Marxismo: a máquina assassina

Por R. J. Rummel. Versão em português extraída do site do Instituto Mises Brasil. Para ler o artigo original, clique aqui.

Com a queda da União Soviética e dos governos comunistas do Leste Europeu, muitas pessoas passaram a crer que o marxismo, a religião do comunismo, está morto.  Ledo engano.  O marxismo está vivo e vigoroso ainda em muitos países, como Coréia do Norte, Cuba, Vietnã, Laos, em vários países africanos e, principalmente, na mente de muitos líderes políticos da América do Sul.

No entanto, de extrema importância para o futuro da humanidade é o fato de que o comunismo ainda segue poluindo o pensamento e as ideias de uma vasta multidão de acadêmicos e intelectuais do Ocidente.

De todas as religiões, seculares ou não, o marxismo é de longe a mais sangrenta — muito mais sangrenta do que a Inquisição Católica, do que as várias cruzadas e do que a Guerra dos Trinta Anos entre católicos e protestantes. Na prática, o marxismo foi sinônimo de terrorismo sanguinário, de expurgos seguidos de morte, de campos de prisioneiros e de trabalhos forçados, de deportações, de inanição dantesca, de execuções extrajudiciais, de julgamentos “teatrais”, e de genocídio e assassinatos em massa.

No total, os regimes marxistas assassinaram aproximadamente 110 milhões de pessoas de 1917 a 1987.  Para se ter uma perspectiva deste número de vidas humanas exterminadas, vale observar que todas as guerras domésticas e estrangeiras durante o século XX mataram aproximadamente 35 milhões de pessoas.   Ou seja, quando marxistas controlam estados, o marxismo é mais letal do que todas as guerras do século XX combinadas, inclusive a Primeira e a Segunda Guerra Mundial e as Guerras da Coréia e do Vietnã.

E o que o marxismo, o maior de todos os experimentos sociais humanos, realizou para seus cidadãos pobres à custa deste sangrento número de vidas humanas? Nada de positivo.  Ele deixou em seu rastro apenas desastres econômicos, ambientais, sociais e culturais.

O Khmer Vermelho — comunistas cambojanos que governaram o Camboja por quatro anos — fornece algumas constatações quanto ao motivo de os marxistas acreditarem ser necessário e moralmente correto massacrar vários de seus semelhantes.  O marxismo deles estava em conjunção com o poder absoluto.  Eles acreditavam, sem nenhuma hesitação, que eles e apenas eles sabiam a verdade; que eles de fato construiriam a plena felicidade humana e o mais completo bem-estar social; e que, para alcançar essa utopia, eles tinham impiedosamente de demolir a velha ordem feudal ou capitalista, bem como a cultura budista, para então reconstruir uma sociedade totalmente comunista.

Nada deveria se interpor a esta realização humanitária.  O governo — o Partido Comunista — estava acima das leis. Todas as outras instituições, normas culturais, tradições e sentimentos eram descartáveis.

Os marxistas viam a construção dessa utopia como uma guerra contra a pobreza, contra a exploração, contra o imperialismo e contra a desigualdade — e, como em uma guerra real, não-combatentes também sofreriam baixas. Haveria um necessariamente alto número de perdas humanas entre os inimigos: o clero, a burguesia, os capitalistas, os “sabotadores”, os intelectuais, os contra-revolucionários, os direitistas, os tiranos, os ricos e os proprietários de terras.  Assim como em uma guerra, milhões poderiam morrer, mas essas mortes seriam justificadas pelos fins, como na derrota de Hitler na Segunda Guerra Mundial.  Para os marxistas no governo, o objetivo de uma utopia comunista era suficiente para justificar todas as mortes.

A ironia é que, na prática, mesmo após décadas de controle total, o marxismo não apenas não melhorou a situação do cidadão comum, como tornou as condições de vida piores do que antes da revolução.  Não é por acaso que as maiores fomes do mundo aconteceram dentro da União Soviética (aproximadamente 5 milhões de mortos entre 1921-23 e 7 milhões de 1932-33, inclusive 2 milhões fora da Ucrânia) e da China (aproximadamente 30 milhões de mortos em 1959-61).  No total, no século XX, quase 55 milhões de pessoas morreram em vários surtos de inanição e epidemias provocadas por marxistas — dentre estas, mais de 10 milhões foram intencionalmente esfaimadas até a morte, e o resto morreu como consequência não-premeditada da coletivização e das políticas agrícolas marxistas.

O que é espantoso é que esse histórico fúnebre do marxismo não envolve milhares ou mesmo centenas de milhares, mas milhões de mortes.  Tal cifra é praticamente incompreensível — é como se a população inteira do Leste Europeu fosse aniquilada.  O fato de que mais 35 milhões de pessoas fugiram de países marxistas como refugiados representa um inquestionável voto contra as pretensões da utopia marxista.  [Tal número equivale a todo mundo fugindo do estado de São Paulo, esvaziando-o de todos os seres humanos.]

Há uma lição supremamente importante para a vida humana e para o bem-estar da humanidade que deve ser aprendida com este horrendo sacrifício oferecido no altar de uma ideologia: ninguém jamais deve usufruir de poderes ilimitados.

Quanto mais poder um governo usufrui para impor as convicções de uma elite ideológica ou religiosa, ou para decretar os caprichos de um ditador, maior a probabilidade de que vidas humanas sejam sacrificadas e que o bem-estar de toda a humanidade seja destruído.  À medida que o poder do governo vai se tornando cada vez mais irrestrito e alcança todos os cantos da sociedade e de sua cultura, maior a probabilidade de que esse poder exterminará seus próprios cidadãos.

À medida que uma elite governante adquire o poder de fazer tudo o que quiser, seja para satisfazer suas próprias vontades pessoais ou, como é o caso dos marxistas de hoje, para implantar aquilo que acredita ser certo e verdadeiro, ela poderá impor seus desejos sem se importar com os custos em vidas humanas.  O poder é a condição necessária para os assassinatos em massa.  Quando uma elite obtém autoridade plena, várias causas e condições poderão se combinar para produzir o genocídio, o terrorismo, os massacres ou quaisquer assassinatos que os membros dessa elite sintam serem necessários.  No entanto, o que tem de estar claro é que é o poder — irrestrito, ilimitado e desenfreado — o verdadeiro assassino.

Nossos acadêmicos e intelectuais marxistas da atualidade usufruem um passe livre.  Eles não devem explicações a ninguém e não são questionados por sua defesa de uma ideologia homicida.  Eles gozam de um certo respeito porque estão continuamente falando sobre melhorar as condições de vida dos pobres e dos trabalhadores, suas pretensões utópicas.  Porém, sempre que adquiriu poder, o marxismo fracassou miserável e horrendamente, assim como o fascismo.  Portanto, em vez de serem tratados com respeito e tolerância, marxistas deveriam ser tratados como indivíduos que desejam criar uma pestilência mortal sobre todos nós.

Da próxima vez que você se deparar com marxistas ou com seus quase equivalentes, os fanáticos esquerdistas, pergunte como eles conseguem justificar o assassinato dos mais de cento e dez milhões de seres humanos que sua fé absolutista provocou, bem como o sofrimento que o marxismo criou para as outras centenas de milhões de pessoas que conseguiram escapar e sobreviver.


NOTA:

R.J. Rummel, professor emérito de ciência política e finalista de Prêmio Nobel da Paz, é o mais aclamado especialista mundial em democídio, termo que ele cunhou para se referir a assassinatos cometidos por governos.  Escreveu o livro Death by Government, leitura obrigatória para qualquer pessoa que queira se inteirar das atrocidades cometidas por governos.  Ao todo, Rummel já publicou 29 livros e recebeu numerosas condecorações por sua pesquisa.


Leia também:

Anúncios

A Guerra de Três Lados – Parte I

Quando estudamos a Segunda Guerra Mundial, normalmente vemos tudo em preto e branco: de um lado estavam os Aliados (os caras legais) e do outro lado estava o Eixo (os caras maus). Entre os Aliados, conta-se supostamente que estavam “as democracias ocidentais” e os comunistas, ao passo que o Eixo era composto pelas “forças nazi-fascistas”. Mas a coisa não era bem assim. Pode-se muito bem não só dividir a Segunda Guerra Mundial em diversos conflitos (Guerra de Inverno, Guerra de Continuação, Segunda Guerra Sino-Japonesa, etc) como se pode analisá-la como um conjunto de conflitos envolvendo muito mais do que dois lados. E é isso que faremos nesta pequena série de artigos sobre a Segunda Guerra.

Primeiramente analisaremos os conflitos que compõem a Segunda Guerra Mundial, individualmente, atendo-nos a posição política dos envolvidos (foco nos que não são esclarecidos nas aulas de História). Depois, analisaremos as alianças e antagonismos estabelecidos antes e durante o conflito.

Conflitos Precedentes

A Segunda Guerra foi um conjunto de conflitos militares em escala global que, tradicionalmente, considera-se como tendo iniciado em 1939 com a invasão da Polônia pelo III Reich Alemão. Esta divisão, bastante discreta, não faz sentido para os chineses, por exemplo, que já estavam em guerra formal com o Império Japonês desde pelo menos 1931.

Alguns conflitos que antecederam a Segunda Guerra Mundial foram verdadeiros ensaios militares, tecnológicos e políticos para o conflito que viria. A batalha ideológica entre fascistas e socialistas já havia ensaiado alguns passos nas Guerras Civis Chinesa (1927-1950), Austríaca (1934) e Espanhola (1936-1939).

O poderio militar comunista já havia sido testado na Guerra Civil Russa (1917-1921), na Guerra Ucrano-Soviética (1917-1921), na Guerra Civil Finlandesa (1918), nas Guerras de Independência da Estônia (1918-1920) e da Letônia (1918-1920). O expansionismo soviético ainda avançaria sobre a Polônia (1920) antes da Segunda Guerra, contra a Geórgia (1921) e a China (1929).

O expansionismo fascista já havia sido posto em marcha na Segunda Guerra Ítalo-Etíope (1935-1936) e na Invasão da Manchúria (1931). São incontáveis também os conflitos coloniais ou emancipacionistas que envolveram potencias coloniais – como a França e a Inglaterra – na África e na Ásia.

Conflitos Concomitantes

A Segunda Guerra Mundial, na verdade, é uma sobreposição de diversos conflitos que iniciam e encerram em períodos diferentes. Alguns deles tem uma relação próxima, como a Guerra no Atlântico e a Batalha da Grã-Bretanha, outros nem tanto como a Segunda Guerra Sino-Japonesa e a Guerra de Inverno. Cada um destes conflitos envolve diferentes beligerantes, diferentes agentes políticos. Nesta primeira parte, abordaremos…

Europa I – Polônia, Finlândia e Países Bálticos

1. Invasão da Polônia – Uma joint venture bolchevo-nazista.

Polen, Siegesparade, Guderian, Kriwoschein
Parada militar germano-soviética em Brest-Litovsk, Polônia. 22 de setembro de 1939.

Foi a invasão da Polônia pelo III Reich Alemão, pela União Soviética e por um pequeno contingente eslovaco que marcou o início da Segunda Guerra na Europa. A invasão alemã começou em 1º de Setembro de 1939, uma semana após a assinatura do Pacto Ribbentrop-Molotov, enquanto a invasão soviética começou no dia 17 do mesmo mês. A campanha terminou no dia 6 de outubro de 1939, com o III Reich e a União Soviética dividindo e anexando toda a Polônia.

Posição política da Polônia

A Segunda República Polaca enfrentou a Rússia e a Ucrânia soviéticas entre 1919 e 1921, obtendo uma vitória limitada. O chefe de Estado, Józef Klemens Piłsudski, já havia lutado pela independência do país em 1918.

Jozef_Pilsudski
Józef Klemens Piłsudski

As políticas territoriais e étnicas do governo polaco no período entreguerras contribuíram para as más relações com os vizinhos e para a difícil cooperação com centros de poder mais distantes como a França, a Inglaterra e a Liga das Nações.

 

Houve um curto período (1921-1926) de ordem constitucional e democracia parlamentar. Em maio de 1926, Piłsudski derrubou o governo e instaurou um regime autoritário, embora instituições e partidos políticos ainda funcionassem.  Ciente dos conflitos internos do país, a Polônia assinou tratados de não-agressão com a União Soviética (1932) e com o III Reich (1934).

Em 1939, o governo polonês recusou uma aliança com a Alemanha. Antes da guerra eclodir, entrou em aliança militar com a França e a Grã-Bretanha, que tentavam barrar o poder do III Reich. Andando no meio da pista, acabou atropelada pelos dois lados.

2. Guerra de Inverno – Os soviéticos tentam na Finlândia o que fizeram na Polônia.
Ocorreu entre a União Soviética e a Finlândia. O conflito começou com uma ofensiva soviética em 30 de novembro de 1939 – dois meses após a invasão soviética da Polônia – e terminou em 13 de março de 1940 com o Tratado de Paz de Moscou. Considerado ilegal pela Liga das Nações, esta invasão rendeu à União Soviética a expulsão da liga em 14 de dezembro do mesmo ano.

winter war

 

3. Guerra de Continuação – Soviéticos revidam o ataque alemão e tentam, de quebra, ocupar a Finlândia.
Foi o segundo conflito armado ocorrido entre a União Soviética e a Finlândia durante a Segunda Guerra Mundial. A União Soviética o viu como parte de sua luta contra o III Reich e seus aliados, enquanto o III Reich via a operação na região como parte de seus esforços de guerra no front oriental, providenciando grande apoio material e cooperação militar à Finlândia.

Os atos de guerra entre recomeçaram em 22 de junho de 1941, dia que o III Reich lançou sua invasão à União Soviética. Operações finlandesas desfizeram as concessões pós-Guerra de Inverno à União Soviética. Os finlandeses pararam sua ofensiva a 30 km de Leningrado, na fronteira estabelecida entre União Soviética e Finlândia antes da Guerra de Inverno, mantendo seu território com as fronteiras estabelecidas como antes da Guerra de Inverno.

Em 1944, forças aéreas soviéticas conduziram raids em Helsinque e outras cinco grandes cidades finlandesas. Por fim, no verão de 1944, a ofensiva dos soviéticos removeu os finlandeses da maior parte do território que eles haviam recuperado. O Exército Finlandês lutou contra a ofensiva soviética até obter um armistício em julho de 1944. Um cessar-fogo pôs fim às hostilidades em 5 de setembro, e foi seguido pelo Armistício de Moscou em 19 de setembro.

4. Guerra da Lapônia – Tropas alemãs se retiram da Finlândia e aproveitam para fazer um estrago no meio do processo.
Foi o conflito entre a Finlândia e o III Reich Alemão que durou de setembro de 1944 a abril de 1945 na províncio da Lapônia, norte da Finlândia.

Enquanto o III Reich e a Finlândia combatiam a União Soviética na Guerra de Continuação, o alto comando alemão começava a traçar planos para uma reação no caso da Finlândia fazer um acordo de paz em separado com a União Soviética. O plano era retirar as forças alemãs para o norte e defender as minas de níquel próximas a Petsamo. Posições defensivas e planos de evacuação nesta área estavam todos compreendidos na Operação Birke.

As forças alemãs se retiraram para a Noruega, e a Finlândia pode assim manter sua parte das obrigações no Armistício de Moscou.

Posição política da Finlândia

A Finlândia era uma república presidencial multipardária e democrátic

Risto Ryti
Risto Ryti

a desde o início dos conflitos. Na época da Guerra de Inverno estava em cargo o quarto presidente do país, Kyösti Kallio, líder do partido Liga Agrária. Seu sucessor foi Risto Ryti, do Partido Nacional Progressista, que governou o país de 1940 a 1944 – período da Guerra de Continuação. Ryti fortaleceu relações com o III Reich, mais por necessidade do que por associação ideológica.

 

Uma das mais importantes contribuições do governo do presidente Ryti foi o fato de manter a Finlândia como uma democracia genuína, diferente do que ocorreu com outros países europeus.

Manteve sua neutralidade enquanto foi possível, recorreu ao apoio alemão quando foi necessário, expulsou os alemães quando lhe era benéfico, defendeu o seu território e a sua população sem se deixar tomar por nenhuma das duas ideologias totalitárias.

5. Ocupação do Báltico – objeto de disputa entre dois expansionistas.
Ocupação militar dos três estados bálticos (Estônia, Letônia e Lituânia) pela União Soviética sob os auspícios do Pacto Molotov-Ribbentrop em 14 de junho de 1940, seguida de sua incorporação à União Soviética.

Em 22 de junho de 1941 o III Reich Alemão atacou a União Soviética e dentro de semanas ocupou os territórios bálticos. Em julho de 1941 o território báltico foi incorporado ao III Reich. Como resultado da Ofensiva do Báltico de 1944, a União Soviética recapturou a maior parte dos territórios bálticos.

A partir de 1944 ocorreu a Guerrilha do Báltico: após a conquista dos territórios bálticos pelos soviéticos em 1944, uma insurgência envolvendo partisans nacionais se iniciou e arrastou-se até mesmo após o fim da Segunda Guerra. Esta guerrilha continuou como um conflito organizado até 1956 quando a superioridade militar soviética forçou a população nativa a adotar outras formas de resistência.

A ocupação soviética dos estados bálticos durou até agosto de 1991, quando estes estados recuperaram a sua independência.

A Irmandade do Bosque, Grupo de partisans estonianos, letões e lituanos que mantinham operações de guerrilha contra o regime soviético nos territórios bálticos durante e depois da invasão e ocupação da Segunda Guerra Mundial.

Posição política da Estônia

A República da Estônia, constituída em 1920, possuía um governo parlamentar democrático.  No entanto, iniciando um referendo em 1933, o Movimento Vaps conseguiu uma aprovação de 72,7% para a proposta de mudança do governo, que passou a ser presidencial. Esperava-se para 1934 uma eleição presidencial, que não ocorreu por causa de um golpe liderado por Konstantin Päts, do Partido dos Fazendeiros Unidos, que instaurou seu próprio governo autoritário.

Konstantin Päts
Konstantin Päts

Durante o que ficou conhecido como “Era do Silêncio”, os partidos políticos foram banidos e o parlamento não exercia suas atividades: o país era governado por decretos. Nesta época o Movimento Vaps foi oficialmente banido e então dissolvido.

A Estônia buscou uma política de neutralidade, o que foi inútil após a assinatura do Pacto Molotov-Ribbentrop, já que neste acordo secreto figurava como um dos Estados dentro da “esfera de influência soviética”. Recebeu um ultimato da URSS que ameaçava invadi-la a menos que permitisse bases militares soviéticas no país.

Aceitando o ultimato, o governo lituano condenou o seu povo a uma verdadeira ocupação militar soviética a partir de 1940, seguida de uma invasão alemã, depois de outra ocupação soviética que durou até a década de 90, somando mais de 50 anos de terror.

Posição política da Letônia

Uma nação republicana com constituição democrática promulgada em 1922, a Letônia caiu sob o regime ditatorial de Kārlis Ulmanis, do partido de centro União dos Fazendeiros Letões, em 1934, que alegava estar protegendo o país de um golpe de “extremistas de direita” chamados de Legião.

Karlis_Ulmanis
Kārlis Ulmanis

Como Primeiro Ministro, Ulmanis dissolveu o parlamento e estabeleceu seu governo autoritário: todos os partidos políticos, inclusive o seu próprio “União dos Fazendeiros” foram proibidos, parte da Constituição e as liberdades civis foram suspensas, todos os jornais pertencentes a partidos ou organizações políticas foram fechados. Social-democratas, radicais “de direita” e ativistas pró-nazismo foram todos enviados para campos de detentação. Seu governo era especialmente duro com extremistas, sobretudo nazistas e comunistas.

Ulmanis acatou o ultimato soviético para instalar bases militares na Letônia, de modo que em 1940 o país já estava completamente ocupado pela União Soviética, tendo o mesmo destino da Estônia.

Posição política da Lituânia

A Lituânia era uma nação democrática com um parlamento eleito até 1926. O Parlamento elegia o presidente da República. As relações com a Polônia eram tensas, e também com a Alemanha, já que o país detinha um território que este perdeu com o Tratado de Versalhes (o território de Klaipeda).

Antanas_Smetona_2
Antanas Smetona

O terceiro Parlamento foi eleito em maio de 1926 e pela primeira vez os democratas cristãos perderam a maioria e passaram à oposição. Com a assinatura do pacto de não-agressão com a URSS, o governo foi acusado de bolchevizar o país. Com o crescimento das tensões, o governo foi deposto no mesmo ano por um golpe militar apoiado pelos nacionalistas e pelos democratas-cristãos. Antanas Smetona foi instalado como presidente e, autoritário, suprimiu a oposição até 1940.

Na tentativa de evitar conflitos, a Lituânia cedeu a um ultimato da Polônia (1938) e normalizou as relações diplomáticas com este país. Ainda mais irresistível foi o ultimato oral de Ribbentrop: a Lituânia foi forçada a ceder novamente à Alemanha a região de Klaipeda. Mas isto foi só o princípio, uma vez que o país já estava entregue à URSS de acordo com o Pacto Molotov-Ribbentrop.


Comentário:

Destes conflitos abordados, na Polônia, na Escandinávia e no Báltico, já se pode tirar algumas conclusões sobre o que mencionamos no início deste artigo. Podemos identificar, a princípio, dois lados – União Soviética e III Reich – que são potências militares expansionistas e de inspiração ideológica.

Entre estas duas partes, bem identificáveis, existem outras que tentam resistir ao assalto de ambos os lados: as resistências nacionais polacas, finlandesas, estonianas, letãs e lituanas. Elas não tem uma relação firme entre si além do fato de estarem sendo comprimidas por um inimigo comum. No caso dos países bálticos, houve uma possibilidade maior de aproximação dadas as condições geográficas e a aproximação histórica entre os povos que habitam a região, o que não poderia acontecer entre eles e os finlandeses, ou poloneses.


Leia também: