O ataque terrorista em Boston e o que a mídia esquerdista evita mostrar

Desta vez não irei traduzir, apenas farei um resumo do que ocorreu no atentado terrorista em Boston recentemente e o que a mídia de esquerda tem evitado mostrar para não afetar a imagem dos políticos a quem elas estão subjugadas.

Nos EUA, grande parte da imprensa falada e escrita tem viés liberal (esquerda para os Americanos), chamada por lá de “Midia Bias”, com raras exceções como a Fox News e empresas de comunicação do grupo, alguns jornais como NY Post e Washington Times e mais alguns que fazem uma cobertura digna de jornalismo, não de propaganda, voltando a recorrer a George Orwell, “jornalismo é a arte de publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade”.

No meio digital nos EUA a cobertura jornalistica é maior e permite que os cidadãos tenho acesso aos fatos rapidamente, devido a isso, a imprensa tradicional também acaba sendo forçada a falar a verdade no final, mesmo que de forma velada e com “notas de rodapé”. Vamos ao caso:

Barack Obama disse “que não faz sentido relacionar os ataques ao fato de os dois serem muçulmanos”, mas ele e seus lacaios politicamente corretos na mídia e de Hollywood não pensaram duas vezes antes de acusar o “branco Americano”, os “extremistas” de direita do Tea Party, os membros da NRA, os cristãos, conservadores, as pessoas contrarias as cobranças abusivas de impostos que fizeram um protesto pacifico naquele dia. Eles nunca se cansam de acusar o espirito da América, aqueles responsáveis por criar e sustentar a republica democrática, o estado de direito e liberdade naquele país.

Enquanto os porta vozes de Obama (MSNBC, ABC, CNN, etc) acusavam a NRA (Associação Nacional do Rifle), os conservadores, os brancos americanos e o movimento anti impostos, não tiveram a coerência de dizer que não fazia sentido ligá-los ao caso, claro que sei que coerência e esquerdista e como óleo e água, disse isso apenas para ilustrar. Esses babavam enquanto clamavam para ter um culpado “conservador, branco reacionário” sem nem mesmo ter sequer uma pista para alegar esse absurdo, apenas torcendo por isso e protegendo os reais terroristas (bárbaros islâmicos, de esquerda, socialistas), afinal são eles os queridinhos do politicamente correto. Para eles não fazia sentido acusar os islâmicos mas fazia sentido acusar cidadãos Americanos respeitadores da lei.

E mesmo depois de evidenciado os fatos, continuaram a tentar amenizar a e mascarar a identidade e a ideologia dos terroristas, o procurador geral e corrupto inveterado Eric Holder continua a defender os terroristas e dizer que não faz sentido descriminar radicais islâmicos pelos atentados, mas faz sentido para ele acusar os Americanos que respeitam a lei por crimes de um individuo maluco que atacou uma escola, esse por sinal apoiador e membro do partido Democrata. Eric Holder é junto com Obama responsável pela operação Velozes e Furiosos que botou armas nas mãos de carteis de drogas do México, armas essas que foram usadas para matar Americanos, inclusive o agente de fronteira Brian A. Terry.

Os dois terroristas em questão receberam mais de cem mil dólares em “Bolsa Família”, la chamado de Food Stamps ou welfare benefits do governo que recebeu diversas informações da Rússia e da própria Arabia Saudita anos antes alertando sobre o risco em potencial que era essa família, os Árabes inclusive negaram visto para um dos irmãos visitar Meca dois anos antes e Obama se negou a deportá-los em 2009.

Abaixou compilei alguns links com matérias mostrando a realidade dos fatos mencionados, algumas delas criticando os absurdos cometidos pelos Democratas e outras apenas matérias originais defendendo os terroristas e atacando os Americanos respeitadores das leis. Eu tenho costume de usar meu twitter como banco de dados, tendo lá muito mais dados sobre todos esses ocorridos.

Voltarei no próximo artigo falando sobre outro atentado do governo Obama contra os cidadãos de bem Americanos, tendo relação direta com esse artigo.

midia bias

Reparação

Pela primeira vez no Cinema Brasileiro, longa-metragem mostra histórias de violência dos 2 lados: da repressão militar e do terrorismo de extrema esquerda.

Reparação é o título do documentário de longa-metragem em High Definition que conta a história de Orlando Lovecchio, vítima de um atentado a bomba praticado pela guerrilha que lutava contra o regime militar no Brasil, em 1968. Orlando perdeu a perna no célebre atentado ao Consulado dos EUA em São Paulo e, ainda hoje, em 2009, luta por justiça: como não é considerado uma vítima da ditadura militar, a aposentadoria que recebe é menor que a do autor do atentado que o vitimou e enterrou para sempre seu sonho de ser piloto de avião. O episódio envolvendo Orlando e seus desdobramentos tem merecido amplo e constante destaque na imprensa.

A partir deste caso, o filme provoca uma reflexão a respeito do período militar, da violência de grupos extremistas ontem e hoje na América Latina, da ditadura cubana que persiste até hoje com o apoio de democratas em todo o continente, além da relação ainda conflituosa existente entre o aparelho repressivo do Estado e os cidadãos comuns.

Com depoimentos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do historiador Marco Antonio Villa, do jornalista Demétrio Magnolli, entre outros, Reparação pretende iniciar uma nova discussão sobre o período militar dentro do contexto do Cinema Brasileiro, que até hoje tem falhado por mostrar apenas um lado dos que viveram a época, de uma forma muitas vezes maniqueísta (como se a História pudesse ser resumida a um eterno embate do bem contra o mal)
Em uma abordagem franca e sem amarras partidárias ou ideológicas, Reparação comprova sua total independência ao não ter recorrido às verbas públicas para sua realização.

Uma prova de que o Cinema Brasileiro pode suscitar o debate com qualidade técnica e total independência estética e de pensamento.

O filme é uma produção da Terranova Filmes.