Capitalismo gera miséria?

Texto publicado também no blog “Mundo Analista“. Para ler o original clique aqui.

CINGAPURA

Muitas pessoas costumam associar capitalismo à miséria. Para elas, o culpado de haver pessoas miseráveis e passando fome, enquanto outras esbanjam dinheiro, é do capitalismo. Mas será que existe uma relação direta entre capitalismo e miséria? Vamos pensar um pouco.

O que chamam de capitalismo por aí, nada mais é do que o liberalismo econômico. Este sistema surgido por volta dos séculos XIII e XIX com a revolução industrial pode ser resumido, grosso modo, no seguinte: liberdade de comprar e vender. Em outras palavras, quanto mais liberdade as pessoas tiverem para comprar e vender em um determinado país, mais liberal (ou capitalista) é este país. Isso significa que em um país muito capitalista, o governo não criará muitas restrições, imposições e dificuldades para a criação e manutenção de empresas privadas. Segue-se, com isso, que teremos neste país mais empresas competindo no mercado. Com mais empresas, haverá mais empregos. Com mais empregos, haverão menos desempregados. Com menos desempregados, haverá menos miséria.

Vamos pensar por outro ângulo. O que leva uma pessoa à miséria? É a falta de emprego, certo? Como resolvemos este problema? Criando empregos. Como se cria empregos? Criando empresas. E quem cria empresas? Só existem duas opções aqui: ou o setor público ou o setor privado. Sabemos o setor público carece de boa administração. Sobra o setor privado. Resumo da ópera: quanto mais se incentivar a iniciativa privada, mais empregos teremos e, com isso, menos miseráveis.

Ainda explorando este pensamento. Por que os empregados privados de países miseráveis ganham tão mal? Dizer que é culpa do capitalismo não é coerente, pois acabamos de ver que o capitalismo gera empresas e empresas geram empregos. Ou seja, se não fosse o capitalismo, esses mesmos que ganham pouco, não ganhariam nada, pois não trabalhariam em uma empresa privada. E então?

A resposta para nossa pergunta é a seguinte: nesses países há um número pequeno de empresas e um número grande de miseráveis. Assim, o empregado não tem muita opção de emprego e precisa se submeter a baixos salários. E as poucas empresas, por sua vez, tem um número enorme de mão de obra disponível, podendo escolher os melhores à baixo custo.

MAS se aumentamos o número de empresas, temos mais empregos. Com mais empregos, o empregado tem mais opções de escolha e as empresas, por sua vez, precisam disputar entre si os melhores funcionários do mercado.

Concomitantemente, o aumento de empregos e a diminuição de preços causada pela concorrência entre as empresas torna, gradualmente, a condição financeira da sociedade um pouco melhor. Isso resulta em mais investimentos pessoais em especializações, elevando a qualidade da mão de obra disponível no mercado. O que se segue depois de alguns anos são boas economias e bons IDH’s.

Esse tipo de dinâmica não é teoria. Vê-se isso em países como Nova Zelândia, Austrália, Canadá, Cingapura, Suíça, Japão e Hong Kong. Estes são os países mais capitalistas do mundo, países que sempre figuram nas primeiras posições de rankings como o de “Facilidade de se fazer negócios” e o de “Liberdade Econômica”. E, não por acaso, os países que ocupam as piores posições desses rankings (isto é, os menos capitalistas) são os mais miseráveis. Procure pelos países africanos, só para fazer um teste.

Aí eu te pergunto: o capitalismo gera mesmo miséria?

Capitalismo ou Livre Mercado?

Tenho lido, em alguns meios libertários, que devemos parar de usar o termo capitalismo. O termo, cunhado por Karl Marx para descrever o modelo econômico caracterizado pela propriedade privada sobre os meios de produção, tem uma conotação negativa e não descreve necessariamente um modelo econômico liberal, eles dizem. Neste pequeno texto demonstrarei que, apesar de não serem sinônimos como normalmente fazemos parecer, ambos podem e devem ser defendidos.

charging-bull-6201

O que é capitalismo?
O capitalismo é um sistema de gestão caracterizado pela propriedade privada sobre os meios de produção. Ou seja, a propriedade sobre fábricas, fazendas e empresas pertence a uma pessoa, não ao Estado ou a uma coletividade abstrata. Uma empresa que tem um ‘dono’, um ‘proprietário’ – que pode ou não ser o seu gestor – é um exemplo de empresa capitalista. Modelos alternativos a este seriam aqueles onde o meio de produção pertence a algum coletivo (ex.: cooperativas) ou ao Estado (ex.: empresas estatais).

O que é livre mercado?
O livre mercado é um modelo econômico onde as interações econômicas voluntárias dos indivíduos de uma sociedade são livres de distorções geradas por um poder centralizador como o do Estado, por exemplo. Em um livre mercado, todo indivíduo é livre para produzir, comprar, vender, trocar, alugar, emprestar, doar, herdar ou legar propriedade; montar, administrar, vender, comprar, fechar sua própria empresa; contratar ou demitir funcionários e vender sua mão-de-obra. Tudo isto operando com um livre sistema de precificação, ou seja, os fornecedores de bens e serviços determinam o preço de venda de acordo com as condições do mercado, como oferta e demanda, levantadas pelo seu planejamento. Contrário à planificação da Economia por um poder central, o livre mercado pode ser descrito como o modelo econômico onde o planejamento é descentralizado.

Quanto mais liberdade econômica vigora em uma sociedade e melhor se defende o direito de propriedade, mais esta se desenvolve sócio-economicamente e mais liberdades são garantidas aos seus cidadãos. Há uma correlação entre liberdade econômica e desenvolvimento humano, transparência política e igualdade social.

Pode haver capitalismo sem livre mercado?
O capitalismo pode subsistir em um mercado que não é livre, como é o exemplo de empresas operando dentro de sociedades sob regimes totalitários, que as submetem a forte regulamentação, taxação e mesmo políticas de planificação. Outros exemplos de capitalismo operando em mercados que não são livres são o keynesianismo, o nacional-desenvolvimentismo, o mercantilismo, a social-democracia, etc.

Uma economia protecionista, por exemplo, possui empresas capitalistas que não estão sujeitas à competição que normalmente ocorreria dentro de um livre-mercado. Alguns mecanismos limitadores da liberdade econômica são o subsídio, o “resgate” de empresas à beira da falência (bail-out), o financiamento público, a nacionalização, a estatização, a restrição de importações, as proibições em geral, o controle de preços e juros, a inflação da moeda, a determinação de salários e benefícios trabalhistas pelo governo.

Pode haver livre mercado sem capitalismo?
O livre-mercado pode existir sem a presença de empresas capitalistas, mas não se conhece um exemplo real de economia livre onde empresas deste tipo não tenham surgido. O sistema capitalista de gestão é somente um dos modelos possíveis dentro de uma economia liberal. Muitas cooperativas tem prosperado dentro de Economias de Mercado, como é o caso da Unimed e do Sicredi no Brasil.

Qual dos dois deve ser defendido?
O primordial é a defesa do livre-mercado, mas o capitalismo também pode e deve ser defendido como uma alternativa legítima dentro de uma economia livre, assim como o cooperativismo. Não se deve abandonar a defesa deste sistema em específico, em detrimento de outros, porque isto seria acanhar-se e aceitar como verdadeiras as falsas acusações contra ele. Seria admitir, erroneamente, que este sistema é imoral e ilegítimo em si, quando não é.

Se por um lado o livre mercado é quem nos garante liberdade e poder de decisão sobre as nossas vidas – uma vez que, queiramos ou não, o poder de decidir sobre toda a nossa vida é composto de atitudes pequenas como decidir o que comer no café da manhã e onde comprar cada coisa-, por outro lado o capitalismo foi o grande responsável por acomodar as necessidades materiais da sociedade a uma economia com trabalho livre e remunerado, além de continuar sendo a salvaguarda da sociedade contra a “Tragédia dos Comuns” e o facilitador das grandes revoluções tecnológicas que tivemos nos últimos dois séculos.


Gostou do conteúdo? Deixe uma gorjeta:
Donate with PayPal

Comparando o Brasil com o Mundo

O site The Economist fez uma análise da Economia dos estados brasileiros (dados de 2008), em comparação com outros países. O resultado é no mínimo interessante e reproduzimos eles aqui. Para ler o artigo original, em inglês, clique aqui.

População
Com relação à população, o destaque fica para São Paulo, o estado mais populoso (41 milhões), que é comparável à Argentina (39,7 milhões). Outros destaques são o estado do Amazonas que, com toda a sua extensão territorial, tem população equivalente a do Uruguai (3,3 milhões), e o Distrito Federal (2,6 milhões) com população pouco menor que a da Mongólia (2,7 milhões).

https://i2.wp.com/img685.imageshack.us/img685/9759/brpopulation.png

Produto Interno Bruto
Outros resultados surpreendentes surgem na análise do PIB: o Rio Gande do Sul (U$108,7 bi) tem um PIB pouco menor que o do Catar (U$110,7 bi), enquanto São Paulo (U$546,7 bi) tem um PIB maior que o da Polônia (U$529,4 bi) e o Rio de Janeiro (U$187,1 bi) se aproxima de Singapura (U$189,4 bi). Rondônia se aproxima de Moçambique, Tocantins das Bahamas e Santa Catarina, da Croácia.

https://i2.wp.com/imageshack.us/a/img687/6198/brgdp.png

PIB per capita
Este revela mais surpresas. O Distrito Federal é o que apresenta o maior índice (U$25,062), superando Portugal (U$23,844). É seguido por São Paulo (U$13,331) que neste quesito também se aproxima da Polônia (U$13,887), e por Rio de Janeiro (U$11,786) que ultrapassa a Rússia (U$11,701). Outros destaques ficam para os estados do Piauí (que se aproxima da Geórgia), da Paraíba (pouco menos que o Equador) e Bahia (que supera o Irã).

https://i1.wp.com/img12.imageshack.us/img12/2803/brgdppercapita.png

Índice de Desenvolvimento Humano
Aproveitando a deixa, criei um gráfico similar, em português, comparando o IDH dos estados brasileiros com o dos países, ressaltando os que mais apresentam similaridades.

https://i1.wp.com/img194.imageshack.us/img194/5564/brhdi.png

Neste quesito, o destaque fica para o Distrito Federal (0.874) que apresenta o mesmo índice de Israel. Santa Catarina (0.840) supera Singapura (0.835), enquanto São Paulo (0.833), Rio de Janeiro (0.832) e Rio Grande do Sul (0.832) ultrapassam Brunei Darussalam (0.830). A surpresa do gráfico é Rondônia (0.776) que está pouco abaixo do Chile (0.779), país normalmente tido como referência em qualidade de vida na América do Sul.

Por que a Suécia não está quebrada?

A Suécia é um país que levanta grandes dúvidas econômicas. Afinal, o que existe lá? Capitalismo, socialismo, uma mistura de ambos? Muitas pessoas já sabem que lá o governo executa diversas ações na sociedade, o que acaba gerando essa primeira dúvida. Mas além disso, se o governo é tão presente (incluindo muitos gastos), por que, diferente de países como Grécia e Espanha, a Suécia não está atolada em crises?

Do século XIX à década de 1930

A Suécia acaba sendo, mesmo que indiretamente, um bom exemplo contra a argumentação vitimista sobre o antigo colonialismo a respeito de desenvolvimento econômico. Segundo os defensores dessa ideia – que tem um ensino extremamente comum destinado aos jovens brasileiros nas escolas – a forma na qual o país foi colonizado exerce extrema influência sobre o desenvolvimento atual. O fato de um país ter sido colonizado por exploração (geralmente exploração de recursos naturais), segundo os defensores desse pensamento, exercerá grande influência negativa no desenvolvimento futuro do país, ao passo que uma colônia de povoamento (com o foco de desenvolver o local em questão) exercerá uma grande influência positiva no desenvolvimento local. Exemplos clássicos utilizados no Brasil são a colonização por exploração de Portugal sobre o Brasil e colonização britânica por povoamento sobre os EUA, mesmo com os EUA sofrendo com intervenções britânicas, principalmente no século XVIII.

Obviamente, logo após a independência, se um país foi colônia de povoamento pode estar até em boa situação, enquanto uma colônia de exploração tende a ser um pouco mais pobre. Porém, pegando esses casos clássicos, no longo prazo, a colonização deixa de exercer tanta influência, diminuindo cada vez mais conforme o tempo o passa. A declaração de independência dos EUA foi em 1776 e já se passaram 236 anos. A do Brasil foi em 1822 e já se passaram 190 anos. Qualquer vestígio de colonização pode ser apagado facilmente com todo esse tempo, caso boas medidas sejam realizadas. A Suécia entra nessa história com o fato de também ter sido pobre (assim como as colônias exploradas) até meados do século XIX, mudando sua própria história, da mesma forma que os países que foram “explorados” no passado tiveram séculos para fazer o mesmo, mas muitos não fizeram. Fatores como tempo não podem ser utilizados como desculpa.

Muitos suecos imigravam para os EUA nessa época, por exemplo, pois os padrões de vida de então eram próximos dos padrões de vida dos mais pobres países do mundo atual. Em 1868, londrinos organizaram arrecadações voluntárias de recursos a serem enviados para a então faminta Suécia. Além da fome, aproximadamente 17,4% das crianças nascidas não conseguiam completar nem um ano de idade e a expectativa de vida era de apenas 43 anos. Hoje em dia, é difícil imaginar uma situação dessa ocorrendo em um país que sempre está disputando a liderança em diversos índices mundiais como o IDH.

Porém, essa situação estava com os dias contados, pois boas reformas liberais vieram e o país começou a se desenvolver significativamente. Essas reformas incluíam a remoção de barreiras ao comércio, desregulamentação de empreendimentos, liberalização do sistema bancário, privatização de florestas e flexibilizações migratórias. Como resultado, o país, que estava passando fome, começou a se industrializar. Aliadas aos fortes valores empreendedores da sociedade, a situação do país então mudou. Cerca de metade das 50 maiores empresas suecas atuais surgiram nessa época, em que a Suécia se tornou uma nação exportadora e competitiva – não demorou muito para que as exportações representassem 25% do PIB.

Impostos sobre bens industriais variavam entre 3 a 5% por volta de 1875 (entre os menores do mundo), enquanto hoje são 25%. Os gastos públicos  dificilmente representavam 10% do PIB (eram cerca de 6% por volta de 1880), enquanto hoje já são um pouco mais do que a metade. A situação começou a desandar por volta da década de 20, quando o socialista Karl Hjalmar Branting se tornou primeiro-ministro, fortalecendo o Partido Social-Democrata Sueco, que pelo menos é um pouco mais moderado que o Left Party. Até então, a Suécia chegava a ser tão (se não mais) liberal quanto os EUA e o Reino Unido.

A partir da década de 1930

Nesse período, o liberalismo virou passado. A situação começou a se degradar gradualmente até por volta da década de 1970, freando (um pouco) por volta de 1980. A carga tributária, que representava apenas 8% do PIB em 1929, passou a ser 46% em 1980 e mais de 50% na década de 2000. Por mais incrível que possa parecer, de 1950 a 2005 praticamente não foram criados empregos líquidos no setor privado. No setor privado, as demissões foram, por muitas vezes, superiores às contratações, enquanto no setor público o saldo sempre foi positivo, evidentemente. Os empregos no setor privado diminuíram durante 28 anos (1972 a 2000).  Além disso, de 1960 a 2007, a porcentagem de funcionários que trabalhavam na agricultura e na manufatura diminuiu, enquanto o setor de serviços privado e, principalmente, o setor público cresceram. Como apenas a população total cresceu, assim como o número de funcionários púbicos e benefícios assistencialistas, o setor privado precisou ser espoliado cada vez mais para conseguir sustentar esse cenário.

Os valores da sociedade sueca (família, trabalho duro, individualismo independente porém sempre com a mão aberta quando o próximo precisar) foram perdidos, pois o estado passou a ser quem cuidava da educação. Os pais simplesmente delegavam a educação de seus filhos ao estado, composto por socialistas, feministas e por aí vai. Os filhos “aprendiam” (eram iludidos sobre) as maravilhas da esquerda, do socialismo, do igualitarismo, do assistencialismo, da liberdade (de responsabilidades), etc. Era inevitável que as crianças que crescessem sob esse sistema apenas saberiam clamar pelos seus “direitos”, mas nunca pelos seus deveres.

Consequentemente, a Suécia passou por problemas, como o crescimento real per capta. Não coincidentemente, o auge do assistencialismo e do intervencionismo ocorreu no mesmo período em que crescimento real foi menor:

A Suécia se beneficiou por não ter sido destruída na Segunda Guerra Mundial, o que também quebra o argumento de que guerras incentivam a economia. Enquanto outros países destruídos reconstruíam suas respectivas economias (“crescendo”), a Suécia sempre estava um passo a frente, só precisando aprimorar aquilo que já existia.

O país pode não estar quebrando hoje, mas no passado as coisas não estavam funcionando bem. Os déficits fiscais aumentaram, a competitividade diminuiu e a economia estagnou, enquanto a inflação e a insatisfação só cresciam. No entanto, em 1976, depois de 40 anos, os social-democratas esquerdistas saíram do poder, em uma coalização mais direitista liderada pelo Centre Party, com o apoio do Liberal Party e do Conservative Moderate Party, elegendo Thorbjörn Fälldin, freando (um pouco) a expansão socialista. Porém, as reformas foram fracas e o emprego caiu 10% no início dos anos 1990, assim como o déficit fiscal passava de 10% do PIB.

Então, nos anos 1990, reformas mais firmes foram iniciadas. O Banco Central, que pelo menos se tornou mais independente, adotou uma meta de inflação de 2%, o déficit sumiu e o governo conseguiu um superávit em 1998 (com 0,7%) e desde então isso se repetiu (exceto em 2002, 2003 e 2009, mas pouco, nada ridículo como antes). Liberalizações nos mercados de bens e serviços como eletricidade, ferrovias, setor aéreo e previdenciário, educação, entre outros (incluindo a privatização da marca de bebidas Absolut Vodka em 2008), além de reduções de impostos e benefícios (que ainda continuaram altos, só que não tanto quanto antes) facilitaram o bem andar da economia.

A alta carga tributária, mesmo parando de aumentar (evitando que ficasse ainda maior), resultou em uma mudança empregacional nas multinacionais suecas. Em 1987, cerca de 500 mil funcionários trabalhavam em uma multinacional sueca fora da Suécia, enquanto no país eram cerca de 750 mil. Conforme o tempo foi passando, países mais próximos, principalmente no leste e no centro da Europa, começaram a realizar reformas pró-mercado, e as empresas suecas viram ali melhores oportunidades. Com isso, gradualmente, empregos foram fechados na Suécia e abertos em outros países, sendo que em 2006 o número de empregos que existiam nessas empresas na Suécia caiu para cerca de 500 mil (250 mil a menos), enquanto em outros países subiu para mais de 1 milhão (mais de 500 mil a mais).

Os recentes números da economia, em coroas suecas:

PIB:
2008: 3,204 trilhões
2009: 3,105 trilhões
2010: 3,330 trilhões
2011: 3,495 trilhões

Déficit/superávit governamental (% do PIB):
2008: 69,4 bilhões (2,2%)
2009: -22,2 bilhões (-0,7%)
2010: 8,3 bilhões (0,3%)
2011: 10,0 bilhões (0,3%)

Gastos públicos, em porcentagem no PIB:
2008:
 51,7%
2009: 54,9%
2010: 52,5%
2011: 51,3%

Receita governamental, em porcentagem no PIB:
2008:
 53,9%
2009: 54,0%
2010: 52,4%
2011: 51,4%

Dívida governamental (% no PIB):
2008:
1,243 trilhão (38,8%)
2009: 1,322 trilhão (42,6%)
2010: 1,313 trilhão (39,4%)
2011: 1,341 trilhão (38,4%)

A Suécia, diferente de boa parte do mundo, tentou ser responsável em relação a dívidas durante a crise. Desde 1999 a dívida governamental, além de estar diminuindo cada vez mais de forma gradual, está abaixo da média dos países da União Europeia, sendo menor do que a metade da dívida desses países. A Suécia, de certa forma, já estava seguindo o caminho inverso da Europa dos últimos tempos: ao invés de (mais) estatismo, estão diminuindo, mesmo que lentamente, o tamanho do estado.

O que serve para quase dar sustento ao assistencialismo e, ao mesmo tempo, refutar a ideia de que a Suécia é um misto de capitalismo com socialismo é a liberdade econômica desconsiderando impostos. A alta carga tributária, evidentemente, é um fator que diminui a liberdade, pois o estado acaba redirecionando ainda mais recursos coercivamente. Porém, não são apenas impostos que pesam sobre a liberdade econômica. Burocracia, regulamentações e intervenções em geral também pesam muito e nisso a Suécia consegue ir relativamente bem.

No índice de facilidade de fazer negócios (ease of doing business index, no nome original), do Banco Mundial, a Suécia se posicionou em 14º de 183 países em 2011 e 2012, melhorando lentamente nos últimos anos. Porém, o índice tem algumas coisas que diferem de liberalismo econômico. No que interessa ao leitor do artigo, no quesito comércio através da fronteiras, por exemplo, que inclui documentação e tempo necessários, além de custo por contêiner, o país está em 8º. Para o desespero de alguns nacionalistas, o tempo é um fator mais favorável para importações do que exportações. Geralmente, são necessários 8 dias para exportar, enquanto para importar são apenas 6.

A Suécia também se dá bem no índice de liberdade econômica da Heritage Foundation. Desde os anos 1990 o país aumenta, gradualmente, a sua posição no ranking. Só que ainda mais importante do que esse aumento gradual em si são as características suecas no ranking. Dos 10 fatores levados em consideração, apenas em 3 a Suécia tem liberdade abaixo da média mundial, que são, obviamente, liberdade fiscal e gastos governamentais, além de liberdade trabalhista. Dos 3, liberdade trabalhista está só um pouco abaixo da média mundial, enquanto fatores como liberdade de negócios e direitos de propriedade estão extremamente acima da média, com os direitos de propriedade disputando acirradamente a liderança mundial, sendo que por oito anos o país liderou nesse quesito na década de 2000. A “função social” da propriedade não deve estar sendo levada muito a sério por lá.

Portanto, é um erro chamar a Suécia de socialista ou qualquer outra coisa do tipo, principalmente de meados da década de 2000 para os dias atuais. O país se beneficiou de boas reformas liberais no século XIX e passou por um período mais “infeliz” em boa parte do século XX, que resultaram em vários problemas econômicos nas últimas décadas. Talvez esse período possa até ser considerado mais um misto real de capitalismo com socialismo, mas os resultados dele mostram que não é algo benéfico. Benéfico foi o período iniciado em meados dos anos 1990, em que o desemprego diminuiu e políticas públicas minimamente responsáveis surgiram, como uma leve redução de gastos públicos e impostos, além de estabilizações das contas públicas e liberalizações econômicas, que permitiram que a Suécia voltasse a ter uma economia mais estável. Pelas características suecas, caso ali existisse um estado menor, muito provavelmente o país estaria colocado entre os mais liberais do mundo, mesmo não estando longe disso atualmente, já que os altos impostos jogam para baixo a percepção de liberdade econômica lá existente.

“O IDH de Cuba é maior que o do Brasil”

Quando se discute com socialistas, quase sempre eles apresentam Cuba como um modelo a ser seguido. Talvez porque tenham perdido as esperanças com Coréia do Norte, Laos, Vietnã ou a China “vendida” ao capitalismo.

Para fazer de Cuba um modelo, é necessário primeiramente reduzir a qualidade de vida de um ser humano àquilo que ele pode consumir: comida, água, habitação, etc. Partindo deste ponto, temos a conclusão lógica de que se uma pessoa tem o mínimo necessário de comida, educação e saúde, então ela tem qualidade de vida. Exclua deste cálculo absolutamente toda e qualquer liberdade de expressão, de imprensa, de associação, de ir e vir, etc. A isto chamamos “liberdade da necessidade”, que é o conceito esquerdista de liberdade. Nada a ver com viver para si, busca da própria felicidade e ausência de coerção. Basicamente é assumir que, se um senhor de escravos provê comida, habitação e vestuário aos seus escravos, então estes são “livres”.

A bandeira alardeada é o IDH Cubano. Sobretudo o índice de educação, no qual o país se destaca realmente como o “melhor” da América Latina. No entanto há alguns problemas com relação ao IDH que serão abordados aqui.

Em primeiro lugar, o IDH de Cuba não pode ser calculado com precisão por um problema técnico: o governo cubano não permite que instituições independentes avaliem o país. Todos os dados são invariavelmente fornecidos pelo governo, e este não fornece dados confiáveis sobre renda, que é uma variável do cálculo. Sem a variável renda, o IDH não pode ser calculado. A alegação oficial é que, como o governo provê tudo, ou praticamente tudo, que o cidadão poderia comprar, logo o seu salário é reduzido.

Em segundo lugar, é um erro afirmar que a ilha supera em qualidade de vida seus vizinhos americanos. Muitos países ou estados americanos que se comparam à Cuba em tamanho da população tem uma qualidade de vida superior. É o caso das divisões administrativas brasileiras do Paraná, Rio Grande do Sul e Bahia e cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Cidade do México, Buenos Aires e Bogotá, e de países menores como o Chile e o Uruguai.

Se pegarmos a avaliação do IDH dos estados brasileiros realizada pelo UNDP em 2005, veremos que muitos estados brasileiros apresentam um IDH superior ao de Cuba no mesmo ano. O Rio de Janeiro é um deles. Podemos dizer que o Rio de Janeiro em 2005, com um IDH de 0.832 (em contraste com os 0.681 de Cuba no mesmo ano) tinha uma excelente qualidade de vida? Podemos afirmar que o Rio de Janeiro em 2005 tinha uma qualidade de vida superior à do Chile do mesmo ano, que contabilizava 0.779 no índice de desenvolvimento humano? Não tenho tanta certeza.

Acredito que o método “FarmVille” de calcular a qualidade de vida só pelos índices de educação, saúde e renda seja muito grosseiro. Qualidade de vida é ter ração todo dia, ter um galinheiro onde dormir e serviço veterinário? Acho que qualidade de vida vai muito além disso e engloba uma série de coisas que não são abordadas neste índice, como a liberdade de ir e vir, a liberdade de expressão, a liberdade de imprensa, de culto, de associação, etc.

Mas, o IDH é o que temos. Como a última avaliação dos estados brasileiros a que tive acesso foi feita em 2005, vou postar aqui uma comparação simples entre os índices de desenvolvimento humano de estados brasileiros e países sul-americanos, incluindo Cuba. Os números relacionados à população brasileira são do censo de 2010 realizado pelo IBGE. O total da população brasileira segundo este último censo é de 185.712.713. Com relação às populações de outros países latinos, as fontes são os institutos nacionais de estatística e, quando não disponíveis estas informações o Factbook da Central de Inteligência Americana.

Se fôssemos selecionar o TOP 10 do ranking de IDH, ficaria assim:

Todas as dez primeiras posições são ocupadas por estados brasileiros. São nada mais nada menos que 115,4 milhões de pessoas,todas brasileiras, o que representa mais de 62% da população brasileira. Nada de Cuba por enquanto.

Vamos adicionar mais 10 e ficar com o TOP 20:


Mais 6 estados brasileiros, totalizando 16. São agora 125,6 milhões de brasileiros contabilizados. Ou seja, 67,7% da população brasileira. Entram Argentina, Bahamas, Barbados e Chile. Se somarmos a população destes países (57,3 milhões) aos estados já contabilizados, temos 183 milhões de pessoas na América Latina. Nada de Cuba ainda.

Vejamos os próximos 10 para fechar o TOP 30:


Pausa. Mais 5 estados brasileiros entram no ranking. São 21 agora, somando uma população de 152,6 milhões de brasileiros… ou seja, 82,2% da população brasileira. Se somarmos os outros felizes latino-americanos vivendo melhor que os cubanos – algo em torno de 177,5 milhões – temos um total de cerca de 330 milhões de pessoas. É mais do que a população dos Estados Unidos.

Cuba aparece ali no 30º lugar, logo abaixo de Trinidade e Tobago. Veremos agora os que, de acordo com o índice de desenvolvimento humano da ONU, tem o infortúnio de viver “pior” do que os cubanos:

Entram ali as outras 6 divisões administrativas do Brasil. Dá um total de 33 milhões de brasileiros, 17,8% da população. Os outros povos que estão na lista somam uma população de 196,6 milhões. Com os brasileiros, são 229,6 milhões. Somados os cubanos, são 240,9 milhões.

Analisamos então 54 unidades políticas, que englobam quase todos os países da América Latina, mais o Brasil dividido em unidades federativas. São 571,1 milhões de pessoas, das quais 57,8% vivem melhor que os cubanos.

Em azul, regiões com IDH maior que o Cubano.

Resumindo:
1) O IDH cubano é mediano dentro do contexto latino-americano. Países grandes como o Brasil, ou mesmo o México, acabam passando uma visão distorcida do seu desenvolvimento por causa da disparidade entre as suas regiões: a média que resulta do cálculo pode iludir.

2) A impressão de que as 185 milhões de pessoas vivendo no Brasil tem uma qualidade de vida inferior àquela dos 11,2 milhões habitantes de Cuba é falsa: 82% da população brasileira desfruta de um IDH mais alto do que o de Cuba.
É este o modelo que propõem? Piorar a vida de 82% da população apenas para reduzir a desigualdade relativa, em vez de preocupar-se com a pobreza absoluta?

3) Mais da metade da população latino-americana vive melhor que os cubanos. O número de sul-americanos vivendo em áreas com qualidade de vida superior à cubana excede a população dos Estados Unidos: 330 milhões de pessoas.

Mas o mais importante, ainda assim, é enfatizar que educação, saúde e renda não são os definidores absolutos da qualidade de vida de um povo. Há uma série de fatores importantes que este índice não aborda: liberdade de expressão, de culto, de imprensa, de ir e vir, de fazer negócios, etc. Um homem livre tem mais qualidade de vida que o escravo bem alimentado, sem dúvidas. É o caso dos uruguaios, costarriquenhos, chilenos, jamaicanos, panamenhos, colombianos, peruanos, salvadorenhos, paraguaios, guianenses, surinameses, bahamenses, barbadenses…


Gostou do conteúdo? Deixe uma gorjeta:
Donate with PayPal

FONTES E REFERÊNCIAS:


Gostou deste artigo? Receba nossas atualizações por e-mail assinando o nosso boletim:
Boletim Direitas Já!

A mediocridade do ensino superior brasileiro

Segundo o QS World University Ranking de 2011, ranking da educação universitária no mundo, estas são as 3 melhores colocações brasileiras:

  • USP: 169º
  • Unicamp: 235º
  • UFRJ: 381º

Isso mesmo: Não há nenhuma universidade brasileira entre as 100 melhores do mundo, contra 31 universidades americanas e 6 japonesas.

Pode parecer absurdo, mas não é. Esse pífio resultado pode assustar os leigos politicamente, mas quem conhece a política nacional a fundo sabe do que se está falando: faz parte de um projeto de poder. Ou melhor, de perpetuação do poder político neste país.

"Estudante" revolucionário da USP: filhinho de papai tirando lugar de quem quer estudar, para fazer agitação política.

Lendo bem a tabela que consta no link, reparemos o seguinte: não consta nenhuma universidade do Nordeste e do Norte do Brasil. Será mera coincidência que esses mesmos Estados onde, segundo o ranking, o ensino superior não existe, sejam governados por oligarquias que se perpetuam no poder há mais de 50 anos?

Não, não é coincidência não: faz parte do projeto. Um povo mal educado, mal instruído, é fácil massa de manobra nas mãos de políticos inescrupulosos. Ou melhor: sustenta várias indústrias criminosas deste país, como a indústria dos cursinhos pré-vestibulares, pré-OAB, pré-ENEM, etc. Ou a pior de todas: a do concurso público, que torna o cidadão cada vez mais dependente do emprego público e faz com que as pessoas se voltem contra as privatizações que ajudaram o país a crescer, pois o  setor privado – cada vez mais sufocado pelos impostos extorsivos – exige uma atualização que estes nunca terão.

A Musa do Lixo, mostrando toda sua "consciência social" e respeito com os oprimidos funcionários da limpeza.

A educação liberta, mas não querem que o povo seja livre. Não querem mesmo. Essas colocações no ranking mundial estão até boas demais: eles queriam é que todas estivessem fora do ranking das 600 melhores. Se o leitor examinar bem o ranking, verá que universidades ditas “de excelência” no Brasil não constam no ranking.

No ensino brasileiro hoje em dia predomina uma regra: a do anti-americanismo ridículo e patológico, uma coisa deprimente e medonha que doutrina as nossas crianças. O vestibular hoje é um verdadeiro vestibular vermelho, onde só se passa quem responde de acordo com o que o comunista da banca examinadora pensa.

A liberdade custa caro e passa pela educação. Mas atenção: quantidade não é qualidade. Universidade é o que não falta no Brasil, o que falta é qualidade…

Ilhas Maurício, o país mais livre da África

A República de Maurício, Maurício, ou como é mais conhecida no Brasil, Ilhas Maurício, é uma nação insular na costa sudoeste do continente africano, localizada a 870 quilômetros da Ilha de Madagascar.

Já esteve sob domínio colonial holandês, francês, e britânico, obtendo sua independência do Reino Unido em 1968. É uma república parlamentar assim como a Índia, a Turquia, a Finlândia e a Mongólia. Faz parte da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (Southern African Development Community – SADC), do Mercado Comum da África Oriental e Austral (Common Market for Eastern and Southern Africa – COMESA), da União Africana (African Union – AU) e da Commonwealth of Nations.

Seu sistema legal em vigor se baseia em elementos da Lei Comum Britânica e da Lei Civil Francesa. O judiciário opera de maneira independente. É considerado um dos países onde a política é menos corrupta em toda a África. De acordo com o International Property Rights Index, índice internacional que mede a defesa da propriedade privada, o escore geral das Ilhas Maurício é de 6,2 (acima dos 4,5 que é a média geral da África), com um destaque para a defesa das propriedades privadas físicas, onde obtém o score 7 (a média do continente é 5,2).

Um fruto da liberalização
O país passou por um processo de liberalização desde a década de 70, e hoje colhe os frutos. A liberdade econômica do país, medida pelo ranking da Heritage Foundation, obteve um escore geral de 77 no ano de 2012 (um aumento de 0.8 desde a última comparação). É o país africano mais bem posicionado no ranking, e o oitavo melhor colocado do mundo – logo atrás do Chile. O país cresce a uma média de 4% ao ano.

De acordo com índice de GINI, que mede a igualdade da distribuição da riqueza num país, tem o score de 39 pontos. Outros países com índice similar são a Jordânia, Gana, Indonésia, Mauritânia e Malawi.

Educação
O índice de analfabetismo para maiores de 15 anos é de 12%. Entre jovens de 15 a 24 anos, a taxa de analfabetismo é de 3,5%. No ano de 2011, os gastos do governo em educação foram estimados em 11,709 milhões de rúpias. Ou seja, 12,5% de todo o investimento governamental e 3,1% do PIB.

As matrículas nas escolas pré-primárias atingiram 97% da população com uma taxa de 12 alunos por professor. Na educação primária, a taxa de matrícula foi de 100% com uma taxa de 27 alunos por professor. Na educação secundária, a taxa de matrícula foi de 70% e com uma taxa de 15 alunos por professor. Na educação terciária, a taxa de matrícula foi de 6,9%.

Saúde
A expectativa de vida ao nascer é de 73 anos. A mortalidade infantil até os cinco anos é de 15 (por mil), inferior à brasileira. O gasto percentual do PIB em saúde, no ano de 2009, foi de 5,7%. A subnutrição atinge somente 5% da população.

Comunicações
Mais de 22% da população tem acesso à internet, mais de 81% da população utiliza celular e cerca de 29% da população tem linhas telefônicas.

Economia
O PIB para 2010 foi de 9,46 milhões de dólares, com uma taxa de crescimento real de aproximadamente 4%. A renda per capita com paridade do poder de compra é estimada em 13,670 mil dólares para o mesmo ano. Um negócio pode ser aberto no país em 6 dias úteis.

A agricultura representa 3,6% do PIB, enquanto o setor de manufatura representa 18%, o turismo 7% e os serviços financeiros 10%. Os principais produtos de exportação são os têxtis, os vestuários, os alimentícios, os derivados de petróleo, os produtos químicos, a carne, o peixe, o arroz, a farinha, o óleo vegetal, o ferro, o aço, o cimento, fertilizantes, relógios, joalheira e instrumentos ópticos. Seus principais supridores são a Índia, a França, a África do Sul, a China, o Japão e a Austrália.

Liberdade de imprensa e democracia
Considerado um país de imprensa livre pela Freedom House e um país em situação satisfatória pelo Reporters Without Borders. Também pela Freedom House, o país é considerado uma democracia plena com um escore geral de 8.04, superando a Espanha.

Desenvolvimento Humano
Segundo o índice de desenvolvimento humano (IDH) provido pelo Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (United Nations Development Program, UNDP), as Ilhas Maurício tem um desenvolvimento humano superior à média da África Sub-Saariana e superior à média mundial, aproximando-se bastante dos países de alto desenvolvimento humano. O IDH das Ilhas Maurício, registrado para o ano de 2011, fica em 0.728.

A lição que se tira de Maurício
Assim como o Taiwan, Maurício é uma lição para muitos países do mundo. É mais uma prova viva de que mesmo um país pequeno, sem muitos recursos naturais e que viveu séculos sob dominação colonial ou ditaduras de partido único, pode alcançar um grande nível de desenvolvimento humano, garantindo bem-estar, qualidade de vida e liberdade para o seu povo. Para isso, basta levar a sério as medidas de democratização, investimento e liberalização necessárias ao pleno desenvolvimento de uma economia saudável, de uma educação de qualidade e de uma sistema legal justo.


Gostou do conteúdo? Deixe uma gorjeta:
Donate with PayPal

Fontes dos dados:
Direitos de Propriedade
http://www.internationalpropertyrightsindex.org/

Liberdade econômica
http://www.heritage.org/

GINI
https://www.cia.gov/

Educação, saúde e economia
http://data.worldbank.org/
http://www.gov.mu/
http://ddp-ext.worldbank.org/
http://ddp-ext.worldbank.org/
http://www.who.int/
http://www.state.gov/

Liberdade de imprensa
http://www.freedomhouse.org/country/mauritius
http://en.rsf.org/
http://en.rsf.org/

Democracia
http://www.eiu.com/

Índice de Desenvolvimento Humano
http://hdrstats.undp.org/

Você tem interesse em aprender mais sobre a liberdade e o capitalismo na África? Acesse AfricanLiberty.org.