Demóstenes e o Mensalão

Nos últimos dias o caso Demóstenes preencheu as folhas e horários do noticiário em um evento histórico, em que o Brasil cassou pela segunda vez em toda a história um senador. Alguns dizem que Demóstenes acabou por manchar o congresso. Se olharmos para o fato pela óptica de ser apenas o segundo senador efetivamente cassado na história até que parece verídica essa afirmação, transformando o ilustríssimo congresso em um símbolo de probidade e lisura. Besteiras à parte, o motivo que derrubou Demóstenes não foi a inegável corrupção que cometia. O político caiu pois, além de ser da oposição, fazia efetivamente oposição.

Demostenes
Demostenes Torres – Ao ser caçado, recebeu um torpedo: “Força na peruca!”, ele dizia.

Não venho por meio desta defender o ex-senador da punição que mereceu receber (aliás, merecia mais). Longe disso. Eu mesmo, na época das acusações, escrevi sobre a decepção que foi esse político, antes paladino da ética e da lisura, hoje apenas um bandido comum. O fato é que diversos nomes já foram identificados como favorecidos em esquemas com o mesmo “empresário” e sobre nenhum deles está a cair a mão pesada da Ética do congresso. Pelo contrário, o congresso encontra-se manso. A CPI, com a mesma invejável celeridade do judiciário nacional, não sai do lugar. Mas o importante, no momento, não é a CPI.

Mais importante que todo esse escândalo é o mensalão. Aguardamos ansiosos pelo julgamento do maior esquema de corrupção já desvelado na história do Brasil. Ou como diria Lula, nunca antes na história desse país viu-se tamanho esquema de corrupção! Orgulho nacional! O fato é que a velocidade judiciária, já destacada no parágrafo anterior, é um grande serviço a todos aqueles que participaram do grande esquema. Não gosto de fazer acusações, mas até parece que o STF aguarda a prescrição propositalmente. Novamente, sem querer acusar, mas grande parte dos ilustríssimos ministros foram indicados pelo não menos ilustre Lula, governo sob o qual aconteceu tal escândalo, com ameaça de um tão merecido (mas não executado) impeachment. Só coincidência.

Lula
Lula – Doutor Honoris Causa, e maior empecilho, ao lado do STF, no julgamento do mensalão

Entre as palhaçadas que alegraram o picadeiro, ocorreu a já (infelizmente) esquecida ameaça praticada por Lula ao ministro Gilmar Mendes, um dos únicos que não foi indicado pelo PT. O que será que aconteceu com a ação criminal que seria movida contra o ex-presidente em exercício? Nada mais se noticia à respeito, e o silêncio impera. Nada diferente poderia ser esperado em um país que mantém Collor no conselho de ética, Sarney na presidência do senado… faltou apenas Toninho Malvadeza para completar a gangue. E Lula, doutor honoris causa, novamente na chefia do executivo em alguns anos. Aí o circo fica completo.

A Decepção Demóstenes

É com pesar que escreverei algo nesse sentido, mas acredito ser indispensável. Não nego que já acreditei no antes paladino da moralidade e da ética, que, com dedo em riste denunciava os podres da atual administração e as capciosas leis que propagavam o marxismo cultural. Acreditava que ele poderia ser uma luz no fim do túnel, uma esperança para a estruturação de uma nova direita na política brasileira. A ascenção de um político de tendências conservadoras-liberais é de tamanha necessidade que o suicídio político de Demóstenes coloca a direita brasileira em saias justas. Mas isso não vem ao caso.

É triste ver como podem ter duas caras nossos legisladores. Vi alguns o tentando defender dizendo que o jogo devia mesmo ser legal, então não há nada de errado no que fez. Também diziam que os impostos são altos, então se envolver com sonegador não é nada demais. Terrível! Denunciar a imoralidade da esquerda e apoiar contravenções de alguém só por ser de direita é igualar-nos à escória que é o PT. Existe uma grande diferença entre discutir a reforma tributária ou a legalização dos jogos e incitar ou promover a sonegação e a ilegalidade. Independente das crenças pessoais de cada um, essas, hoje, são as leis: proibem o jogo.

Mais asqueroso foi, ao ser pego em um primeiro momento, afirmar que não sabia que Cachoeira era um contraventor. Logo em seguida as escutas provam o contrário. Então, como se não bastasse, tenta se esconder atrás da constituição para proteger-se do povo que se sentiu TRAÍDO por sua conduta. Se alguns queriam dele a briga pelo livre mercado, pela moralidade, pela ética, apenas podiam então esperar uma briga pela legalização do jogo tentando favorecer seu amigo criminoso. Um verdadeiro horror.

Não nego que a perseguição a ele atualmente é principalmente política, tramada pela oposição. É verdade que há provavelmente muitos outros envolvidos com o mesmo criminoso, como ameaçou delatar o próprio Cachoeira. Mas isso não o faz menos culpado. Em tempos em que a oposição clama por alguém da oposição para matar politicamente, ele deu a eles o prato cheio. Que seja então jogado aos cães.