistas dizem
algo como “nestes regimes ditatoriais não se instaurou o
verdadeiro comunismo e, portanto, devemos continuar tentando”,
estão essencialmente dizendo o seguinte: “Nestes regimes, 2 + 2 deu
4. Mas esta não é a verdadeira teoria contra a opressão aritmética. Na verdadeira teoria, 2 + 2 é 5. Portanto, vamos continuar tentando colocar a verdadeira
teoria em prática”.

Conclusão: Mesmo que isso custe a vida de milhões de pessoas e a
liberdade de dezenas de países, não devemos parar de lutar contra o imperialismo e a opressão do maldito sistema aritmético. Se a teoria diz que 2 + 2 deve ser igual a 5, então 2 + 2 será igual a 5. E quem reclamar, vai pro Gulag.

Não deixe que um professor comunista adote o seu filho

Artigo publicado originalmente no blog Homem Culto http://homemculto.wordpress.com

Para ler o artigo original, clique aqui http://homemculto.wordpress.com/video-da-passo-a-passo-como-professor-comunista-doutrina-seu-filho/

Você pode estar sendo vítima de doutrinação ideológica quando seu professor: 
denuncie  doutrinação para  

– Se desvia frequentemente da matéria objeto da disciplina para assuntos relacionados ao noticiário político ou internacional;

– Adota ou indica livros, publicações e autores identificados com determinada corrente ideológica;

– Impõe a leitura de textos que mostram apenas um dos lados de questões controvertidas;

– Exibe aos alunos obras de arte de conteúdo político-ideológico, submetendo-as à discussão em sala de aula, sem fornecer os instrumentos necessários à descompactação da mensagem veiculada e sem dar tempo aos alunos para refletir sobre o seu conteúdo;

– Ridiculariza gratuitamente ou desqualifica crenças religiosas ou convicções políticas;

– Ridiculariza, desqualifica ou difama personalidades históricas, políticas ou religiosas;

– Pressiona os alunos a expressar determinados pontos de vista em seus trabalhos;

– Alicia alunos para participar de manifestações, atos públicos, passeatas, etc.;

– Permite que a convicção política ou religiosa dos alunos interfira positiva ou negativamente em suas notas;

– Encaminha o debate de qualquer assunto controvertido para conclusões que necessariamente favoreçam os pontos de vista de determinada corrente de pensamento;

– não só não esconde, como divulga e faz propaganda de suas preferências e antipatias políticas e ideológicas;

– omite ou minimiza fatos desabonadores da corrente político-ideológica de sua preferência;

– transmite aos alunos a impressão de que o mundo da política se divide entre os “do bem” e os “do mal”;

– não admite a mera possibilidade de que o “outro lado” possa ter alguma razão;

– promove uma atmosfera de intimidação em sala de aula, não permitindo, ou desencorajando a manifestação de pontos de vista discordantes dos seus;

– não impede que tal atmosfera seja criada pela ação de outros alunos;

– utiliza-se da função para propagar ideias e juízos de valor incompatíveis com os sentimentos morais e religiosos dos alunos, constrangendo-os por não partilharem das mesmas ideias e juízos.

O vídeo abaixo mostra a doutrinação feita em plena sala de aula por um professor comunista.

Leia também:

Caro professor

Marxismo cultural na prática

A esquerda e seu modus operandi