Nada de novo …

Hoje no programa de Milton Parron na Rádio Bandeirantes a principal pauta era a greve dos agentes da Anvisa, que acabou fechando o Porto de Santos. Milhões de reais em prejuízo se acumulam enquanto os agentes reivindicam maiores salários, mas esses agentes ao fazer greve se esquecem do principal dever de um funcionário público: servir o povo e não servir-se dele. Assim como muitos políticos, esses agentes estão pensando muito mais neles do que na população, que irá pagar duas vezes pela greve (com os prejuízos e o eventual aumento de salário da categoria). Milton Parron também comentou da greve dos professores das instituições de ensino federal, essa já conhecida por muitos, mas ignorada por alguns (justos aqueles que não deveriam ignorar). Parron questionou o que Aloizio Mercadante, ministro da educação, estava fazendo em Londres, enquanto os alunos estão há mais de 3 meses sem aula.

Mas o melhor momento do programa foi a participação por telefone do jurista Ives Gandra Martins, que conseguiu sintetizar bem toda essa situação de greves no setor público. Ele comenta que greves são muito comuns em períodos eleitorais e critica duramente esses servidores públicos que parecem viver uma outra realidade, pois se esquecem que o mundo vive uma crise financeira, os países europeus vem cortando gastos sociais, diminuindo salários e etc. Mas só aqui no Brasil os funcionários públicos acreditam que tudo vai bem, como eu já havia dito em outra postagem e o Ives Gandra comentou hoje: nosso PIB dificilmente irá passar de 2%, mês a mês a previsão dele cai.

Os funcionários e servidores públicos têm que entender que eles são “servos” da população e tem que aceitar os salários que são disponíveis. Caso queiram ganhar mais eles deveriam ir para o setor privado e serem empreendedores. No Brasil é muito comum ver pessoas prestando concurso público não para servirem a população, mas sim por causa da estabilidade e das benesses que a carreira traz.

Muito pouco do que foi dito nesse texto é novidade para você leitor, que até deve estar cansado desse assunto, mas o interessante é ver as causas sendo ditas e não apenas as consequências de um problema.