Confusões clássicas sobre Direita e Esquerda

Contribuição espontânea do nosso leitor Davi Caldas, publicado originalmente no seu blog Mundo Analista. Para ler o artigo original, clique aqui.

Em qualquer site ou livro de história geral que o leitor for procurar informações sobre a origem da esquerda e da direita política, o resultado será o mesmo: esquerda e direita são dois termos que surgiram na época da revolução francesa (1789-1799) para distinguir posições conservadoras (direita) das posições radicais (esquerda), no âmbito da política. Essas informações não estão erradas. Eu mesmo as ofereço na postagem “Definição de Direita e Esquerda”. Contudo, é necessário desfazer algumas confusões clássicas que costumam obscurecer o entendimento do que os dois termos, de fato, significam.

A primeira confusão que precisamos desfazer é a seguinte: o que surgiu na época da revolução francesa não foram as definições do que é direita e esquerda, mas somente os termos direita e esquerda. Existe uma diferença abissal entre uma definição de algo e o termo usado para nomear esse algo. Por exemplo, existe um tipo de transporte público que é cumprido, retangular, tem vários assentos e anda no asfalto. Essa é a definição do objeto (do “algo”). O termo que é usado para nomear esse objeto é ônibus.

Perceba que o termo não é a mesma coisa que a definição. E note que a definição do objeto pode surgir antes do termo que o nomeia. Na verdade, isso é o que geralmente acontece, sobretudo, no campo das idéias. Quando o capitalismo surgiu, não tinha esse nome. Foi Marx que passou a designá-lo assim depois de tê-lo observado e entendido a sua definição. O cristianismo, quando surgiu, também não tinha esse nome. O termo só começou a ser utilizado posteriormente.

A coisa não é diferente quando tratamos do espectro político. Direita e esquerda são ideologias que já vinham se desenvolvendo muito antes dos franceses distinguirem suas posições ideológicas pelos assentos que ocupavam, designando assim tais termos para uso político.

No entanto, a maioria esmagadora das pessoas não percebe esse pequeno detalhe e acabam acreditando que tanto as definições como os termos do espectro político foram criados na revolução francesa. O resultado dessa confusão são explicações incoerentes como essa:

Direita e esquerda surgiram na revolução francesa quando o rei absolutista da França convocou os estados gerais para uma assembléia. Aqueles que eram favoráveis à conservação do poder absoluto do rei e dos privilégios da nobreza ficavam à direita do rei, enquanto que aqueles que queriam a derrubada do poder absoluto e dos privilégios da nobreza sentavam-se à esquerda. Assim, passou-se a denominar de direita quem é a favor da conservação dos poderes e privilégios da elite e de esquerda quem é contra essa conservação.

Não, não, não! Está tudo errado. Aqueles que eram a favor da conservação do poder absoluto do rei e dos privilégios da nobreza eram partidários não do pensamento de direita, mas do pensamento do antigo regime absolutista. Dizer que a direita era uma ideologia que apoiava esse antigo regime é a mesma coisa que dizer que a direita existe desde os primórdios da humanidade. Afinal, desde o início existiram reis com poderes absolutos e uma nobreza com privilégios.

Mas assumir que a direita existe desde os primórdios da humanidade não apenas contradiz a própria explicação de que ela surgiu na revolução francesa como contradiz a idéia de que ela ainda existe hoje. Ora, o antigo regime absolutista já foi derrubado em todos os países. Ainda há muitas ditaduras, por certo, mas não se tratam das monarquias absolutistas antigas. Se considerarmos, ainda, que a direita se caracteriza por ser elitista, então devemos considerar que os próprios governos comunistas que existiram no mundo foram de direita, pois havia em todos eles uma elite do governo que tinha seus salários garantidos, que não passava fome (como parte do povo passava), que não abria mão de seus poderes, que não ia à guerra e etc. Isso não é um governo elitista?

A verdade é que todo o governo é, por definição, elitista. Mesmo o governo mais esquerdista. Afinal, de contas o governo é formado por políticos que jamais passarão o que o povo passa. A esquerdíssima Dilma Rousseff, atual presidente do Brasil, por exemplo, não vai ficar desempregada, não vai receber salário baixo, não vai passar fome, não vai ser presa injustamente, não vai ser assaltada na rua, não vai ter sua casa roubada, não vai precisar esperar em fila de hospital público. Jamais. Se uma epidemia de alguma doença grave atingir qualquer país, os políticos serão todos vacinados. Se houver uma guerra, eles não serão convocados para batalhar. Se a guerra causar fome generalizada, tenha certeza que nenhum político morrerá por não ter o que comer. Ser político garante privilégios que o povo não tem. Isso caracteriza elitismo.

Então, fica claro que é incoerente dizer que os defensores do antigo regime eram de direita ou que a direita é o posicionamento que defende o elitismo. São idéias que não fazem nenhum sentido lógico. Da mesma maneira, é incoerente dizer que esquerda é a oposição ao antigo regime ou que é o posicionamento que ataca o elitismo.

A pergunta que pode surgir agora é: “Mas, então, o que eram os defensores do antigo regime e os contrários a ele?”. Bem, os defensores do antigo regime absolutista eram simplesmente os defensores do antigo regime absolutista. Não eram de esquerda, nem de direita, nem de centro. Eram absolutistas.

O antigo regime monárquico, sobretudo o absolutista, era um regime baseado em premissas que hoje nos são estranhas. O rei era rei e era absoluto porque ou Deus assim queria (apelo à religião), ou porque ele conquistou esse poder com seus exércitos (apelo à força) ou porque “sempre foi assim e deve continuar sendo assim, não importando se é bom ou ruim” (apelo à tradição) ou mesmo por todos esses motivos juntos. Nesse tipo de regime, não havia ideologias ou propostas de mudanças. Não havia livre discussão de idéias dentro lei. Não havia um plano de governo ou um objetivo político. Não havia partidos. Não havia direita. Não havia esquerda.

Direita e esquerda são modos de pensar que não fazem sentido dentro do antigo regime absolutista. São ideologias que se desenvolveram para existir dentro de um novo regime político. A discussão entre direita e esquerda não é e jamais foi uma discussão entre o novo e o antigo regime. Tanto direita como esquerda já são parte do (e só fazem sentido no) novo regime.

Quanto aos que eram contrários ao antigo regime e, portanto, favoráveis ao novo, eles poderiam ter uma orientação tanto de direita como de esquerda. Não há contradição aqui, porque direita e esquerda eram, ambas, de um novo regime que lutava para vencer o absolutismo. No caso da revolução francesa, a grande maioria dos revolucionários era de orientação esquerdista.

Os motivos da adoção dos termos

Certo. Entendemos que os termos direita e esquerda surgiram na revolução da França, mas não as definições. Entretanto, alguém pode levantar uma objeção, dizendo que um termo só surge quando a definição já está pronta. Ou seja, se os partidários do antigo regime foram chamados de direita e os opositores foram chamados de esquerda é porque as definições eram essas mesmas. Mas isso está errado. Direita e esquerda eram, no início, apenas as alas da assembléia onde os franceses sentavam. Nesse sentido, sim, os partidários do antigo regime eram da direita (a ala direita) e os opositores eram da esquerda (a ala esquerda).

A adoção dessas palavras como termos que designavam ideologias políticas só ocorreu posteriormente e necessitaram se adaptar às definições reais de cada uma dessas ideologias. A base, é claro, ficou. A direita é a ideologia mais conservadora e a esquerda é a ideologia mais radical. Mas, afora essa idéia básica que os termos carregavam desde a revolução francesa, não há nada do contexto da revolução que sirva para definir cada uma dessas ideologias.

Vamos ver alguns exemplos. Todo mundo sabe que a revolução francesa foi uma revolução burguesa. A burguesia, na época, era uma classe ainda em ascensão e que era muito atrapalhada pelos privilégios da nobreza e o amplo poder do rei. Ora, se formos considerar que a definição de esquerda e de direita surgiu na revolução francesa, então devemos concluir que a esquerda deveria ter sido sempre favorável à burguesia. Porém, o marxismo, que é a mais importante doutrina da esquerda, se opõe à burguesia. Seria o marxismo de direita, então?

Da mesma maneira, todo mundo sabe que os partidários do antigo regime eram totalmente contrários à limitação do poder do Estado (representado pelo rei). Se formos considerar, então, que a definição de esquerda e de direita surgiu na revolução francesa, devemos concluir que a direita deveria ter sido sempre contrária à limitação do poder do Estado. Porém, o partido republicano dos EUA, que é de direita, por exemplo, jamais teve tal postura. Pelo contrário, seus políticos costumam defender um Estado que não se meta muito na vida do cidadão e das empresas, a fim de que o poder do governamental não aumente. Seria o partido republicano de esquerda, então?

Os exemplos não deixam dúvidas de que para definir direita e esquerda nós não devemos olhar para a revolução francesa. A revolução francesa apenas serve como base para nomear definições já existentes; definições que já vinham se desenvolvendo desde muito tempo.

O desenvolvimento das ideologias

Chegamos, enfim, ao ponto em que cabe perguntar: “Quando foi que surgiram as ideologias de direita e esquerda?”. Bem, acredito que utilizar a palavra “surgiram” não reflete muito aquilo que realmente aconteceu. “Surgiram” dá a impressão de que elas passaram a existir de repente, do nada. Mas a verdade é que as ideologias que viriam a ser chamadas de direita e esquerda foram se desenvolvendo gradualmente ao longo dos anos até estarem bem definidas e poderem receber os nomes que hoje conhecemos.

Podemos entender esse processo da seguinte maneira: o antigo regime começou a se tornar alvo de muitas críticas entre os séculos XVII e XVIII. Pensadores passaram a formular teorias políticas em que esse sistema absolutista seria abolido e daria lugar a algum sistema mais igualitário e justo. Entre os intelectuais, o antigo regime começou a perder muitos adeptos. A nova leva de pensadores tinha um pensamento em comum: o sistema político deveria ser mudado. Da forma como estava não dava.

Esse é o ponto de partida. Os novos pensadores concordavam que deveria haver uma mudança no sistema. Mas como seria o novo sistema? Quais seriam as funções do governo? Como se poderia evitar que os governantes se tornassem déspotas? Qual era o limite de atuação do Estado? Como o Estado poderia resolver os principais problemas que a sociedade passava? Quais seriam os métodos utilizados? Quais eram as melhores propostas de governo? Como encarar as novas mudanças que surgiam, como a criação de indústrias, o crescimento do comércio e as novas tecnologias?

Foi a partir desses questionamentos que os novos pensadores que iam surgindo passaram a ter divergências entre si. Afinal, cada um tinha uma proposta diferente. Cada um enxergava a sociedade de uma maneira distinta um do outro. Entretanto, as diversas idéias diferentes que surgiram na época sobre como deveria ser o novo sistema podem ser divididas em dois grandes grupos: o grupo humanista e o grupo pessimista.

Como já vimos nas últimas postagens, os humanistas eram aqueles que achavam que o ser humano tinha plena capacidade de remodelar toda a sociedade, tornando-a um paraíso. Muitos dos humanistas eram deístas, agnósticos e ateus. Então, isso facilitava o antropocentrismo. O homem tinha suas qualidades elevadas e passava a ocupar o lugar do próprio Deus, tornando-se capaz de redimir a humanidade.

Já os pessimistas eram aqueles que achavam que o ser humano é da forma como tem sido desde sempre e isso nunca vai mudar. Essa visão não estava relacionada com a religião, mas sim com a observação de como o mundo sempre foi e de como o homem costuma a agir. Paixões infames, inclinações ao mal, tendência ao egoísmo… Mesmo alguns pensadores ateus, agnósticos e deístas não tinham dificuldade de ver que essa era a natureza do ser humano. Assim, embora tais pensadores defendessem a criação de um novo regime, mais justo e não-despótico, não acreditavam muito na bondade do homem e em uma transformação tão ampla da sociedade.

Há também um meio termo nessa história. Muitos pensadores se dividiam entre idéias de ambos os grandes grupos, ficando no centro desse espectro. É no interior desse espectro que as noções de direita e esquerda começam a surgir (embora não com esses nomes ainda). Pensadores como Adam Smith, David Ricardo, Edmund Burke, Thomas Jefferson, John Locke e Voltaire foram muito importantes para o desenvolvimento das idéias da direita. Já pensadores como Rousseau, Robert Owen, Saint-Simon, Charles Fourier, Robespierre, Danton e Marat foram muito importantes para o desenvolvimento das idéias de esquerda. No centro do espectro, podemos colocar Montesquieu, já que ele teve idéias que foram cooptadas tanto pela direita como pela esquerda.

O desenvolvimento das ideologias continua mesmo depois da revolução francesa, ganhando novos pensadores como Comte, Proudhon, Bakunin, Marx e Engels para esquerda, bem como Tocqueville, Hume, Mill e Popper para a direita. Caso o leitor tenha algum conhecimento sobre esses autores, pode perceber que todos eles seguem as mesmas duas linhas de raciocínio que foram desenvolvidas no século XVII e XVIII: a humanista e a pessimista, que deram origem, respectivamente à esquerda e à direita.

Por que esclarecer esses pontos?

O leitor pode estar se perguntando a razão de se esclarecer esses pontos. Qual é o problema de se confundir o aparecimento das palavras direita e esquerda como termos políticos com o surgimento das ideologias e definições em si? No fim das contas não dá no mesmo? Não, não dá.

Entender como essas duas ideologias distintas e opostas se desenvolveram é algo essencial para que possamos defini-las corretamente. Por exemplo, movimentos como o fascismo italiano e o nazismo alemão tem sido rotineiramente chamados de movimentos de extrema-direita. Mas isso não faz sentido. Afinal, a direita prega, desde seu início, o individualismo, o Estado pouco interventor, a prudência política e um forte ceticismo em relação à bondade do ser humano e a qualquer projeto de remodelação radical deste mundo. Assim, um regime de extrema-direita deveria ser um regime que levasse esses princípios ao extremo.

Contudo, o que vemos em regimes como o fascismo e o nazismo é justamente o contrário. Foram regimes coletivistas, fortemente interventores, adeptos de um terrível radicalismo político, defensores da perfectibilidade do homem de sua “raça” e crentes em uma remodelação completa da sociedade através da mão do Estado. Curiosamente, características que fazem parte justamente da esquerda, embora extremadas.

A pergunta é: o que há no fascismo e no nazismo que se assemelha com o que a direita defende? Não há nada. As justificativas para que tais regimes sejam colocados no campo da direita são sempre confusões como as que abordamos nessa postagem. Diz-se que a direita é elitista porque se classifica o antigo regime como direita. Assim, nazismo e fascismo passam a ser de direita.

Diz-se que a esquerda é contrária ao elitismo porque se ignora que todo governo é elitista por definição e que os governos mais esquerdistas que existiram no mundo (os comunistas) foram também os mais elitistas. Assim, o comunismo é visto como um regime realmente igualitário, em oposição ao nazismo e ao fascismo.

Diz-se que ser de esquerda é, necessariamente, ser comunista. Assim, nazismo e fascismo, que eram anticomunistas, passam a ser tão de direita quanto os governos dos EUA e da Inglaterra da época da segunda guerra mundial.

Por fim, definições errôneas que só existem e persistem porque não se faz uma distinção entre o surgimento de termo e definição. Esta é a razão pela qual é importante esclarecer esses pontos para o leitor. Esse foi o objetivo dessa postagem. E o leitor que for honesto consigo mesmo, verá que em momento algum tentei fazer um revisionismo histórico (no sentido pejorativo da palavra), mas apenas resolver as inconsistências que existem nas definições populares de direita e esquerda, que são baseadas nessa confusão entre termo e definição

Conservação da Moral

Quando se fala em conservadorismo, muito se menciona sobre o fato de o conservador ser alguém que supostamente deseja que seus valores morais sejam protegidos pela força da lei e impostos a toda a sociedade. Esse desejo pode existir, sim, entre alguns adeptos desse pensamento, mas é evidente que a força é, em realidade, desnecessária para a manutenção da moral. A não intervenção do ente estatal em questões morais é, na verdade, o melhor dos ambientes para a preservação das tradições, costumes e valores.

Primeiramente podemos trazer à tona uma classificação de Hans Kelsen à respeito da norma. Ao diferenciar um ordenamento estático de um dinâmico, cita como exemplo do primeiro o ordenamento moral, por ser um ordenamento que relaciona as normas entre si através do conteúdo, e não da forma. O conteúdo é certamente mais estático, já que alterações no mesmo podem trazer consequências muito mais profundas do que meras mudanças formais, que podem ser realizadas e desfeitas como passe de mágica, no peso de um decreto. A necessidade da não intervenção do Estado reside justamente no seguinte aspecto: a origem do conteúdo desse ordenamento moral.

A norma moral é uma norma com diversas fontes possíveis. Alguns argumentam que sua fonte exclusiva seria a razão, outros que seria a religião, e outros que seriam os costumes. Não há que se buscar pela exclusividade, mas sim reconhecer que há de cada um dos três grande contribuição para a formação do pensamento. Mesmo tendo em vista a importância dos três aspectos, vemos que os costumes e os hábitos possuem um peso diferenciado, já que reúnem elementos dos outros dois aspectos, e por outras vezes anulam aspectos dos mesmos. Para demonstrar, podemos analisar os três elementos.

Da razão: a razão é a habilidade humana de discernir, de procurar o verdadeiro e o falso. Através da razão buscamos as leis naturais, relações lógicas, relações de causa e efeito. Ela nos guia na busca pelo conhecimento. Quando vemos na moral um aparato que busca frear condutas viciadas, de julgar nossos vícios e paixões, temos que a mesma não realiza um julgamento sobre a veracidade de uma conduta, mas sim sobra a reprovabilidade da mesma. Não julgamos uma conduta, um vício ou uma paixão como verdadeira ou falsa, mas sim como justa ou injusta, reprovável ou não. A busca, aqui, não é dizer que a razão não contribui para a moral. Contribui, mas não é a fonte de seu conteúdo. A razão pode servir como filtro para as sentenças morais: juízo de reprovabilidade “A” é capaz de coibir a conduta “A'”? Poderia, então, evitar absurdos como tentar coibir a prostituição ao dizer que correr de costas é reprovável. Em resumo, a razão garantiria que se desvaloram condutas abstratas corretas de modo a coibir condutas concretas relacionadas às mesmas. Para coibir a prostituição, se reprovaria a banalização das relações sexuais (o que fatalmente levaria à comercialização das mesmas), por exemplo.

Da religião: A religião por muito tempo foi, sim, o único norte moral da civilização ocidental. Aliás, não só foi um norte moral como foi, também, praticamente a personificação do direito como um todo. Suas influências vão ainda além da moral: se encontram na lei e na própria formação do Estado Moderno. Foi, também, em tempos mais remotos, a filosofia de vida de populações inteiras, que seguiam vidas devotas, cujos costumes estavam diretamente ligados aos mandamentos divinos. A influência da religião na moral nunca desapareceu, mas foi secularizada: o conteúdo se manteve, mas as motivações passaram a ser alteradas. O roubo, por exemplo, deixa de ser considerado reprovável por ser um pecado, e passa a ser reprovável por violar um direito natural e inalienável à propriedade privada.

Dos costumes: Os hábitos por muito tempo foram estritamente definidos pela religião, mas ao longo dos tempos passou a ganhar contornos próprios, principalmente com a perda de prestígio da Igreja e a sedimentação do paradigma da liberdade individual e da ordem espontânea. Os hábitos possuem uma eficácia maior que os dois aspectos anteriores em estabelecer um conteúdo moral pelo fato de estarem ligados àquilo que é socialmente construído ao longo dos anos e passado de geração em geração. A reprovabilidade é mais cruel e repressiva na medida que mais pessoas realizam esse julgamento de maneira uníssona e passam a estranhar o comportamento diferenciado. Em um cenário em que grande parte da população adere a um determinado aspecto da tradição, todo aquele que o viola é imediatamente reprimido moralmente ou segregado. Esse elemento da tradição por muitas vezes não possui base racional ou religiosa, mas apenas habitual.

Essa repressão do meio social àqueles que viola seus preceitos morais faz com que as mudanças nesse sentido sejam extremamente lentas e graduais, coincidindo com uma mudança geral da mentalidade de todo um povo. O Estado, aqui, é desnecessário para coibir condutas imorais, já que a repressão espontânea da sociedade pode ser muito mais brutal mesmo que nenhuma agressão física seja realizada (é claro que não deve existir uma nova capitis deminutio, em que o Estado passa a permitir que o “imoral” perca a proteção de seus direitos básicos). Na verdade, na atualidade, o Estado age em sentido oposto: ele intervêm para que essas condutas sejam não só aceitas, mas também estabelecidas como um novo parâmetro moral. Ele exerce um papel contrário àquele que dizem que serviria aos conservadores. Ele massacra a moral vigente atendendo às reivindicações subversivas e passa a estabelecer uma moral totalmente nova e contrária às instituições existentes.

O Estado em pouco serve para manter a moral de um ponto de vista conservador. Ele é inimigo da mesma.

Contra os comissários da ignorância

Abaixo segue um artigo QUASE IRRETOCÁVEL de Luiz Felipe Pondé na Folha de hoje.

Quase irretocável, pois no ultimo paragrafo ele menciona corruptos de direita no Brasil, sendo que não consigo identificar um corrupto sequer que defenda o ideário direitista (livre mercado, estado mínimo, propriedade privada, direitos e responsabilidades individuais, respeito integral as leis e a constituição democrática republicana, etc.)

Se identificarem um ou mais corruptos que não sejam populistas (pró-assistencialismo), que não sejam adeptos do estado inchado e intervencionista, que não apoiem nenhuma forma de terrorismo (MST, ONG’s indigenistas e afins) que não ataquem os direitos e liberdades individuais dos cidadãos dentre outros fatores similares, postem os nomes na área de comentários. Ressaltando que defender um ou dois desses aspectos apenas não enquadra ninguém no espectro da direita.

Contra os comissários da ignorância

O que é conservadorismo? Tratar o pensamento político conservador (“liberal-conservative”) como boçalidade da classe média é filosofia de gente que tem medo de debater ideias e gosta de séquitos babões, e não de alunos.

Proponho a leitura de “Conservative Reader” (uma antologia excelente de textos clássicos), organizada pelo filósofo Russel Kirk. Segundo Kirk, o termo começou a ser usado na França pós-revolucionária.

Edmund Burke, autor de “Reflexões sobre a Revolução na França” (ed. UnB, esgotado), no século 18, pai da tradição conservadora, nunca usou o termo. Tampouco outros três pensadores, também ancestrais da tradição, os escoceses David Hume e Adam Smith, ambos do século 18, e o francês Alexis de Tocqueville, do século 19.

Sobre este, vale elogiar o lançamento pela Record de sua biografia, “Alexis de Tocqueville: O Profeta da Democracia”, de Hugh Brogan.

Ainda que correta a relação com a Revolução Francesa, a tradição “liberal-conservative” não é apenas reativa. Adam Smith, autor do colossal “Riqueza das Nações”, fundou a ideia de “free market society”, central na posição “liberal-conservative”. Não existe liberdade individual e política sem liberdade de mercado na experiência histórica material.

A historiadora conservadora Gertrude Himmelfarb, no seu essencial “Os Caminhos para a Modernidade” (ed. É Realizações), dá outra descrição para a gênese da oposição “conservador x progressista” na modernidade.

Enquanto os britânicos se preocupavam em pensar uma “sociologia das virtudes” e os americanos, uma “política da liberdade”, inaugurando a moderna ciência política de fato, os franceses deliravam com uma razão descolada da realidade e que pretendia “refazer” o mundo como ela achava que devia ser e, com isso, fundaram a falsa ciência política, a da esquerda. Segundo Himmelfarb, uma “ideologia da razão”.

O pensamento conservador se caracteriza pela dúvida cética com relação às engenharias político-sociais herdeiras de Jean-Jacques Rousseau (a “ideologia da razão”).

Marx nada mais é do que o rebento mais famoso desta herança que costuma “amar a humanidade, mas detestar seu semelhante” (Burke).

O resultado prático desse “amor abstrato” é a maior engenharia de morte que o mundo conheceu: as revoluções marxistas que ainda são levadas a sério por nossos comissários da ignorância que discutem conservadorismo na cozinha de suas casas para sua própria torcida.

Outro traço desta tradição é criar “teorias de gabinete” (Burke), que se caracterizam pelo seguinte: nos termos de David Hume (“Investigações sobre o Entendimento Humano e sobre os Princípios da Moral”, ed. Unesp), o racionalismo político é idêntico ao fanatismo calvinista, e nesta posição a razão política delira se fingindo de redentora do mundo. Mundo este que na realidade abomina na sua forma concreta.

A dúvida conservadora é filha da mais pura tradição empirista britânica, ao passo que os comissários da ignorância são filhos dos delírios de Rousseau e de seus fanáticos.

No século 20, proponho a leitura de I. Berlin e M. Oakeshott. No primeiro, “Estudos sobre a Humanidade” (Companhia das Letras), a liberdade negativa, gerada a partir do movimento autônomo das pessoas, é a única verdadeira. A outra, a liberdade positiva (abstrata), decretada por tecnocratas do governo, só destrói a liberdade concreta.

Em Oakeshott, “Rationalism in Politics” (racionalismo na política), os conceitos de Hume de hábito e afeto voltam à tona como matrizes de política e moral, contra delírios violentos dos fanáticos da razão.

No 21, Thomas Sowell (contra os que dizem que conservadores americanos são sempre brancos babões), “Os Intelectuais e a Sociedade” (É Realizações), uma brilhante descrição do que são os comissários da ignorância operando na vida intelectual pública.

Conservador não é gente que quer que pobre se ferre, é gente que acha que pobre só para de se ferrar quando vive numa sociedade de mercado que gera emprego. Não existe partido “liberal-conservative” no Brasil, só esquerda fanática e corruptos de esquerda e de direita.

Aniversário de Adam Smith

Hoje, dia 5 de junho, comemoramos 289 anos do nascimento de Adam Smith.

Nascido no ano de 1723, Adam Smith é um dos grandes nomes do Iluminismo Escocês, um dos maiores economistas da escola e um reconhecido nome do liberalismo econômico. O artigo de hoje aborda a vida e a obra deste homem.

Adam Smith nasceu em uma família de classe média alta, não nobre, em Kirlcaldy, Fifeshire, Escócia. Seu pai morre poucos meses após o seu nascimento, tendo sido então criado por sua mãe Margareth Smith. Ele jamais se casou e nem teve filhos.

No ano de 1737 ele vai para a Universidade de Glasgow onde inicia os estudos dos clássicos Greco-Romanos, Filosofia, Teologia e Matemática. Lá ele conhece o professor Francis Hutcheson, um dos maiores teóricos protestantes da Filosofia do Direito Natural, exercendo nele grande influência. E é assim que Adam Smith inicia o estudo dos problemas econômicos.

Em 1740 aceita uma bolsa em Oxford, o que pouco tem influência em sua formação, porém por razões certamente familiares, ele passa mais que os cinco anos necessários para sua formação em bacharel. Pelo fato de já ter escolhido o Magistério e pelo fato de os cargos de docente nessa universidade estar atrelada ao ordenamento religioso, Smith deixa Oxford e retorna a Escócia em 1746.

Após esse período Smith passa dois anos sem emprego regular, ministrando cursos avulsos em Edimburgo. Essas conferencias em Edimburgo acabam por ampliar seu círculo de relações intelectuais e conseqüentemente em 1751, é eleito para a cadeira de Lógica de Glasgow, porém antes mesmo que fosse dado início o ano letivo, ele é convocado a substituir o professor de Filosofia Moral, tendo que assumir depois interinamente após a morte do professor titular, ocupando esse cargo até 1764 e consolidando seu interesse acadêmico pela economia.

Smith passa a participar de importantes debates acadêmicos e políticos, publica também periódicos de ampla circulação na época, como o Edinburgh Review.

Em 1759 é publicado o livro “A teoria dos sentimentos morais”, falando sobre questões tratadas no seu curso de Filosofia Moral e também sobre princípios de economia, originando “A riqueza das nações.” A obra “Teoria dos Sentimentos Morais” foi republicada cinco vezes durante a vida do autor e lhe deu a oportunidade de ser reconhecido como um pensador de primeira grandeza, a tal ponto que o Townshend lhe confiasse a tutoria de seu enteado, o Duque Buccleugh no ano de 1763 recebendo uma pensão vitalícia que equivalia ao dobro de seu salário recebido em Glasgow.

Em 1764, durante um tour de dois anos pela França, conhece Voltaire. Em 1765 Hume (Secretário da Legação Britânica) lhe insere nas cortes e nos salões. Smith, já reconhecido em Paris, devido ao sucesso de sua obra “A teoria dos Sentimentos Morais”, conhece um grupo restritos de economistas liderados por François Quesnay. Todos estes acontecimentos foram de total importância para elaboração do seu próximo livro, A Riqueza das Nações.

Em 1766, Smith retorna a Londres, passando um período de seis meses com Townshend, assessorando-o no período em que fora ministro da fazenda. Por discordar de algumas de suas ações, se vê obrigado retornar a sua cidade Natal.

Adam Smith acreditava no liberalismo, baseando sua idéia de que deveria haver total liberdade econômica para que fosse possível o desenvolvimento da economia privada sem que houvesse intervenção do Estado. O mercado é auto-regulável e isso acontece com a livre concorrência da classe empresarial, tendo como conseqüência a queda dos preços, aumento do ritmo de produção e as inovações tecnológicas que seriam necessárias para o aumento da qualidade da produção e qualidade de vida das pessoas.

Em 1776, é lançado o livro “A Riqueza das Nações tornando-se depois de fundamental importância para estudos na economia ao longo do século XIX. Porém seu lançamento de início, não teve tanto impacto. No ano de 1800 o livro já havia sido traduzido em vários idiomas.

Em 1777 ele retorna a Kirkcaldy e é nomeado para um cargo de administração aduaneira escocesa, e em 1787 é nomeado reitor da Universidade de Glasgow, ficando no cargo pelo período de dois anos. Em 1790 adoece e falece aos 67 anos de idade.

Links úteis sobre Adam Smith:

Adam Smith Institute
Adam Smith Foundation

Obras – em inglês:
A Riqueza das Nações – Vol. 1
A Riqueza das Nações – Vol. 2
A Teoria dos Sentimentos Morais

Obras – em português:
A Riqueza das Nações – Vol. 1
A Riqueza das Nações – Vol. 2