O que realmente é o capitalismo?

Texto publicado também no blog Mundo Analista. Para ler a publicação original, clique aqui.

Uma das maiores dificuldades que a direita tem para conseguir aceitação de suas idéias é que a maioria das pessoas não sabe o que é capitalismo. Falo por experiência própria. Pelo menos 95% das pessoas que conheço crêem que capitalismo é um sistema econômico cujas bases podem ser resumidas em três palavras: egoísmo, consumismo e materialismo (no sentido comercial da palavra). Essa é a definição mais popular que existe de capitalismo. Até aqueles que não sabem quase nada de política e economia conhecem essa definição. Todavia, qualquer pessoa que parar um pouquinho para refletir, verá que existe algo muito errado aqui: como é que uma doutrina econômica vai ser definida por posturas individuais?

Este é o “x” da questão. A definição popular de capitalismo na verdade não é a definição de uma doutrina econômica, mas sim de uma postura individual. Ser egoísta, consumista e materialista não depende de qual doutrina econômica você escolhe para seguir. Pode-se ser um comunista, mas só pensar em si mesmo e dar um enorme valor ao consumo e às coisas materiais. Não é porque o comunista acredita em uma economia igualitária que ele se tornará uma pessoa altruísta e desapegada dos bens materiais.

Imagine que um trabalhador se sinta injustiçado por trabalhar tanto e não ter direito de comprar uma Ferrari, tal como seu patrão. Ele pode se tornar um comunista apenas por querer comprar coisas boas como seu patrão. O fato de ele se unir a outros comunistas não implica em que ele seja um indivíduo de moral elevada que se importa profundamente com o sofrimento de cada trabalhador. O que o move é a vontade de ter algo que não pode ter. Ele se une aos outros por uma questão de identificação, mas pode muito bem ser uma pessoa extremamente insensível, egocêntrica e olho grande. Não é preciso ter um bom caráter para almejar igualdade econômica. Basta querer ter o que não pode ter.

Da mesma maneira, alguém pode concordar com uma economia capitalista, mas ser muito desapegado de bens materiais, comprar pouco, consumir só o que precisa, ser uma pessoa humanitária, ajudar aos necessitados e se importar de verdade com cada pessoa (boa parte dos padres católicos apresentam esse perfil, aliás). Pode-se, inclusive, ser um burguês que paga muito bem aos seus funcionários e que acredita de verdade em projetos beneficentes. Não vejo nenhuma contradição aqui.

Então, fica muito claro que a definição popular de capitalismo é falsa. Ela não descreve uma doutrina econômica, mas sim um conjunto de posturas individuais pouco louváveis, que uma pessoa pode ter independentemente de ser capitalista, comunista ou qualquer outra coisa. Mas de onde surgiu essa definição popular? Pasme o leitor, ela surgiu dos escritos de um intelectual: Karl Marx. Vamos entender.

Marx empregou a palavra capitalismo para descrever um sistema econômico que vinha se consolidando em sua época. Esse sistema pode ser chamado de liberalismo ou economia de livre mercado. Juntamente com seu amigo Engels, ele definiu esse sistema como uma doutrina que se baseava no lucro da classe burguesa (os donos dos meios de produção) em cima do trabalho da classe proletária (os donos da força de trabalho). O nome capitalismo vinha da palavra “capital”, que nos remete à dinheiro, investimento e lucro. Em outras palavras, capitalismo seria uma doutrina baseada no lucro exploratório de uma classe sobre outra.

A partir daí, fazendo uso de um extremo economicismo (isto é, a economia seria a responsável pelo modo como todas as coisas se dão: religião, cultura, hábitos…), Marx conclui que o sistema capitalista seria altamente egoísta e consumista. Em um capítulo de O Capital, ele e seu companheiro se dedicam inteiramente a falar sobre o Fetichismo da economia capitalista, que seria, grosso modo, a mentalidade gerada pelo sistema de fazer as pessoas terem vontade de comprar mais do que necessitam. A conclusão de Marx levou todos os marxistas posteriores a relacionarem, como ele, consumismo e egoísmo com o sistema capitalista.

Não é objetivo desse texto, analisar propriamente as idéias de Marx. Mas quero dizer que a definição de Marx está completamente errada. A definição correta de capitalismo, ou melhor, de liberalismo econômico (o termo adequado) é: uma doutrina que se baseia na liberdade do indivíduo de fazer coisas como comprar, vender, trabalhar para uma indústria, montar seu próprio negócio e concorrer comercialmente, sem que o governo intervenha nessas escolhas individuais (seja auxiliando ou prejudicando). Essa é a definição correta do sistema que Marx tentou descrever.

As idéias de exploração, egoísmo, materialismo comercial e consumismo não fazem parte da definição do sistema econômico de livre mercado. Tais posturas têm a ver com caráter individual, natureza humana, moral, ética, cultura, contexto e etc. Ver o capitalismo como um sistema que se baseia nessas posturas é confundir sistema com conduta pessoal.

Da parte da população leiga, isso é ingenuidade. Da parte das pessoas que realmente acreditam no marxismo, isso idiotice. Mas da parte dos estudiosos marxistas, isso é desonestidade mesmo. O estudioso marxista sabe que relacionar o capitalismo com o consumismo, egoísmo e exploração, por mais que tais condutas independam dos sistemas econômicos adotados, cria uma distorção enorme no entendimento do que seria uma economia de livre mercado. Diversas vezes ouvi pessoas dizendo: “Olha aí como o nosso governo beneficia os grandes empresários! Olha quantos escândalos envolvendo empresas privadas e governo! Bando de porcos capitalistas! Nosso governo é muito capitalista mesmo!”. Percebe a distorção? As pessoas acreditam que o capitalismo é culpado exatamente por aquilo que, na verdade, ele condena: a intervenção do governo.

Também ouço demais as pessoas dizendo: “É rapaz, vivemos em um mundo capitalista. As pessoas só pensam em comprar. Só pensam em bens materiais”. Ou mesmo: “Esse mundo é capitalista. Todo mundo só pensa em si mesmo. Não se tem amor ao próximo”. Uma mulher que compra dois mil pares de sapato ou um homem que troca de carro de seis em seis meses são considerados frutos do sistema capitalista. Um rico empresário que se recusa a ajudar necessitados é culpa do capitalismo. Ninguém diz que a culpa, na verdade, é toda do indivíduo. Ninguém diz que é ele que apresenta uma conduta deplorável em relação à oferta de produtos ou à riqueza. Ninguém lembra que é a pessoa que escolhe como ela irá agir. A culpa é do capitalismo. Porque é o capitalismo que é consumista e não as pessoas, segundo a lógica marxista.

O marxismo usa as idéias de fetiche da economia capitalista e de alienação do proletariado para provar que todos nós somos apenas marionetes de um sistema exploratório, sem opinião e sem direito de escolha. O marxismo tenta vender a idéia de que você não tem autonomia: se existem muitas empresas, muita variedade de produtos e muita propaganda, você, inevitavelmente se tornará consumista e egoísta. A não ser que aceite o comunismo e se empenhe em destruir o capitalismo. Porque é no sistema capitalista que reside o egoísmo, o consumismo e a exploração. Se você se opõe a ele, você se torna uma pessoa de bom caráter e seus pecados são justificados. Você aceitou o Santo Comunismo Cristo, todo-poderoso. É o que te salva. Os capitalistas, entretanto, são os ímpios. Estes deverão sofrer condenação por seu pecado “capital”.

O leitor percebe o truque? Uma simples definição errônea do sistema capitalista é o suficiente para que a economia de livre mercado seja considerada o grande mal do mundo. E por mais contraditório que seja, a definição errônea nos leva a acreditar que liberalismo econômico é tudo aquilo que não é comunismo. Não importa o quanto o governo intervenha na economia com regulamentações, burocracia, altíssimos impostos e parcerias com empresas privadas, nós continuamos a acreditar que isso é o mais puro capitalismo existente. O marxismo nos fez acreditar que qualquer sistema exploratório é capitalismo. Pode ser a economia menos livre do mundo, onde o governo intervém até nos preços dos alimentos: se há exploração, o sistema é capitalista.

Então, para tentar desfazer essa distorção na cabeça do leitor que aprendeu desde pequeno a pensar nesses moldes, ratifico: capitalismo não é sinônimo de exploração, consumismo e egoísmo. Capitalismo é liberalismo econômico. E liberalismo econômico é sinônimo de pouca burocracia para montar negócios, pouca regulamentação, ausência de empresas e/ou parcerias público-privadas, baixos impostos, livre concorrência entre as empresas privadas, poucos serviços públicos, poucos gastos públicos, enfim, pouca intervenção governamental. Isso é o capitalismo em seu estado mais puro. Quanto mais um governo se distancia desses padrões, menos capitalista ele se torna. Há índices que medem isso, como o índice de liberdade econômica, o índice de facilidade de se abrir negócios e etc.

Por fim, o leitor pode até não concordar com o sistema capitalista, achar que ele traz muitos problemas e entender que o governo precisa intervir (não é a minha opinião, mas eu respeito). Agora, o que é inconcebível é discordar do capitalismo sem entender o que ele, de fato, significa. O leitor acha ruim a exploração, o egoísmo, o consumismo e o apego aos bens materiais? Eu também. Mas isso não é uma discussão econômica. Se vamos discutir sobre capitalismo, então vamos discutir sobre livre mercado. Essa é a definição correta. O que passar disso, provém do maligno.

Homonímia sutil

Em seu livro Como vencer um debate sem precisar ter razão – em 38 estratagemas (Dialética Erística), o filósofo alemão Arthur Schopenhauer descreve estratagemas desonestos empregados em debates. Quase todos se baseiam em falseamentos lógicos propositalmente induzidos, mas há os que se baseiam na mentira pura e simples ou na tentativa de de manipular emocionalmente o adversário ou a audiência.

Um dos estratagemas é o que Schopenhauer nomeia “homonímia sutil”. Homônimos são palavras que se escrevem e soam iguais, mas tem significados diferentes. Palavras homônimas podem ser interpretadas como empregos distintos para uma mesma palavra, cada significado sendo empregado em seu contexto. A transposição do termo de um contexto para o outro deturpa o seu significado, mas mantém o “rótulo”. Assim Schopenhauer descreve o estratagema:

Usar a homonímia para tornar a afirmação apresentada extensiva também àquilo que, fora a identidade de nome, pouco ou nada tem em comum com a coisa de que se trata; depois refutar com ênfase esta afirmação e dar a impressão de ter refutado a primeira.

Um exemplo caricato seria dar a entender que, porque uma mulher não gosta de “cachorro” (homem canalha) ela tem ódio dos canídeos.

A confusão entre homônimos nem sempre é proposital. Muitos acabam incorrendo neste erro sem intenção maliciosa. Isto ocorre quando não há um esclarecimento prévio dos conceitos empregados em um debate: usando palavras que tem o mesmo som ou grafia, mas significam coisas diferentes, torna-se simplesmente impossível uma discussão. Outra causa do problema é a ignorância: quando uma pessoa desconhece outros conceitos para uma mesma palavra em diferentes contextos, ela tem dificuldade para debater. O objetivo do artigo de hoje é abordar alguns dos termos homônimos mais comuns em discussões sobre política.

1. Capitalismo

O termo capitalista pode ter muitos conceitos, mas dois deles são os mais importantes em debates sobre política e economia.

O primeiro diz respeito à teoria marxista. Marx postula que há duas forças econômicas movendo a sociedade: o capital e o trabalho. Aqueles que detém o capital e os meios de produção (terras produtíveis, fábricas, etc) são os capitalistas e aqueles que detém a força de trabalho (no campo ou nas fábricas) são os proletários. Neste sentido, o termo pode ser sinônimo de empresário, industriário ou investidor e nada tem a ver com as disposições políticas e ideológicas: este capitalista pode ser socialista como Friedrich Engels ou nacional-socialista como Hugo Boss.

O segundo diz respeito a preferências e filiações ideológicas e político-econômicas. Um capitalista neste sentido é um entusiasta do capitalismo, alguém que acredita, defende ou milita em prol do capitalismo. Neste sentido, um capitalista pode ser até um “proletário” ou um mendigo.

O emprego falacioso mais comum desta homonímia em discussões políticas é quando se discute o caráter socialista ou capitalista de um determinado regime. Quando alguém tenta provar que o nacional-socialismo era apenas outra face do capitalismo afirmando que o III Reich era “apoiado por capitalistas” está empregando o estratagema da homonímia sutil.

2. Conservadorismo

Este gera bastante confusão. Principalmente pelo fato de que alterna entre conceitos que são objetivos e outros que são contextuais e relativos.

Primeiramente, o rótulo conservador pode ser contextualmente atribuído a qualquer pessoa ou grupo de pessoas que pretende manter um determinado status quo. Assim, entre dois técnicos de futebol, aquele que se recusa a adotar uma nova formação tática e opta pelo tradicional 3-4-3 é um conservador. Neste sentido, o rótulo pode ser aplicado literalmente a qualquer grupo político: aqueles que se opunham à reunificação das duas Alemanhas eram “conservadores” e aqueles que se opunham ao fim da União Soviética também.

Em segundo lugar, o termo conservador pode designar objetivamente ideologias políticas. O termo conservadorismo é frequentemente usado para descrever os herdeiros políticos de idéias do Antigo Regime absolutista, no que pode ser sinônimo de tradicionalista ou reacionário. Outro termo possível para descrever este conceito é o de “conservador latino” ou “conservador continental”, uma vez que esta é a concepção dominante de conservadorismo que vigora em países latino-americanos e europeus continentais como Alemanha, França, Itália, etc.

Terceiro, o conservadorismo é também o nome de uma ideologia política cujo pai intelectual é Edmund Burke.  Esta vertente do conservadorismo, diferente da anterior, é um fruto do liberalismo iluminista. É sinônimo de conservadorismo na tradição política anglo-americana e por isto pode ser chamado também de “conservadorismo inglês”.

Em discussões políticas estes dois últimos conceitos de conservadorismo são confundidos o tempo todo, mesmo quando se toma o cuidado de evitar a confusão com a primeira concepção, que é contextual.

3. Cultura

Com certeza, “funk também é cultura”. Samba, pagode, axé e funk são todos representantes autênticos da cultura popular. No sentido antropológico da palavra Cultura, até mesmo tradições bizarras como o canibalismo e a clitoridectomia (nome pomposo da retirada do clitóris) são consideradas traços culturais de um povo. Neste sentido, a música erudita, a música popular e a música folclórica ou nativista são todas expressões de uma mesma Cultura.

Mas o que as pessoas querem dizer quando depreciam o funk como cultura é que este gênero musical não se enquadra no que chamamos Alta Cultura. Do mesmo modo, a carne de panela não entra no grupo seleto da Alta Gastronomia como o carpaccio de salmão. Também se distinguem as roupas “da moda”, adquiríveis no varejo, da Alta Costura.

A Alta Cultura é o conjunto de produtos culturais, principalmente os artísticos, mais estimado por uma Cultura. Em termos mais populares, é a cultura de uma elite como a aristocracia ou a intelligentsia, mas também pode ser definida como um repositório de sabedoria cultural, como um meio de transceder classes, regiões ou épocas específicas. Contrasta, portanto, com a cultura popular, a cultura de massas, aquilo que está na moda, etc.

4. Igualdade

As concepções de igualdade que mais se chocam em debates são as de igualdade formal e igualdade substancial. Igualdade formal implica o tratamento igualitário das pessoas, sobretudo diante das leis. A igualdade substancial implica um nivelamento nas condições econômicas das pessoas.

A igualdade formal diz respeito à Justiça, ao Direito e às leis. A igualdade material diz respeito ao modo como estão distribuídos os bens materiais (recursos naturais, meios de produção, capital) em uma sociedade, e portanto diz respeito à Economia.

5. Individualismo

É comum em debates que o termo individualismo seja tomado como sinônimo de egoísmo. Na verdade, individualismo não diz respeito ao comportamento egoísta ou altruísta das pessoas, mas à analise da realidade a partir dos indivíduos. O seu oposto é o coletivismo, que é o analisar a realidade a partir coletivos abstratos como classe social, nacionalidade, raça, etc.

Egoísmo, por sua vez, diz respeito a um tipo de comportamento, que é o de colocar os próprios interesses, desejos, opiniões e necessidades sempre a frente das outras pessoas. O seu oposto é o altruísmo, que é pensar primeiramente no(s) outro(s).

6. Liberdade

O primeiro problema decorre da confusão entre liberdade e livre-arbítrio. Quando alguém afirma que a liberdade nunca será alcançada porque todas as nossas escolhas são influenciadas ou determinadas por fatores externos (ambiente, meio social, mídia) e internos (subconsciente) está incorrendo neste erro: é o livre-arbítrio que pressupõe a escolha livre e consciente. No caso da política, é indiferente se nossas decisões são tomadas por livre e espontânea vontade ou se são frutos de um determinismo: importa na política o desimpedimento que o indivíduo tem para agir do modo que escolher sem sofrer ameaça ou violência do poder público.

Outra interpretação é a que confunde liberdade com poder, o exemplo clássico sendo a questão “uma pessoa pobre, analfabeta e desnutrida é livre?”. Oras, uma pessoa pode ser livre… e pobre, e analfabeta e desnutrida: liberdade não é riqueza, educação ou comida. Pode-se ter a liberdade de obter riqueza, educação e comida, e ainda assim não dispor do poder, da capacidade de obtê-las.

Por fim, as definições políticas de liberdade, que são a positiva e a negativa. A positiva é a “liberdade para” e implica a necessidade de uma autorização prévia para que seja “concedida a liberdade para” fazer algo. A negativa é a “liberdade de” e não implica a necessidade de autorização prévia, mas uma proibição que “limite a liberdade de” fazer algo. Fazendo uma analogia, a liberdade positiva é uma lista das coisas que você tem permissão para fazer, estando todas as outras inúmeras possibilidades proibidas. A liberdade negativa, pelo contrário, é uma  lista das coisas que você está proibido de fazer, estando todas as outras inúmeras possibilidades permitidas.

7. Socialismo

O termo socialista tem tantos significados que seria simplesmente impossível discutir todos. Mas os mais comuns em discussões políticas são os seguintes:

O primeiro é uma designação genérica para todas as ideologias e teorias políticas que propoem que o Estado tem o poder e o dever de organizar toda a vida em sociedade, de preferência nos seus mínimos detalhes. Neste sentido, Platão e Morus são tão socialistas quanto Hitler e Marx. Sob este conceito de socialismo, muitas sociedades com Estados fortes e autoritários, como a dos incas, podem ser consideradas socialistas.

O segundo é sinônimo de apropriação e gestão coletiva, pelos trabalhadores, dos meios de produção. É o modelo econômico que supostamente vigoraria em uma sociedade comunista, sendo o termo “comunismo” o termo mais correto para descrevê-lo. Com essa definição, sociedades que compartilham igualitariamente os recursos entre seus habitantes, como é o caso de tribos de caçadores-coletores, podem ser consideradas socialistas.

Outra possibilidade é o sinônimo de marxista, leninista, estalinista, etc. O termo seria empregado genericamente para designar pessoas e sua relação a grupos políticos. Assim, “socialista” pode ser um membro do Partido Socialista ou um trotskyista que não é filiado a partido algum.

Assim, quando se afirma que tanto anarquistas quanto marxistas são socialistas, incluí-se na afirmação muitas características e premissas do marxismo que são diametralmente opostas aos princípios anarquistas.

Solução do Problema

Antes de uma discussão ou debate propriamente dito, é essencial que cada parte defina os conceitos que emprega e em que contexto os emprega. Assim, duas pessoas não perdem tempo discutindo se somos realmente livres se ambas empregam conceitos distintos de liberdade. Elas discutem qual é o conceito de liberdade que é importante em um determinado contexto e depois discutem se este critério estabelecido é atingido ou não.

Haverá casos em que o uso do estratagema da homonímia sutil é proposital. Nestes casos, cumpre apenas denunciar o uso desonesto desta falácia lógica. Em outros, um ou mais debatedores incorrerão neste erro por ignorância. Deve-se explicar para eles a distinção entre os conceitos e seus respectivos contextos e reiniciar o debate desde a definição das premissas. O problema pode ser resolvido quando ambas as partes estão interessadas em um debate honesto e construtivo.


Leia também:

Egoísmo

Diversas são as justificantes do esquerdismo após a queda do muro de Berlim. A que mais me chama atenção é quando tentam, em tons de ofensa, acusar a Direita de ser egoísta. Nenhuma palavra tem sido tão mal utilizada desde então como a palavra egoísmo. Chegamos a um cenário tão crítico, que as pessoas mesmo por muitas vezes entendendo a que ponto o pensamento de direita é moral, tem medo de o assumir, medo de ser taxada de egoísta, ou qualquer dos outros rótulos que tem acompanhado a pecha de direitista. A direita, por valorizar o indivíduo é egoísta? Interessante.

https://i0.wp.com/img687.imageshack.us/img687/4333/selfish.jpg

Para entender do porque a existência de tal tabu, é primeiro interessante verificar de onde vem o pensamento de direita atual: diferentemente da antiga direita europeia, que advogava a continuidade de uma sociedade teocrática, rigidamente hierarquizada (com baixa mobilidade dentro dessa hierarquia), e sempre tradicional, a direita de hoje é algo que mistura o liberalismo clássico com o conservadorismo (uma espécie de gradualismo) e tradicionalismo. Esse liberalismo clássico, na medida em que apoia ideologicamente a “nova direita”, é pautado em uma noção individualista de mundo: o indivíduo é o átomo essencial da sociedade, e, portanto, deve ser protegido e defendido em sua vida, liberdade e propriedade privada contra os abusos do Estado e de terceiros. É aí o momento em que começam as distorções que confundem, propositalmente, individualismo com egoísmo.

Oras, como pode ser egoísta uma doutrina que busca um ambiente mais livre para todos? Uma sociedade em que todos sejam livres para agir, se expressar, empreender, viver, errar e tentar novamente? Só pode ser um louco aquele que diz que isso é uma expressão do egoísmo. A liberdade é a mais alta expressão da razão, o mais nobre dos desejos humanos. Como tal, pertence a todos como indivíduos, e não apenas a alguns “iluminados” que pensam em governar a terra.

Mas não é aqui que termina o pensamento de direita. Por mais belo que seja o pensamento liberal, ele por si só não esgota aquilo que este lado do espectro político pode proporcionar. A direita traz um conceito de gradualismo que se mostra essencial na manutenção de qualquer coesão social. Este é mais um conceito distorcido pela desonestidade do pensamento canhoto, já que não implica na resistência total a mudanças, mas sim na resistência contra as mudanças em aspectos morais fundamentais. Mudanças sociais sempre irão existir, porém devem ser ponderadas, de modo que não se afete o equilíbrio e a harmonia social. As bases da sociedade não precisam ser derrubadas para que se corrija uma injustiça: corrigimos as injustiças, e assim mantemos as bases da civilização ocidental.

Agora, o que realmente torna interessante o argumento esquerdista de que a direita é egoísta é o que vem a seguir: a direita mantém um profundo respeito pelas tradições e costumes de seu povo. Aqui se somam aspectos que podem ser muitas coisas, mas não egoístas. Respeita-se o indivíduo, muda-se com segurança e respeita-se aquilo que é construído coletivamente, isto é, a moral, as tradições, as instituições. Ninguém é sobrepujado pelo coletivo, assim como o coletivo não é deixado de lado. Mas por não ser tratado como um ente abstrato, sujeito de toda a história e de todas as relações humanas, a direita é tratada como sendo egoísta. Por buscarmos um equilíbrio entre os atores da civilização, ao invés de sucumbirmos à baboseira de que tudo se resume às guerras de classe, somos taxados como tal.

Mas eu pergunto: como pode alguém que não possui o menor respeito pelo indivíduo e suas liberdades ser considerado qualquer coisa, que não egoísta? Como pode aquele ser autoritário, que busca se afirmar por meio da violência da revolução, a mais autoritária das manifestações políticas, ser considerado qualquer coisa, que não egoísta? Como pode alguém que não nutre o menor respeito pelas tradições e costumes, coletivamente construídos através de décadas, em nome de sua grande ideia, ser considerado qualquer coisa, que não egoísta?

E mais: Não é egoísta um grupo político egoísta aquele que faz sua propaganda e auto-promoção em cima da desgraça e pobreza alheia? Não à toa, por muito foram chamados de sinistros. Afinal de contas, de acordo com a esquerda, pobre que se torna bem sucedido é “traidor do movimento”. A esquerda se comporta como um verdadeiro sanguessuga: depende muito mais dos pobres para sua propaganda, do que os pobres dependem da esquerda. Age como defensora dos pobres e dos oprimidos apenas para vencer as próximas eleições, prometendo esmolas e agindo de maneira populista e odiosa. Inventa conflitos que jamais existiram na sociedade para defender os direitos de um dos lados e criar um curral eleitoral. Promove a guerra de classes todos os dias pois viu que a mesma, naturalmente, não existe.

A esquerda se julga a iluminada para governar a humanidade. Esta última, composta por seres inertes e inanimados, cujo esplendor e vida transbordam ao serem tocados pela luz do Estado paternalista canhoto. Não há política mais presunçosa e egoísta que a política da esquerda. Para esta, não há legitimidade no  que por ela não é construído.

Ayn Rand Sobre o Ativismo Político

Trechos retirados do livro Ayn Rand Answers: The Best of Her Q & A
Tradução de Breno Barreto

Introdução do tradutor:
Nestes trechos, Ayn Rand responde a perguntas de pessoas na platéia durante apresentações públicas suas e discorre sobre princípios valiosos, tais como a liberdade de expressão como indicador do tipo de ação política a ser adotada (se pacífica ou não) para a mudança de uma sociedade; a importância de se conceder tempo à população para que se adapte a novas medidas políticas que retiram o governo da economia e da vida social; a supremacia da ação cultural sobre a política prática partidária e o foco nas instituições de ensino. Enjoy!

—–
Pergunta: Quais passos políticos levam à realização dos seus objetivos?

Ayn Rand: Eu não trabalho para ou aconselho a criação de qualquer novo partido político. É muito cedo para isso. Mas, como muitos de vocês são Republicanos e interessados em política local, eu diria que política se começa com uma ideia. Você não vence eleições com slogans isolados utilizados uma vez a cada quatro anos. Se algo prático pode ser feito é isso: desenvolva um conjunto consistente de princípios e o ensine às pessoas em seu partido: trabalhadores da região, candidatos locais e talvez nacionais. Ensine-os a defender o capitalismo. Exija – moralmente, orgulhosamente e sem pedir desculpas por isso – um retorno ao pleno capitalismo.Isso não pode ser feito da noite para o dia, então não ajam feito cruzados no sentido improdutivo de exigir mudanças imediatas. Mas afirme esse objetivo às pessoas. Ao invés de socialistas prometendo sustento público, mantenha a promessa da liberdade, e trabalhe passo a passo em sua direção. Formule uma política de quais controles podem ser repelidos primeiro, e quais passos poderiam realizar uma economia completamente sem controles. Mas, acima de tudo, baseie seu programa em um pleno conhecimento da história e da natureza do capitalismo, e em uma plena defesa do capitalismo contra as acusações e más concepções pregadas pela esquerda.Comece pelas escolas e faculdades porque elas são as fontes dos futuros políticos e homens de ação. Você nada realizará em uma eleição política se você negligenciar as instituições onde as ideias são formadas. Certifique-se de que as instituições educacionais ensinem o individualismo e o capitalismo. Você não deve buscar o controle das escolas; você deve apoiar aqueles em suas escolas que são bons, assim como os esquerdistas apoiam os seus defensores…

Aprenda a defender sua posição de forma que nenhum esquerdista conseguia lhe responder… Não peça desculpas pelo capitalismo. Não permita que ele seja atacado como um sistema de cobiça egoísta. Mas você nada conseguirá realizar enquanto simultaneamente expressar consideração pelo altruísmo. Aprenda a moralidade implícita na Declaração da Independência Americana, um documento que hoje não é suficientemente citado nem suficiente entendido. A ética Objetivista é meramente a prova filosoficamente trabalhada do que os Pais Fundadores implicaram na Declaração… A batalha é moral e filosófica. (1961)

Pergunta: É possível mudar a direção da humanidade sem primeiro experimentar o desastre?

AR: Enquanto um país não estiver sob uma ditadura, a cultura poderá ser mudada pacificamente, particularmente em um país como os Estados Unidos, que foi fundado sobre ideias de liberdade. Seria mais difícil na Europa, onde eles são tradicionalmente estatistas – seus valores básicos subconscientes são estatistas – e a liberdade é uma exceção. Na América, as pessoas aceitam demais – de forma muito inocente e ingênua – mas eu não acho que uma ditadura poderia assumir o controle do país. Por baixo de todos os seus erros, a premissa básica dos americanos é liberdade. Essa é uma emoção expressa sem palavras – a atmosfera do sentido de vida. Tradicionalmente e historicamente, o povo americano pode ser levado até certo ponto, em seguida eles interrompem isso.

Uma vez que um país aceita a censura da imprensa e da expressão, então nada pode ser conquistado sem violência. Portanto, enquanto você possuir liberdade de expressão, dê-lhe proteção. Essa questão é de vida ou morte neste país: não abandone a liberdade de imprensa – dos jornais, livros, revistas, televisão, rádio, filmes e todas as outras formas de apresentar ideias. Enquanto essas forem livres, uma virada intelectual pacífica é possível. (1961)

Pergunta: …como [uma sociedade capitalista laissez-faire] poderia ser implantada?

AR: (…) Toda mudança em política prática foi precedida por uma mudança cultural – ou seja, uma mudança na filosofia dominante na cultura. Portanto, como uma questão prática, é preciso se concentrar na cultura – em disseminar a filosofia que torna possível a uma sociedade esclarecida adotar o capitalismo laissez-faire. (1962)

Pergunta: Se você fosse eleita presidente dos Estados Unidos amanhã, quais mudanças você instituiria?

AR: Essa é a última coisa que eu tentaria ou aconselharia alguém a tentar. Mas quanto à questão hipotética “O que eu aconselharia se meu conselho fosse imediatamente adotado?”, eu responderia: Comece a retirar os controles da economia tão rápido quanto considerações econômicas racionais permitam. Eu falo em “considerações econômicas racionais” porque hoje toda a população é dependente de controle dos governos. A maioria das profissões funciona sobre controles, e suas atividades são calculadas sobre essa base. Então, se alguém repelisse todos os controles da noite para o dia, por decreto legislativo, isso seria uma ação desastrosa, arbitrária, ditatorial. O que um país livre necessita é dar a todas as pessoas interessadas comunicados suficientes para que reajustem reorganizem suas atividades econômicas. Portanto, depois de elaborar com economistas o tipo de programa necessário para descontrolar a economia, e quais controles devem ser repelidos primeiro, eu aconselharia aprovar legislação anunciando que certos controles serão abolidos dentro de três anos, digamos – o período calculado para permitir às pessoas a oportunidade de reajustar suas atividades. Em uma economia livre, nenhuma mudança acontece do nada e da noite para dia. Toda mudança econômica, todo desenvolvimento, é gradual. Portanto, em uma sociedade livre, não há mudanças imediatas e desastrosas. Pois, dada a nossa presente situação, qualquer mudança repentina poderia criar deslocamentos desastrosos e, por isso, devemos retirar os controles gradualmente. (1962)

Pergunta: Como podemos mudar nossa política e nossos políticos?

AR: Enquanto um país for pelo menos semi-livre, os políticos não são o fator determinante. Eles são o que a opinião pública fizer deles (ou o que eles pensam que a opinião pública quer). Portanto, antes que de engajar em política, devemos nos engajar em trabalho educacional. Nós precisamos de uma campanha educacional mirada na disseminação de uma nova filosofia, que faça as pessoas entender o que são direitos individuais e por que o altruísmo é errado. Se você entende suas ideias, tente disseminá-las ao máximo de pessoas possível. É assim que a opinião pública muda, e isso mudará os políticos. Desde que a causa de nossos problemas está nas universidades, se você quer reformar qualquer única instituição, comece aí, porque a filosofia determina uma cultura e, com isso, a direção de um país, e filosofia é a especialidade das universidades. Se você quer uma cruzada, comece com as universidades. (1972)

Pergunta: Há alguém na política hoje por quem você seja entusiasta?

AR: Não. Eu gostaria que houvesse. Na atmosfera cultural de hoje, as melhores pessoas – os verdadeiros intelectuais – não entrariam na política; não ainda. A batalha – que está nas universidades – deve ser vencida primeiro, e a base estabelecida fora da política. (1976)

Pergunta: Agora é o momento para um político Objetivista?

AR: Certamente não. Para quem ele falaria? Não se pode conduzir uma campanha educacional e uma campanha política simultaneamente. Em cinqüenta anos, pode ser o momento para um político Objetivista; mas no momento em que isso for possível, ele praticamente não seria necessário. A opinião pública do país continuaria na direção da liberdade e da razão. Portanto, Objetivistas devem ir para a sala de aula, e corrigir a situação lá. (1976)

Pergunta: Você poderia comentar sobre a inépcia dos orientadores políticos na América? Ela é resultado de estupidez ou malícia?

AR: Estupidez, é claro. Você os lisonjeia ao pensar que é malícia. Eles não sabem nada mais, o que não é crime. O crime é eles não quererem saber mais. Afinal de contas, as pessoas na política são apenas o resultado último das tendências educacionais e culturais de um país. Elas não são a causa de nada. Elas são produto do que lhes disseram, o que no caso é exclusivamente coletivismo e estatismo. Elas vêem que isso não funciona, mas são incapazes de pensar no que poderia funcionar. Elas não conseguem retornar ao capitalismo, ninguém lhes disse isso. (1978)

Ayn Rand, pseudônimo de Alissa Zinovievna Rosenbaum, foi uma dramaturga, escritora, roteirista, filosofa e desenvolvedora do sistema filosófico chamado Objetivismo. Escreveu romances como “The Fountainhead”, do qual obteve fama, “A Nascente”, onde originou o filme “Vontade Indômita”, e “A Revolta de Atlas” (também em filmagem, em uma trilogia). Além de A Revolta de Atlas ser o mais conhecido, é também um best-seller americano e o livro mais influente depois da Bíblia (segundo a Biblioteca do Congresso americano) nos EUA.

Veja também
:
A Revolta de Atlas, por Ayn Rand
A Virtude do Egoísmo, por Ayn Rand – Libertarianismo

A maldição do bem comum

Por Fábio Blanco. Artigo originalmente publicado no blog Discursos de Cadeira.
Para ler o artigo original, clique aqui.

A Terra dos Ancestrais Esquecidos. Óleo sobre tela de Alla Bartoshchuk em homenagem aos 77 anos do Holodomor em 2010. A pintura é um tributo às 7 milhões de vítimas ucranianas do regime de Stalin, que pereceram no massacre.

O bem se encontra no indivíduo. Nele reside a verdade. Não há nada de real no que é comum, senão a convenção. E esta, invariavelmente, se apresenta como a junção de desejos egoístas e interesses pessoais. Se a verdade apenas pode ser encontrada após um sincero e penoso esforço, não seria uma ilusão esperar que a multidão a possuísse? Por que, então, ainda esperar que algo de bom surgisse do coletivo?

O bem comum é uma maldição e sempre foi homicida. Quando Caifás exclama que convém que morra um só homem pelo povo e que não venha a perecer toda a nação, a maldição sobrepôs-se sobre eles; mataram o próprio Deus e a nação pereceu. Mas a afirmação do sumo sacerdote apenas foi aceita porque fingia preservar a todos. Talvez fosse sincera, provavelmente fruto do zelo sacerdotal. Seu pecado, no entanto, reside no fato de ter como o sentido último da verdade a manutenção da convenção, no caso, uma sociedade sacerdotal montada sobre os desejos humanos, já não correspondentes ao ideal divino há muito prescrito.

Bem mais tarde, vêm os iluministas e seus contratos sociais. Quem é o indivíduo, então, para eles, senão um aglomerado de gente que pode estar do lado dos que detém o poder ou, simplesmente, ser os seus inimigos. Estes, empecilho que eram para o desenvolvimento da nação, obstáculos para o fortalecimento da Razão, verteram seu sangue abundantemente. Milhares de almas sacrificadas em favor de uma ideia que cria-se melhor para todos.

O que não dizer dos Estados coletivistas, criados sobre fundamentos socialistas? Estas nações que, alegando o bem comum e a necessidade do comunismo, sufocaram a individualidade, condenando-a a ser apenas um instrumento do governo? Quem era o homem no socialismo estatal senão um braço ou um corpo servil em prol de uma ideologia que jamais tratou o indivíduo como algo relevante. Tudo para a o Estado, e para seu cidadão apenas o direito de ser seu escravo. Por isso, a morte de milhões, seja na União Soviética, seja na China, não passa de uma necessidade em favor daquilo que trará o bem para todos.

O bem comum despreza a verdade. Isso porque a verdade não pode ser encontrada nos movimentos coletivos. A verdade é encontrada como fruto do esforço de cada homem, do mergulho sincero e laborioso na busca de compreender as razões que se colocam sobre e além da confusão da vista comum. Por isso, é impossível que os povos a descubram. Por isso, toda a decisão baseada unicamente no bem comum está condenada ao erro.

O bem comum despreza o indivíduo. No entanto, Deus se relaciona com indivíduos. Também Cristo afirma a sua importância, quando conta-nos as parábolas da ovelha e da dracma perdidas. São as almas individuais que são julgadas, não os Estados, não as nações. O céu e o inferno são destinos para os homens, não para os países. Quando o bem comum é o fundamento das decisões, quem responderá pelas mazelas causadas. Se a busca é pelo que é melhor para todos, como condenar os que praticam os atos homicidas?

Todas as guerras, morticínios, genocídios e assasinatos estatais foram decididos e aceitos por todos com base no bem comum. Porém, quem deve ser julgados por eles? Apenas Stálin, apenas Mao, apenas Napoleão? E todos aqueles que executaram suas ordens, que promoveram esses malditos atos sem sequer ter suas consciências amortecidas afetadas, estão eles livres de suas culpas, simplesmente porque acreditaram fazer tudo em favor do bem comum? Não sei. O que vejo é que essa maldição faz isso mesmo: exime o indivíduo de sua responsabilidade, transferindo-a para um ente fictício chamado Estado, em prol de algo inatacável segundo seus preceitos: o melhor para todos.

Por isso, o bem comum é a maior arma da tirania. Sempre foi e continuará sendo usada para impor sobre os homens a vontade dos poderosos, hipnotizando as consciências, fazendo-as crer que seus atos são justificáveis quando buscarem o melhor para a coletividade.