O cidadão contra ele mesmo

É óbvio para todos nós que o nosso governo é muito eficiente em cuidar de todas as necessidades do cidadão. Quem já esteve numa fila da emergência do SUS, estudou em escola pública ou já passou pela burocracia de qualquer departamento público sabe disso.

Porém, não contente em nos prover com a melhor saúde do mundo e uma educação a nível da Suécia, o governo também precisa se preocupar com outros perigos invisíveis que ameaçam a população. Estes perigos são tão, mas tão grandes que os políticos simplesmente não podem ficar sem fazer nada sobre eles.

Que perigos são esses? Onde estão? Como atingem o cidadão? Descubra hoje no Globo Repórter Direitas Já!
I. A jogatina
É indiscútivel o perigo iminente que a jogatina traz para a vida do cidadão. Ao apostar, VOLUNTARIAMENTE, o SEU PRÓPRIO DINHEIRO em jogos de azar, ele acaba cometendo diversos crimes. Por que? Por que o dinheiro da jogatina quase sempre não vai para o bolso dos burocratas do governo. Por si só isso já é um crime de lesa-humanidade inafiançável. Outro crime terrível é o sustento de donos de estabelecimentos onde BEBIDAS ALCÓOLICAS (que horror!) são vendidas.

Máquinas caça-níqueis apreendidas. Mais uma vez o dia foi salvo pelas forças de segurança do Estado, que impediram o cidadão de gastar voluntariamente seu próprio dinheiro com jogos criminosos.

A solução: em vez de virar um apostador criminoso financiador de mafiosos, o bom cidadão só aposta o seu suado dinheiro na LOTERIA FEDERAL, pagando em impostos aquilo que nosso amado governo merece.

II. As armas
Assim como o cidadão médio, estúpido como uma porta, é incapaz de administrar o próprio dinheiro, também o é para utilizar uma arma. Toda arma na mão de um cidadão normal o transforma em um homicida potencial, transformando bandidos e assaltantes ordeiros em indefesas vítimas nessa verdadeira máquina de matar que é o cidadão armado. O revólver é uma invenção muito recente e de tecnologia muito complexa para ser manuseado por um cidadão comum.

Um homicida em potencial. Você não vai querer seu marido ou sua mulher com uma dessas, vai?

A solução: Somente oficiais do governo, com anos de treinamento, documentação em dia e farda podem manusear tal tecnologia. Pessoal especializado como a Polícia Federal, a Gestapo e a Stasi é o mais capacitado para garantir a segurança do cidadão.

Somente oficiais autorizados pelo governo, como os da Gestapo, sabem o manuseio correto e o momento oportuno para usar armas.

III. O transporte ilegal
O cidadão precisa esperar meia hora por um ônibus na estação, o trajeto é longo e  toma tempo, não há ar-condicionado, nem espaço para sentar. E, claro, a passagem tem aquele preço módico que é só o suficiente para sustentar os altíssimos padrões de qualidade do nosso transporte coletivo.  Ainda assim, há traficantes de pessoas que insistem em desafiar a Lei e oferecer a carona ilegal a um preço desonesto, abaixo do preço de mercado dos oligopólios do transporte público. Financiar este tipo de crime não transfere qualquer dinheiro para o Estado, que poderia empregá-lo na construção de estádios de futebol, no financiamento do carnaval ou no próximo empreendimento do Eike Batista.

Não se engane: por trás deste sorriso maroto esconde-se um terrível criminoso. Diga não ao tráfego ilegal de pessoas - não pegue carona.

Quando o cidadão toma uma carona ilegal, ele está financiando um trabalhador autônomo ilegal, que não tem autorização do governo, não paga impostos e não é sindicalizado. Toda vez que você paga por uma carona ilegal, um motorista da empresa pública de transportes morre de fome.

Nada de individualismo: o transporte tem que ser público, coletivo, gratuito e de qualidade.

A solução: manter um sistema permanente de monitoramento, denúncia e prisão dos traficantes de pessoas. É imprescindível a colaboração do cidadão em denunciar transportes “irregulares” que cobram menos do que as empresas de transporte autorizadas, bem como evitar usar o transporte privado (“carro”) e usar o transporte coletivo. Juntos podemos ACABAR com a criminalidade!

IV. O cigarro
Todos sabemos que, ao contrário da maconha e do ácido lisérgico (LSD), o cigarro é uma droga porca-capitalista-burguesa que causa muitos males à sociedade. Não porque cause câncer, mas porque alimenta uma grande indústria PRIVADA que lucra muito com a sua venda. E, como todos sabemos, lucrar é errado.

Logo, assim que legalizarmos a maconha não será mais necessário vender cigarros. Nossa campanha anti-tabagismo eliminará este vício burguês da nossa sociedade, substituindo-o por drogas mais populares e democráticas como a maconha, o craque e o ôxi.

Toda vez que você fuma um cigarro, uma criança morre de fome na África.

Mas porque é necessário que o governo cuide disso? Oras, todos sabemos que o cidadão médio não tem responsabilidade para cuidar de si, pois é incapaz de avaliar os riscos e benefícios que o consumo das drogas burguesas podem ter.

A solução: O mais correto é deixar que o governo decida o que podemos ou não fazer com o nosso* dinheiro e deixar que ele escolha com mais segurança quais drogas podemos usar.

Não fume: o grande camarada Adolf Hitler já nos advertia que o maior patrimônio do Reich da Nação é um povo saudável e sem vícios burgueses.

*de todos nós, mas administrado pelos oficiais do governo

V. A violência virtual
A violência é um problema que preocupa a todos nós cidadãos. Como homens de bem, pacíficos e desarmados, não podemos tolerar que qualquer traço de violência permaneça entre nós, não é mesmo? Por isso, não satisfeitos com o combate eficiente à violência nas ruas, com uma taxa baixíssima de homicídios, os políticos também se sentem no dever de servir ao cidadão combatendo a violência também dentro da casa dele. Não estamos falando, é claro, da violência doméstica – que praticamente não ocorre em países como o Brasil.

Estamos falando de um tipo MUITO PIOR de violência. Estamos falando do ato que inicia a violência física, que é a violência mental. Ou seja, o estímulo violento no cérebro do cidadão, que é provocado por coisas animalescas como assistir rinha humana na TV (UFC), jogar videogames que incentivam o homicídio e o porte de armas, como o Counter Strike.

A solução: Assim que proibirmos todos os tipos de programas de televisão contendo cenas de luta e proibirmos todos os jogos de videogame violentos, também implantaremos o sistema “Segurança em Minha Casa” para que o pai de família, a dona de casa ou os próprios filhos denunciem atos de violência mental doméstica, como ouvir músicas violentas (heavy metal), brincar de lutinha com o primo ou mesmo imaginar cenas de violência.

Lobotomizado e feliz, para a gente seguir crescendo!

Jamais se esqueça que o Estado está aqui para cuidar e proteger você contra todos os males que possam te acontecer, e que ele está preparado para proteger você de você mesmo caso precisar. Contamos com a sua colaboração! Juntos podemos fazer um Brasil melhor!

Capitalismo Brasileiro?

Artigo publicado originalmente no Juventude Conservadora da UnB

Sérgio Malbergier, colunista do jornal Folha de S. Paulo, publicou hoje um artigo que, a bem da verdade, poderia estar no frontispício da página oficial do Partido dos Trabalhadores. Intitulado “Era PT”, o artigo tem como tese central que o PT foi o maior promotor do “capitalismo brasileiro”. Convém, entretanto, investigarmos um pouco melhor o que “capitalismo brasileiro” significa.

Capitalismo estatal: o monopólio é a nossa energia!

O capitalismo pode ser definido, grosso modo, como um sistema econômico, social e legal, com características mais ou menos uniformes, que se desenvolveu na civilização ocidental após o período conhecido como Idade Média. Podemos definir genericamente os valores basilares desse sistema como sendo a livre empresa, o gozo dos frutos de seu próprio trabalho, a liberdade (juntamente com a responsabilidade) individual, a proteção legal aos contratos e a atuação restrita, porém especializada, do Estado. O arcabouço dos valores responsáveis pela construção da civilização ocidental – alicerçados no cristianismo e na filosofia clássica – também foi resposável pelo surgimento desse modo de produção que, ao longo dos séculos, tem se desenvolvido de maneira progressiva.

Eike Batista, um dos exemplos de "capitalista brasileiro".

Em virtude de seu caráter amplo e do modo espontâneo com o qual desenvolveu-se ao longo da história humana, o termo “capitalismo brasileiro” me parece uma contradição em termos pois se trata de um fruto de todo um processo civilizatório complexo, e não das elucubrações de um punhado de intelectuais. Se não existe um “capitalismo norte-americano”, e sendo os Estados Unidos o maior exemplo de nação capitalista do mundo, não é possível falarmos de um “capitalismo brasileiro”.

Todavia, é possível que falemos, por exemplo, em “comunismo brasileiro”, ou “fascismo brasileiro”, ou “socialismo brasileiro” – assim como podemos falar em “comunismo soviético”, ou “fascismo alemão”, ou “socialismo norte-americano”. Os constructos ideológicos modernos, baseados como são em sistemas filosóficos deliberada e meticulosamente desenvolvidos para o atingimento de fins materiais determinados, possuem em seu próprio bojo um (pretenso) mecanismo de adaptação às realidades locais que objetiva infectá-las, sequestrar seu DNA e subvertê-las, como um retrovírus. O comunismo soviético e o comunismo chinês, apesar de serem irmãos, desenvolveram-se de modo peculiar em suas realidades específicas; ainda que possuam algumas características idênticas, diferem diametralmente em outros aspectos. Os fatores que propiciaram a revolução comunista nesses dois países são igualmente distintos, ainda que, em alguns pontos, semelhantes.

BNDES, sustentando o "capitalismo brasileiro" com verba pública.

Quanto ao capitalismo, entretanto, isso não acontece. Parece estranho dizer isso, mas o sucesso do sistema capitalista está baseado, seja no Brasil, seja na Inglaterra ou em Cingapura, nos mesmos parâmetros: garantias legais de execução de contratos, proteção à propriedade privada, livre empresa e atuação especializada do Estado. Em seu livro “Mistério do Capital”, o economista peruano Hernando de Soto demonstra, com estatísticas e levantamentos de toda sorte, exatamente isso. Os próprios Estados Unidos, com seu paulatino e firme desenvolvimento das garantias legais de propriedade e de liberdade econômica desde a era colonial, são exemplo claro disso.

Ao contrário do que o Sr. Malbergier diz, o PT não é responsável pelo sucesso do “capitalismo brasileiro” simplesmente porque não existe nenhum “capitalismo brasileiro”. Nossa exorbitante carga tributária, nossa arcaica legislação trabalhista (de caráter fundamentalmente fascista, inspirada na Carta de Lavoro do governo Mussolini), a sufocante burocracia necessária à abertura de uma pequena empresa, as relações promíscuas entre grandes corporações e o governo (Eike Batista que o diga), o tamanho mastodôntico da máquina pública, a grande quantidade de políticas públicas que objetivam a dependência da população ao governo, tudo isso pode ser chamado muito melhor de fascismo brasileiro, ou socialismo brasileiro, do que de “capitalismo brasileiro”.

De acordo com o Index of Economic Freedom da Heritage Foundation, que mede o nível de liberdade econômica no mundo inteiro, o Brasil está na posição nº 99 – atrás de países como Azerbaijão (91), Mongólia (81), Namíbia (76) e Botsuana (33). Na América Latina, está muito aquém do Chile (7º) ou do nosso vizinho Uruguai (29). O índice Economic Freedom of the World, do Fraser Institute, colocava o Brasil na 87ª posição em 2002; em 2009, estávamos na 102ª posição. Antes de pensar que essas medições nada têm que ver com o nosso “capitalismo brasileiro” – e a inestimável contribuição do PT para desenvolvê-lo –, que isso é coisa de organizações malévolas serviçais do capital especulativo ianque (e que estão nas mãos daquele 1% contra quem o Occupy Wall Street dizia lutar), vamos considerar algumas coisas.

Dos parâmetros utilizados na medição de liberdade econômica de um país, há aqueles diretamente relacionados com a dinâmica econômica – como legislação, tributação, etc. – e os que mantêm relação indireta com a economia. Um destes parâmetros é a corrupção. O critério que mede esse quesito no levantamento da Heritage Foundation chama-se “Liberdade de Corrupção” (Freedom From Corruption), e calcula, numa escala que varia de 0 a 100, quão livre da corrupção encontra-se um determinado país. No caso do Brasil, a nota é 37, o que o deixa na 70ª posição geral nesse quesito. Nesse ponto, concordo plenamente com o Sr. Malbergier: o Partido dos Trabalhadores teve contribuição crucial para o “capitalismo brasileiro”. A quantidade de escândalos que estouraram desde a eleição de Lula em 2002 foi um recorde histórico que tem sido orgulhosamente mantido pelo governo Dilma – sete ministros derrubados por malfeitos é um escore difícil de igualar.

Quanto a parâmetros diretamente relacionados com a economia, dois critérios importantes são “Liberdade Empresarial” (Business Freedom) e “Liberdade Laboral” (Labor Freedom); respectivamente, o Brasil encontra-se na 138ª e na 101ª posição referente a esses dois pontos. Para se abrir uma empresa no Brasil, são necessários aproximadamente 120 dias e uma quantidade obscena de papéis, taxas e que tais. Aliadas a um sistema tributário sufocante e altamente restritivo, essas características do “capitalismo brasileiro” empurram quase 50% da força de trabalho nacional para a informalidade. O montante final de ativos mortos – aqueles bens que não podem ser fungíveis, ou seja, não podem ser transformados em capital de fato – gerado a partir dessa situação é grotesco. Aqui também vemos uma preciosa contribuição do Partido dos Trabalhadores.

A respeito da relação intrínseca entre propriedade e liberdade, Richard Pipes diz: “Enquanto a propriedade, de certa forma, é possível sem liberdade, o contrário, por sua vez, é inconcebível.” Ainda que exista efetivamente um incremento de propriedade no fenômeno confusamente conceituado como “capitalismo brasileiro”, esse incremento não tem acontecido através da liberdade individual, mas à revelia dela. Vivendo em um país cujo governo pretende controlar a economia com precisão algorítmica e ser visto como o verdadeiro promotor do desenvolvimento humano, é quase impossível ver qualquer coisa que se assemelhe, ainda que ligeiramente, ao capitalismo. Melhor fosse chamar isso de “totalitarismo brasileiro”.

Leia o artigo original aqui.