Coréia do Norte, liberdade ou morte

A República Democrática Popular da Coréia (que de democrática só tem o nome) ou mais popularmente conhecia como Coréia do Norte é um país do leste asiático que ocupa metade da península da Coréia. Esta península, antes da sua divisão era governada pelo império Coreano e após a II guerra Mundial, foi dividida entre zonas de ocupação norte-americana e soviéticas. A Coréia do Sul, capitalista e a Coréia do Norte Socialista.

Na Coréia do Norte funciona o unipartidarismo chamado de Partido dos Trabalhadores da Coréia. Seu governo segue a ideologia Juche que tem como características principais: Defesa da independência econômica e política com relação a países estrangeiros; coletivização da agricultura e da indústria; culto da personalidade; Songun: o aspecto militar é o mais importante da política; forte voluntarismo: as massas são consideradas donas do mundo; nacionalismo e defesa da homogeneidade étnica; respeito e defesa da cultura tradicional.

Esse é o país que tem o pior registro de direitos humanos, tendo restrições severas quanto a liberdade política, econômica e religiosa, há relatos de campos de concentração onde os considerados “traidores do governo” são torturados, estuprados, assassinados, escravizados, usados como cobaias de experimentos médicos e sofrem abortos forçados. Essa punições não se restringem apenas ao perseguido político, mas como também a toda sua família. Eles são proibidos de casar, de cultivar o próprio alimento (para que assim possam morrer de fome) e de se comunicar externamente.

Na Coréia do Norte há um controle de expressão política de seus habitantes que funciona da seguinte forma: Partidários do governo que se desviam estão sujeitos a reeducação que ocorre em campos de trabalhos forçados. Os que na visão governamentista forem considerados “reabilitados” podem assumir posições governamentais novamente. Já os irredimíveis são encarcerados junto com todos os seus familiares próximos. As pessoas que tentam fugir dos trabalhos forçados correm um sério risco de serem executadas.

A coréia do norte tem uma economia totalmente planejada pelo governo e própria do Estado como acontece também em Cuba, lá o comércio internacional é altamente restrito dificultando um crescimento maior de sua economia.

Na Coréia do Norte há existência de classes sociais e o que define o status da pessoa é se ela coopera ou não com o governo. O nome desse sistema é Songbun e funciona da seguinte forma: Estuda-se o histórico de comportamento político da família da pessoa nas três ultimas gerações e esse sistema é quem vai determinar se uma pessoa é leal ou não ao governo. Esse sistema afeta o acesso às oportunidades de educação e emprego e ainda determina se uma pessoa está apta a fazer parte do único partido do país. As classes estão divididas entre “classe principal” que é leal ao governo e corresponde a cerca de 25% da população do país, a “classe vacilante” de 55% e a “classe hostil” de 20%. O status mais elevado (da classe principal) é concedido aos indivíduos descendentes de pessoas que participaram com Kim Il-sung na guerra contra a ocupação militar japonesa antes e durante a Segunda Guerra Mundial e para aqueles que eram trabalhadores de fábrica, operários ou camponeses a partir de 1950.

Quanto à liberdade de imprensa, nesse país, apesar de sua constituição prever a liberdade de expressão e de imprensa, na prática não é isso q ocorre, a mídia nesse país tem um dos controles mais rigorosos do mundo. Perdendo nesse quesito apenas para a Eritréia. Se as notícias favorecerem o regime, ai sim são permitidas e também são permitidas reportagens que incentivem o culto a personalidade de  Kim Jong-il e agora seu filho, sucessor Kim Jong-un.

É grave o problema da fome na neste país, estima-se que já morreram milhares de pessoas por inanição e doenças ligadas à falta de alimentação como pneumonia, tuberculose e diarréia.

O que pouca gente sabe e que será mostrado no documentário abaixo é que além de todos esses problemas, esse país ainda conta com o problema das drogas, existindo muitos dependentes químicos no país e tendo o tráfico controlado pelo governo.

Para escapar de todo esse inferno, muitas pessoas tentam fugir pra outros países, principalmente para a Coréia do Sul, porém como a fronteira é altamente vigiada, elas fazem um desvio de quase 10 mil quilômetros atravessando os territórios da China, do Laos e da Tailândia onde finalmente conseguem pegar um avião pra Coréia do Sul.

Rota de fuga para a Coréia do Sul

Na esperança da liberdade, sem saber, muitas mulheres caem na mão de traficantes humanos. Elas pagam a eles acreditando que serão ajudadas a cruzar a fronteira, porém chegando a China, são vendidas a prostíbulos.

O documentário foi exibido pela SIC, TV portuguesa e retrata a difícil fuga dos refugiados.

Leia também: Coréia do Norte, um inferno na terra

Anúncios

Quem ousa defender a liberdade de expressão de Yoani Sanchez?

A blogueira cubana Yoani Sanchez, famosa pela sua oposição ao regime castrista através do blog Generación Y e pela perseguição sistemática que sofria sob tal ditadura, finalmente obteve permissão para sair da ilha e viajar a outros países.

Quando desembarca no Brasil, “uma das maiores democracias do mundo”, é surpreendida por nada mais nada menos que uma turba enlouquecida de esquerdistas, defensores ferrenhos da ditadura comunista no país, que a ofenderam de todas as impropéries que podiam e não podiam. A blogueira limitou-se a dizer que desejava que em seu país houvesse liberdade para fazer o mesmo.

No entanto, caros amigos, ainda existe vida inteligente no Brasil. Há gente neste país que mais do que se preocupar com a liberdade humana está empenhada em defendê-la de fato. Refiro-me aqui à exemplar manifestação de apoio do Liber à Yoani Sanchez ocorrida hoje pela tarde (21 de fevereiro de 2013) em São Paulo.

Só pela coragem de sair em manifestação sabendo que encontrariam forte oposição dos “revolucionários” chegados em um regime militar, os libertários já merecem elogios. Este ato, pequeno porém importante, marca o início de um novo ciclo na política brasileira. Acreditem, parece exagero mas não é: este ato marca o início da retomada do ambiente público e da opinão pública, pelos valores liberais. Largar um pouco os blogs, as palestras, as editoras, para arregaçar as mangas, fazer placas e cartazes e sair em uma manifestação deste tipo leva os valores liberais a um outro nível, muito mais próximo do público do que a velha estratégia de gastar horrores com ciclos de palestra e publicações de livros que só os convertidos leem. Paramos, enfim, de pescar dentro do aquário.

Gostaria portanto de, em nome do Direitas Já, parabenizar os membros do Liber pela mobilização. A causa da Liberdade tem muito a agradecer a vocês.

Confira algumas fotos da manifestação:
espioes CIA

Há também um vídeo disponível no YouTube:

Voltaire, a encarnação do Iluminismo

Não concordo com nenhuma das palavras que me diz, mas lutarei até com minha vida se preciso for, para que tenhas o direito de dizê-las.

Imagem

François Marie Arouet, mais conhecido como Voltaire nasceu em Paris, 21 de novembro de 1694 e faleceu na mesma cidade em, 30 de maio de 1778 aos 83 anos de idade. Ele foi filho de um tabelião e sua mãe era uma aristocrata que faleceu durante o parto. Durante sua infância revelou seu lado poético e seu talento literário.

Voltaire foi um grande admirador das ideias políticas de John Locke e por sempre gostar de dizer o que pensa foi preso duas vezes e precisou refugiar-se na Inglaterra. Ele combatia a intolerância religiosa e principalmente a intolerância aos mais diversos tipos de opinião. É dele a frase “Não concordo com nenhuma das palavras que me diz, mas lutarei até com minha vida se preciso for, para que tenhas o direito de dizê-las”.

As ideias defendidas por ele faz parte de um pensamento conhecido como Liberalismo. Ele foi uma das figuras mais importantes do Iluminismo e seus livros foram lidos por toda a Europa. Durante sua vida foi autor de cerca de 70 obras literárias dentre as quais podemos citar: Édipo, Cartas filosóficas, Tratado de metafísica, entre outras.

Voltaire, contudo, não era contra a monarquia. Ele, porém condenava o comportamento arbitrário, pois para ele o monarca deveria se conduzir pela razão. Ele acreditava que um monarca, por maior que fosse ele, não deveria punir um servo, sem que antes este passasse por todos os processos legais e só após esse processo fosse executada a pena e esta deveria estar prevista em lei.

Acreditava também que príncipes deveriam ser aconselhados por filósofos, pois somente assim eles conseguiriam fazer seus súditos felizes, concedendo aos mesmos liberdade para que estes aceitem de bom grado a tutela do monarca.

Voltaire introduziu várias reformas na França, como a liberdade de imprensa, tolerância religiosa, tributação proporcional e redução dos privilégios da nobreza e do clero. Ele foi o homem mais influente do século XVIII e durante a sua vida aconselhou vários monarcas.

Quando Chomsky se torna útil…

Noam Chomsky é um linguista reconhecido também pelo seu ferrenho socialismo anárquico. Um de seus textos mais conhecidos e mais usados na web é o que descreve  as “dez estratégias de manipulação” supostamente usadas pela mídia para manter as pessoas na ignorância.

Porém, este texto é realmente muito mais útil para a perspectiva antiestatal do que antimidíatica (ou anticapitalista, antiliberal, antimercado, como queiram). E isto precisamente porque, ao contrário do que passa com a mídia independente, podemos fazer a ligação entre estas estratégias e casos reais do seu uso por políticos e governos. Vejamos:

1. A estratégia da distração. O elemento primordial do controle social é a estratégia da distração, que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e econômicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundação de contínuas distrações e de informações insignificantes.

Comentário: Do esporte à música passando pelo cinema, toda forma de distração é financiada e incentivada pelo Estado, que com isso ganha duas coisas: o fornecimento do “circo” que complementa o “pão” do populismo, e a criação de uma rede de artistas dependentes e defensores do financiamento de seu trabalho com o dinheiro público. Outra forma possível é o uso de veículos de mídia oficiais ou alinhados com o governo para propagar desinformação.

2. Criar problemas e depois oferecer soluções. Esse método também é denominado “problema-reação-solução”. Cria-se um problema, uma “situação” prevista para causar certa reação no público a fim de que este seja o mandante das medidas que desejam sejam aceitas. Por exemplo: deixar que se desenvolva ou intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público seja o demandante de leis de segurança e políticas em prejuízo da liberdade.

Comentário: O Estado emprega esta estratégia quando explora casos de homicídio – decorrentes de um desleixo com a segurança pública – para empurrar à população uma campanha de desarmamento, por exemplo. Um caso econômico real é sustentar empresas com verba pública, para então propor o salvamento das mesmas quando estão à beira da falência (claro, com superfaturamento e desvios inclusos no pacote). Outro é desvalorizar a moeda com inflação para depois propor congelamento de preços e juros. Um terceiro é deixar que disputas sobre terras fiquem cada vez mais sangrentas para então intervir com a força policial e expropriar os legítimos donos.

3. A estratégia da gradualidade. Para fazer com que uma medida inaceitável passe a ser aceita basta aplicá-la gradualmente, a conta-gotas, por anos consecutivos.

Comentário: O Estado a emprega para aumentar o seu controle sobre a Economia como um todo e sobre a vida das pessoas, em particular. Por exemplo: primeiro ele cria agências reguladoras das empresas privadas, depois ele impõe parcerias público-privadas, depois ele estatiza as empresas privadas. Outro exemplo: primeiro ele proíbe armas “de uso restrito militar”, depois ele proíbe “carregadores com mais de dez tiros”, depois ele proíbe “o porte de arma em via pública” e por fim ele proíbe a posse de qualquer arma de fogo.

4. A estratégia de diferir. Outra maneira de forçar a aceitação de uma decisão impopular é a de apresentá-la como “dolorosa e desnecessária”, obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro, porque o esforço não é empregado imediatamente. Logo, porque o público, a massa, tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que “tudo irá melhorar amanhã” e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isso dá mais tempo ao público para acostumar-se à ideia de mudança e de aceitá-la com resignação quando chegue o momento.

Comentário: Esta é a mais típica do governo. Nenhuma empresa privada quer sacrifícios, elas querem dinheiro. Quem pede sacrifícios é o governo: ele pede sacrifícios quando aumenta os impostos “provisoriamente” (em governês: por prazo indeterminado, talvez para sempre), ele pede sacrifícios quando proíbe ou restringe importações, ele pede sacrifícios quando desperdiça verba pública em prol de serviços públicos que nunca funcionam, ele pede sacrifícios quando obriga os homens a prestar serviço militar, ele pede sacrifícios em prol da segurança, em prol das finanças do Estado, em prol da igualdade material, em prol da ideologia vigente, etc.

5. Dirigir-se ao público como se fossem menores de idade. A maior parte da publicidade dirigida ao grande público utiliza discursos, argumentos, personagens e entonação particularmente infantis, muitas vezes próximos à debilidade mental, como se o espectador fosse uma pessoa menor de idade ou portador de distúrbios mentais. Quanto mais tentem enganar o espectador, mais tendem a adotar um tom infantilizante. Por quê? “A alguém se dirige a uma pessoa como se ela tivesse 12 anos ou menos, em razão da sugestionabilidade, então, provavelmente, ela terá uma resposta ou ração também desprovida de um sentido crítico (ver “Armas silenciosas para guerras tranquilas”)”.

Comentário: Esta é a linguagem padrão do governo quando quer fazer entender os objetivos alegados dos seus projetos. Ele nunca explicará a complexidade da economia de mercado ou da construção civil, ele simplesmente dirá “construiremos mais de X habitações populares”. Ele não explicará princípios jurídicos ou abordará a história do racismo institucional, ele simplesmente apelará à emoção quando estiver fazendo propaganda das cotas raciais. Tudo será muito simples: construiremos mais casas, escolas, hospitais, baixaremos preços e juros, basta que todos colaborem.

6. Utilizar o aspecto emocional mais do que a reflexão. Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para causar um curto circuito na análise racional e, finalmente, ao sentido crítico dos indivíduos. Por outro lado, a utilização do registro emocional permite abrir a porta de aceeso ao inconsciente para implantar ou enxertar ideias, desejos, medos e temores, compulsões ou induzir comportamentos…

Comentário: Toda e qualquer campanha do governo emprega esta estratégia. Seja para o desarmamento, seja para controlar preços e juros, seja para criar mais benefícios trabalhistas, campanhas antidrogas ou programas assistencialistas. Não se apela jamais aos efeitos da proibição das drogas sobre o aumento da criminalidade, mas à triste doença que é o uso das drogas e seus efeitos sobre os viciados. Não se apresenta a relação entre porte de armas e segurança, apenas se mostram os casos esporádicos de massacres ou acidentes com armas.

7. Manter o público na ignorância e na mediocridade. Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para seu controle e sua escravidão. “A qualidade da educação dada às classes sociais menos favorecidas deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância que planeja entre as classes menos favorecidas e as classes mais favorecidas seja e permaneça impossível de alcançar (ver “Armas silenciosas para guerras tranquilas”).

Comentário: O governo emprega esta estratégia ao ocultar os princípios subjacentes aos programas de redistribuição de renda, por exemplo. Parte-se do princípio que tirar de um para dar a outro é sempre justo, e que a desigualdade por si configura uma forma de injustiça, que são premissas falsas. O mesmo se aplica ao imposto, ao serviço militar compulsório, às cotas raciais, aos privilégios políticos, ao protecionismo, etc.

8. Estimular o público a ser complacente com a mediocridade. Levar o público a crer que é moda o fato de ser estúpido, vulgar e inculto.

Comentário: Utilizada pelo Estado e pelas estruturas partidárias, através da impunidade, da popularização do “rouba mas faz”, da difusão da crença de que todos são igualmente corruptos e de que isso é normal e faz parte da vida política, que o que importa é usar isso a seu favor para obter “benefícios” aos mais necessitados. É reforçado pela “consciência de classe”: deve-se votar em alguém porque é pobre, porque é analfabeto, porque é “de origem humilde”, porque “não é doutor”.

9. Reforçar a autoculpabilidade. Fazer as pessoas acreditarem que são culpadas por sua própria desgraça, devido à pouca inteligência, por falta de capacidade ou de esforços. Assim, em vez de rebelar-se contra o sistema econômico, o indivíduo se auto-invalida e se culpa, o que gera um estado depressivo, cujo um dos efeitos é a inibição de sua ação. E sem ação, não há revolução!

Comentário: O Estado complementa suas campanhas anti-drogas fomentando a culpa entre usuários, familiares e claro, traficantes. O mesmo se aplica ao desarmamento quando se imputa ao “portador de arma” a culpa pela criminalidade, e não ao criminoso em si. Outros casos clássicos: negar a corrupção sistêmica na política e jogar a culpa no cidadão que “não vota consciente”, negar a falência do sistema público de educação jogando a culpa no colo dos pais dos alunos, negar a tirania do serviço militar compulsório jogando a culpa na “covardia” e “falta de patriotismo” da juventude.

10. Conhecer os indivíduos melhor do que eles mesmos se conhecem. No transcurso dos últimos 50 anos, os avanços acelerados da ciência geraram uma brecha crescente entre os conhecimentos do público e os possuídos e utilizados pelas elites dominantes. Graças à biologia, à neurobiologia e à psicologia aplicada, o “sistema” tem desfrutado de um conhecimento e avançado do ser humano, tanto no aspecto físico quanto no psicológico. O sistema conseguiu conhecer melhor o indivíduo comum do que ele a si mesmo. Isso significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controle maior e um grande poder sobre os indivíduos, maior do que o dos indivíduos sobre si mesmos.

Comentário: Quem quer saber onde você nasceu, quem são seus pais, onde você mora, quanto você ganha? Quem quer você registrado, rotulado, carimbado e numerado andando por aí com mil e um pedaços de papéis para “provar que você existe”? O Estado, é claro. É ele quem tem registrada cada compra que você faz, cada lugar em que você mora ou viaja, cada doença que você teve, cada vacina que você tomou, todas as suas notas na escola. Não bastasse isso, ele sabe o tipo de reação que certos estímulos provocam e é por isso mesmo que usa e abusa do populismo, do paternalismo, do assistencialismo, etc.

Concluindo, percebe-se facilmente que a acusação de Chomsky a empresas privadas, sobretudo nos setores de mídia e publicidade, é muito mais coerentemente aplicada a quem tem, de fato, o monopólio sobre o poder regulador que é aplicado aos meios de comunicação de massa.

Ao longo da História, políticos e partidos se apropriaram do poder monopolizador do Estado para, através da regulamentação, moldar as ferramentas de comunicação de massa ao seu próprio gosto, transformando-as em instrumento de propaganda personalista, ideológica ou partidária. Os meios incluem a doutrinação na Escola Pública, veiculação de propaganda oficial do Governo, censura da mídia de oposição, financiamento público de mídia alinhada com o governo, etc.

61 Países que um Déspota poderia Desconectar da Internet

Por Robert McMillan. Traduzido e adaptado para o português do Brasil por Renan Felipe dos SantosArtigo publicado originalmente na Wired. Para ler o artigo original, em inglês, clique aqui.

Está se tornando algo típico de regimes decadentes: silencie seus críticos e acabe com sua comunicação cortando a internet. A Líbia fez. O Egito também. E na última semana, a Síria puxou o plugue do seu próprio sistema de internet.

De acordo com uma nova pesquisa da empresa de monitoramento de redes Renesys, isto poderia acontecer facilmente em muitos outros países também, incluindo Groenlândia, Iêmen e Etiópia. Sessenta e um dos países do mundo tem somente um ou dois provedores de serviço conectando-os ao resto da internet.

“Se é um lugar suficientemente pequeno é quase inescapável que haverá uma internet tão pequena que será quase trivial desligá-la”, diz James Cowie, chief technology officer da Renesys.

https://i1.wp.com/img585.imageshack.us/img585/7351/riskofdisconnection.png

No outro extremo, mais de 30 países — incluindo EUA, Canadá e a Holanda — tem mais de 40 provedores de rede cada um em suas fronteiras eletrônicas. Estes são quase impossíveis de desplugar.

Renesys veio com seu mapa sobre os países mais facilmente desconectáveis através de um estudo das tabelas de Border Gateway Protocol (BGP) armazenadas na memória de grandes roteadores usados por centenas de provedores de internet. Estas tabelas  GBP dizem aos roteadores como transmitir as mensagens de uma rede à outra, e uma vez que você começa a juntar quatro ou cinco centenas destas tabelas, você tem uma imagem clara de como a internet é conectada.

O que torna um país fácil de desconectar? “Um alto grau de centralização e um baixo grau de diversidade”, diz Cowie. “Eles tendem a ser lugares onde naturalmente ou organicamente através da história ou da regulamentação, o número de provedores que trafegam dados com suas contrapartes estrangeiras é muito, muito baixo.”

A Groenlândia encaixa no molde. “A Groenlândia provavelmente desejaria mais diversidade, mas a natureza da Groenlândia e a despesa para obter conectividade na Groenlândia significa que eles estão limitados a um pequeno — aparentemente muito pequeno — grupo de provedores”, diz Cowie.

Curiosamente, no entanto, o Afeganistão não.

De acordo com Cowie, o Afeganistão já teve uma rede ao longo de todo o país. Não era muito boa, mas quando foi destruída na guerra uma nova rede se formou como uma ferida cicatrizada sobre o país, conectando diferentes regiões a Irã, Paquistão, Uzbequistão e Turcomenistão.

“O Afeganistão, no meio deles, compra conectividade a internet de todos estes países”, diz Cowie. “Então o governo em Kabul não é mais capaz de desligar a internet do que seria para construir uma internet em primeiro lugar.”

Repórteres sem Fronteiras contra a Censura

A ONG Repórteres sem Fronteiras (Reporters sans Frontieres), organização dedicada à segurança e liberdade de jornalistas e repórteres no mundo todo, lançou em setembro um novo projeto na web: We Fight Censorship (Nós Combatemos a Censura). É um site que permite a publicação de conteúdos censurados, proibidos ou cujos autores foram vítimas de represálias.

Seu objetivo é tornar a censura obsoleta, ao replicar o conteúdo que é apagado ou censurado em certos países. Alguns dos casos que já estão lá são o do vietnamita Paulus Le Van Son (27), um blogueiro católico que denuncia violações dos direitos humanos em seu país, o fechamento de jornais independentes na Eritréia pelo governo de Isaias Afework e a perseguição do regime castrista contra a revista independente De Cuba.

O site conta ainda com um ‘kit de sobrevivência online’ para blogueiros, jornalistas e repórteres perseguidos. Dentre as dicas há a recomendação do uso de ferramentais especiais de navegação (Tor), o envio de emails criptografados e a configuração de redes privadas (VPN).

Outra ferramenta do site é um ‘barômetro da liberdade’ que informa quantos netizens (cidadãos virtuais) já foram presos ou mortos. A contagem atual está em 130 e 44, respectivamente.

Para acessar o site, visite: www.wefightcensorship.org
O conteúdo está disponível em inglês e francês.