O Conservador e a Verdadeira Revolução

Vivemos um momento em que, lentamente, mais e mais pessoas se declaram conservadoras, ou, o que está em voga, conservadoras liberais. Como a única maneira de avançar um pensamento é através do embate direto, é necessário dizer que é preocupante o caráter desse reacionarismo. Preocupante pois não difere em muito do que “está aí”. É tão materialista quanto, e via de regra é um reacionarismo que se sustenta sobre uma espécie de fetichismo de mercado. Um reacionarismo sem alma, frio, calculista e utilitário. É um reacionarismo, via de regra, importado grosseiramente, sem a devida contextualização: essa solução pronta para ser aplicada em uma localidade é exatamente aquilo que não é conservador, mesmo quando reconhecemos que não há um só conservadorismo (na verdade, é justamente por isso, por olhar para o próprio contexto e às próprias raízes, que o pensamento conservador se traduz em medidas práticas bastante diversas em diferentes locais). Por fim, é uma espécie de reacionarismo que é, em verdade, exclusivamente liberal; um “reacionarismo não reacionário”.

Utilizamos muito de nosso tempo pensando o Estado, a sociedade, os outros. A política é, sim, um campo importantíssimo da vida em sociedade, merecendo nossas atenções e profundo estudo, mas não é o único. Passamos horas lamentando como a economia vai mal, e como poderia estar melhor se tal ou tal medida fosse ou não adotada, ou como seríamos plenamente desenvolvidos caso o Estado fosse um pouco menor. Garantir que o ser humano desfrute daquilo que produz, que possa exercer sua ocupação e trabalho com dignidade e não sofra pesadas interferências arbitrárias de uma entidade que hoje é elevada a semi-deusa – O Estado – é, sim, uma preocupação digna. Mas, também, não é a única. E a tendência do debate conservador tem girado em torno, principalmente, desse segundo aspecto, e de forma totalmente fetichista. O debate autoproclamado conservador tem sido, em realidade, liberal, ignorando os embates históricos entre essas duas vertentes que são praticamente inconciliáveis, demonstrando uma verdadeira fobia ao Estado, se tornando uma versão oposta àquela caricatura que hoje chamamos de esquerda (que, também, paradoxalmente, endeusa o Estado, sendo que em sua gênese tinha como objetivo destruí-lo). É apenas parte desse louco cenário de pensamento binário, 0 ou 1, sim ou não, mas que ao mesmo tempo não se diferencia tanto entre os opostos, já que são opostos e oponentes apenas dentro da mesma concepção e partindo das mesmas bases.

A educação conservadora (e a consequente sedimentação dessa visão de mundo na sociedade) foge ao padrão massificante que se criou como mero modelo de formar profissionais, e que vê o conhecimento como mero instrumento para atingir um fim material (emprego, salários, tecnologia). Pouco tratarei aqui sobre esse assunto, que merece um livro só para si, mas é essencial lembrar que, no atual cenário, a educação conservadora é radicalmente oposta ao que existe e é chamado de educação. O foco da educação conservadora está na formação da consciência pessoal, no aprender a pensar. Mas não no aprender a pensar “à partir do zero”, e sim à partir de todo um legado que a nós foi transmitido e confiado, em outras palavras (realmente, apenas outras palavras), à partir da tradição. No ponto em que houve a primeira grande ruptura (Iluminismo), que se pretendeu ignorar tudo o que já havia existido, o legado já superava 2000 anos. Felizmente, aos poucos se percebe a riqueza daquilo que se queria deixar para trás. Esperemos, então, que a disposição de estudar e procurar entender com sinceridade tudo o que o Ocidente e, porque não, outras civilizações produziram dure por bastante tempo, buscando um intercâmbio entre nossa era e outras. E que o surgimento de uma educação nesses moldes nos leve sempre a nos questionarmos se andamos, “progredimos”, no caminho certo. Somente grande humildade é capaz de reconhecer quando se escolheu o caminho errado, no caso o da ruptura, e olhar para o passado numa tentativa de religar-se àquilo que foi deixado para trás simplesmente porque era antigo e não podia sobreviver.

E é por a educação visar a formação de uma consciência pessoal (que resulta numa consequente diversidade no pensamento), que o conservadorismo exige algo de diferente, e que não está a ocorrer: essa formação exige um olhar para si, um pensar e refletir a própria condição. Não basta um Estado estruturado de forma correta sem pessoas corretas na sociedade, que entendam que o problema da sociedade atual vai muito além da carga tributária ou das leis trabalhistas que seriam muito rígidas. Temos uma sociedade apressada, hedonista, materialista e consumista que esquece daquilo que o transcende em muito, e isso não é algo a ser contestado pelo liberalismo e seu “fetichismo livre-mercadista”. Essa sociedade, assim como o livre-mercado (me restrinjo a este pois estou propondo um debate interno; dizer que a esquerda não vê nada disso é chover no molhado), não vê valores como a compaixão, a honra, o cavalheirismo, a caridade, o amor. Muitos rodeios são feitos para tentar mostrar como menos Estado faria com que as pessoas automaticamente estariam mais propensas a valores como os citados, ou mesmo à religião. Mas não é tão simples, esses valores precisam ser cultivados e difundidos por pessoas, que só encontram esses valores quando olham para si e depois para o outro, quando param para refletir. É no dia a dia que esses valores percorrem a sociedade, independentemente do tamanho do Estado e de suas políticas: só é corrompido aquele que o quer ser. É na espontaneidade do cotidiano que florescem os resultados desses valores, sim, mas eles devem ser cuidados a todo o tempo. Devemos sempre lembrar a nós mesmos que existe algo que é superior a toda essa loucura, independentemente daquilo que se tome por superior. Mesmo um ateu há de convir que nem tudo o que existe é o material. Deus é a figura central, mas há outros valores que podem ser cultivados independentemente de crença particular. Só assim recriamos um significado para nossos tempos que vai para além de um existir mecânico que, apesar de não ser obrigatório, exige do sujeito uma grande força de vontade caso queira encontrar para si um propósito distinto e conservar valores mesmo em meio a uma sociedade que não os encara mais como desejáveis já de forma inconsciente.

E é aí que mora a Revolução Conservadora, a Verdadeira Revolução, que busca ligar-se novamente ao legado que a nós foi transferido, mas que irresponsáveis tentaram com ele romper. Só assim existe uma verdadeira mudança, que é em realidade restauração, e não pela imposição imediata. Mudança penosa, dolorosa, lenta, mas duradoura e real. Diferentemente daquela revolta irracional que destrói o que existe mas com a mesma velocidade repete porcamente aquilo que existia antes da revolução, que cria instabilidade e infinitas injustiças, que banha a terra em sangue inocente. É simplesmente reconhecer que para mudar o ambiente que nos cerca devemos primeiramente mudar a nós mesmos.

Anúncios

Da série: coisas que nunca escutarei um esquerdista dizer

 

Mal posso esperar para acontecer a revolução bolchevista! Assim posso ser um dos operários obedientes que trabalhará sem descanso para o bem comum e sem perspectiva nenhuma de crescimento pessoal! Caso eu não dê muito certo, o pior que pode acontecer é trabalho forçado!

Disse militante comunista nenhum na história. Não sei porque, mas eles sempre se imaginam como o Querido Líder.

O que é a Direita?

Muito tempo se gasta atacando a esquerda, especulando rumos políticos, e em atividades afins. Pouco tempo se gasta tentando entender o que somos. A direita, após duas décadas de democracia representativa, encontra-se praticamente morta no Brasil, dando pequenos sinais de existência apenas quando se manifesta contrariamente à esquerda. Mas não faz sentido tal existência, não há porque ser a parte fraca da dicotomia – a mera negação – quando a direita era, em seu princípio, a parte formada por conteúdo, enquanto a esquerda era a negação. Darei então minha humilde opinião acerca do que é a Direita Política.

Primeiramente, ser de Direita é ser pela continuidade. Se entre a ruptura e a mera estática existir outro caminho – o que comumente há -, esse é o caminho a ser seguido. A revolução é o caminho da injustiça, o mais autoritário dos meios de se fazer uma mudança. O caminho que substitui um sistema que já passou por diversas correções por uma ideia, mas que nascerá dotada de grandes imperfeições (algumas já corrigidas pelo sistema anterior) e que necessitarão também da ação do tempo para que sofram as devidas correções. A revolução é, em suma, o caminho do imediatismo, da impaciência, ao menos como entendido em sua concepção comum (há outra concepção, que talvez seja abordada em outro texto). A atitude reformista, por outro lado, é uma atitude que procura as soluções dentro do próprio sistema, garantindo a todos a segurança e ordem necessários ao exercício da liberdade, ao mesmo tempo que lida com os problemas. É uma atitude que reconhece a imperfeição do ser humano, a impossibilidade de criar um paraíso terrestre, e que toda mudança e todo suposto progresso trazem consigo duas facetas: a mudança é como um cobertor curto. Além disso, é reconhecer que a estrutura do poder independe de seu conteúdo, e que a revolução nunca, historicamente, alterou a substância do poder, mas apenas sua forma. A atitude reformista, em suma, é o exercício da paciência, da prudência, da temperança, da visão de longo prazo, sempre em respeito às atitudes dos antepassados.

Em seguida, deve-se abordar o materialismo. Talvez esse seja o aspecto mais importante da Direita Política, a rejeição a doutrinas meramente economicistas ou materialistas. Ser de Direita é reconhecer que há valores além da economia, que estão, quando não no mesmo patamar, em patamares acima. Diferente do que se prega, inclusive por alguns supostos direitistas, estar nesse lado do espectro político não é realizar um culto ao dinheiro. E, também diferentemente daqueles que glorificam o capitalismo simplesmente por o fazer, o direitista não exalta o ser humano como mera máquina de consumo. Para a direita, o ser humano é um ser dotado de alma, e sustenta essa visão não apenas sobre uma base cristã, mas também sobre bases clássicas constantes em Platão e Aristóteles. Como direitistas, reconhecemos que valores como a caridade, a honra, a coragem, o heroísmo, a bondade, a beleza e a tradição são mais importantes que a mera economia. Além disso tudo, crê em um código moral duradouro que mantém a sociedade.

Por fim, algo que deve estar presente em toda e qualquer corrente de direita é o respeito pela tradição. Não a glorificação irrestrita, impensada, mas o respeito. Entender sua função na sociedade é essencial. É importante à Direita entender que a mera quebra da tradição, por si só, não é motivo para uma mudança, como advogam os progressistas e liberais mais radicais, para os quais a tradição aprisiona. A tradição, na verdade, possui um importante papel unificador, reforça o sentimento de pertencimento de uma pessoa a um povo. Torna a todos, ao menos como seres que partilham dos mesmos costumes, iguais, apesar de todas as diferenças do mundo material, o que deixa as pessoas mais propensas à caridade. A tradição traz às relações a pessoalidade, valor perdido a tempos pelo mundo ocidental.

Como em outros textos do gênero, é óbvio que não pretendo esgotar o assunto, mas apenas dar uma pincelada acerca do que acredito que deve fazer parte de qualquer corrente que pretenda colocar a si mesma na Direita. Esses três aspectos, a meu ver, são essenciais. Por isso, deixo minha contribuição, com as portas abertas a críticas e visões diferentes. Lembrem-se que podem também enviar seus textos para serem publicados.

A questão da Islamização da Europa

Se há um problema que o ocidente tem enfrentado como sinal de sua decadência é sua islamização, bastante abordada pelos círculos da Direita. Geralmente esse tema é abordado com ares de conspiração, desejos de dominação. Basicamente, se aborda o tema como se os muçulmanos fossem à Europa com o desejo de islamizá-la, e por isso fazem dezenas de filhos. Pretendo apresentar outra visão.

O ocidental de forma geral, mais especificamente o europeu (que a esses males está exposto a mais tempo), perdeu todo e qualquer senso de comunidade e dever. Leva à sério de mais a máxima “ninguém manda em mim” e se entrega aos excessos hedonistas de nosso tempo. É a filosofia de vida do incompreendido “carpe diem”, somente possível nos tempos de abundância e total despreocupação. O ser humano vive, então, apenas para seu próprio prazer.

Há um contraponto, no mundo hodierno, que representa o exato contrário dessa filosofia: a civilização islâmica. Por mais inaceitáveis que possam ser certos comportamentos pela óptica dos direitos humanos, é inegável que é uma civilização que não se deixou seduzir pelo domínio excessivo da técnica. Existe, ainda, nesse grupo, um sentimento de unidade, de pertencimento a um todo por parte do particular, que há muito o ocidente perdeu.

É necessário falar da técnica porque ela é que abriu o caminho para um sistema de produção jamais visto na história em termos de força produtiva. Se o ser humano, até certo tempo atrás, tinha que lutar diariamente contra a natureza pela sobrevivência, conseguiu criar um reino de relativa abundância (que, apesar do período de decadência, ainda tem o que crescer). Essa facilidade, esse luxo, cria de certa maneira o comodismo de uma maioria, que observa os espíritos criativos guiarem o mundo (espíritos esses que, na atualidade, possuem apenas espaço no setor econômico, passando longe do político) e proverem o bem estar geral. A competição estimula, sim, a produção, dentre aqueles que possuem a gana para competir. Fica clara, nesse trecho, a análise conservadora de que não há progresso, mas mudanças que trazem tanto benefícios quanto malefícios.

Se por um lado a técnica nos trouxe abundância, por outro ela criou a dependência. A morosidade natural de certos espíritos cômodos é acentuada por uma avalanche de distrações e divertimentos, que sufocam toda e qualquer tentativa de transcendência e reflexão. O materialismo, na modernidade, sufoca (já em vias de matar) a espiritualidade. A palavra de ordem é aproveitar o agora, viver os excessos, ao invés de buscas a temperança e o equilíbrio. O resultado final é livrar-se de toda forma de responsabilidade, já que essa, no fim, “aprisiona” (e a tendência mundial de casais que trocam filhos por gatos e cães).

Voltamos, então, à Europa, continente mais afetado pelos males que trazem o progresso da técnica (e, importante lembrar, não estou a ignorar os benefícios, mas apenas a lembrar que tudo possui dois lados). A culpa dessa islamização é partilhada: islâmicos não vão com o objetivo de islamizar a Europa, mas de ascender de vida, inclusive em empregos que os europeus não querem ocupar. Se por um lado os muçulmanos vivem dando seguimento ao ciclo reprodutivo, os europeus esqueceram-se dessa faceta da vida, não querem para si a responsabilidade de criar um ou mais filhos. São bons demais para a comunidade e precisam apenas de seus prazeres imediatos. Viveram uma decadência moral até seu quase fim. Alguns dizem que eles estão a acordar e que podem viver um renascimento moral. Eu acredito que já é tarde: o futuro do ocidente não mais esta em mãos europeias, mas em mãos das américas.

Porque não sou um Socialista

Faz certo tempo que a moralidade pública, ao menos no âmbito político, não só pede, mas implora para que qualquer sujeito que aspire parecer honesto seja socialista, seja de esquerda. Não ser um socialista, hoje, ou para parecer mais ameno, um progressista, é um verdadeiro disparate, uma verdadeira sentença de morte. Parece que finalmente chegou o tempo em que todas as pessoas “se conscientizaram” (chavão comum nas conclusões de redações de colégio: “é preciso se conscientizar…”) que devem aderir a uma postura progressista para que a humanidade inteira possa caminhar de mãos dadas, como em um verdadeiro sonho, em rumo à Utopia. Finalmente, diriam, chegou o final feliz de um romance hollywoodiano (ou do cinema europeu, que seria mais gauche).

De fato, ao olharmos o mundo como se encontra, é difícil dizer que muitas críticas da esquerda não procedem. Temos, sim, um mundo tomado cada vez mais pela indiferença. O ser humano perdeu praticamente toda sua capacidade de empatia, perdeu todas as referências. Se posicionar contra o aborto, por exemplo, não é mais se colocar pela vida, mas sim ser um insensível que quer colocar sua moral religiosa no útero alheio (ignorando totalmente a existência de ateus pró-vida, por exemplo). Não é difícil de notar que a humanidade se encontra cada vez mais dependente do Estado para ser amparada, e isso não é sem motivo: o particular se eximiu da responsabilidade por seus semelhantes já a tempos; esqueceu que viver em sociedade acarreta em certas obrigações, certas caridades. Quando a liberdade pura e simplesmente se torna a palavra de ordem, a tendência é a destruição. Essa é sua expressão política mais evidente, como nos ensina Hegel. E o crescente hedonismo, amparado na cada vez maior subjetivação de qualquer senso de moralidade, é reflexo dessa moderna busca pela mais ampla e irrestrita liberdade, que não quer conhecer qualquer ordem que seja. O grande problema da esquerda não está em suas críticas, mas em suas soluções.

Temos nesse grupo político uma tendência clara de, ao invés de tentar reverter o processo de desmoralização, uma de aprofundar o processo. Isso tem um objetivo claro: acelerar o processo revolucionário. Quando há empatia entre as classes, aquela que está abaixo economicamente sente-se amparada, sente que pertence ao todo, sente-se respeitada: vê não só que pode esperar ajuda, mas também que pode ascender e não será mal vista por isso. Quando há valores que transcendem o mero material, como a honra, a caridade, a coragem, a colaboração, é inevitável que o sistema se sustente. O capitalismo, em parte, completou seu ciclo nos Estados Unidos porque, até tempos atrás, o americano teve um espetacular senso de coletividade, mesmo não sendo em sua fundação o povo intelectualmente mais brilhante de sua época: pelo contrário, em sua simplicidade percebia que a pessoa ao seu lado era um semelhante, com necessidades e limitações parecidas, que poderia precisar, a qualquer momento, de amparo. Uma sociedade saudável deve ter sempre isso em mente, que aquilo que transcende o mero material pode ser determinante em seu sucesso, em sua duração.

Mas se é tão simples, porque não se faz? Mais de dois séculos de uma cultura materialista não são revertidos do dia para a noite. Esse é só o primeiro dos empecilhos. Outro é que qualquer pessoa que pense em restaurar esses valores é um reacionário (que quer voltar atrás a roda da história), um moralista (ou UDNista, que é um xingamento bastante cômico também), perante os olhos dos demais. Porque esses séculos de desmoralização só se resolvem, para os progressistas, de uma maneira: distribuindo igualmente as riquezas. Pretende-se corrigir problemas de ordem transcendente com soluções do mundo material. Mas a pior de todas as dificuldades é que os próprios defensores dessa restauração estejam perdidos em sua causa, preocupando-se ou com frivolidades que em nada danificam o tecido social (como a união civil homossexual) ou defendendo discursos que são, sim, na prática, excludentes (ou elitistas, como diriam os esquerdistas). Já cheguei a ver gente criticar a Igreja porque ela quer restaurar seu antigo papel de zelar pelos pobres! Alguns chegam a dizer que isso é (pasme!) esquerdismo! Diante de um discurso tão tosco, tão mal preparado, tão descolado da realidade concreta, onde quer a direita chegar, principalmente quando compra para si os esteriótipos que a esquerda lhe joga?

Há certos políticos de esquerda que já temem a volta da direita, porque a esquerda está se mostrando sem uma solução viável, perdendo organização. É hora, então, de a direita afinar seu discurso: voltar junto ao povo (que possui um ideário bastante conservador), abandonar o discurso materialista (que não nos é típico, mas sim artificial), e pensar os problemas concretos que existem em nosso país. Voltemos, então, à realidade, diferentemente dos esquerdistas que ainda vivem seu sonho hollywoodiano.

Ater-se aos Princípios

Cícero

Todo povo, isto é, toda sociedade fundada com as condições por mim expostas; toda cidade, ou, o que é o mesmo, toda constituição particular de um povo, toda coisa pública – e por isso entendo toda coisa do povo – necessita, para ser duradoura, ser regida por uma autoridade inteligente que sempre se apoie sobre o princípio que presidiu à formação do Estado.

 Marco Túlio Cícero, em Da República

Democracia Ocidental

Certamente a democracia representativa, na maneira como se apresenta, é repleta de problemas. A cada dia que passa mais pessoas desiludem-se acerca da suposta perfeição desse sistema, que por muito tempo foi propagandeada. Há um descrédito quase que total no sistema, na representação exercida pelos políticos e na legitimidade dos mesmos. Se isso era um fenômeno que considerávamos exclusivo do Brasil, hoje o vemos ao redor do mundo inteiro. O que fazer então? Qual a solução? Devemos defender nossa democracia com todas as forças.

Há um certo pensamento se espalhando de que tudo se resolve na base da revolução, de se fazer tabula rasa da sociedade. De que nossa democracia tem problemas e por isso deve ser totalmente substituída por uma nova utopia. Não precisamos de outra: o próprio Estado Democrático de Direito se guia por uma, tentando conciliar a mais tradicional antítese de valores da modernidade, sendo eles a liberdade e a igualdade. Uma utopia já é mais do que o necessário.

Esse pensamento em muito se espalha pelos escândalos que vemos diariamente. Políticos usam de seus cargos apenas para seus próprios interesses e daqueles que estão em conluio com eles, a economia a esfarelar, serviços básicos não conseguem atender nem mesmo a poucos usuários que possam tentar usá-los (quem dirá toda a massa que deles necessita). É natural, diante disso, que haja descrença. Não há como culpar o cidadão pela frustração que sente perante a situação. Mas em certos momentos é necessário parar para refletir. O que há de bom? Quais as vantagens? Quais as alternativas?

Pode até ficar irritante, mas gosto de insistir na prudência. Esse é um valor quase que esquecido no ocidente, mas que está presente desde tempos imemoriais nas mais variadas culturas. A democracia representativa foi pensada para ser neutra, para ampliar a participação ao mesmo tempo que proporciona o tempo necessário para a pessoa se preocupar com suas necessidades materiais. Mais uma vez tenta o impossível, a utopia. É evidente que não existe neutralidade, bastando ver a promiscua relação entre o governo e alguns grandes empresários, que sugam a população. O segundo objetivo, então, é como dar uma procuração para alguém dizer o que quiser em seu nome, chamando isso de representação. Mas mesmo assim, essas duas utopias resultam em algo importantíssimo: mesmo que o arranjo se torne um sistema, mesmo que esse sistema não seja neutro, ele permite a existência do dissidente. É pouco, você pode pensar. Mas não.

O século XX foi, dentre outros vários rótulos, o século dos totalitarismos. Mas o fenômeno que declaro não ocorreu apenas nos Estados totalitários. Ocorreu de maneira generalizada em todos os países onde a Democracia foi relativizada. Os sistemas que se apresentaram como alternativa à democracia ocidental, via de regra, não aceitavam a mera existência não só da oposição, mas do ser que a exercia. Em outras palavras, o indivíduo insatisfeito, inconformado, não possuía o direito sequer de existir. E apenas nesse ponto, já vemos que nossa democracia é infinitamente superior ao que se apresentou, até hoje como alternativa.

Outro motivo, é que cada vez que rompemos com um paradigma iniciando a sociedade do zero descaracterizamos mais a civilização (apenas descaracterizamos pois mesmo quando se pretende reiniciar a civilização ela mantém muitos de seus traços), e vemos um ser cada vez mais sem referências morais e espirituais. O resultado é o ser cada vez mais materialista, que encara como solução à desmoralização iluminista da sociedade (justamente a ideologia que por pouco mais de dois séculos promoveu essa visão do homem) a mera distribuição de um pouco mais de pão. As bandeiras políticas se tornam patéticas: um grita que faz com seu pão o que quiser, e o outro que tem que dar pão igual pra todo mundo. E todos os problemas da humanidade passam a se resumir a isso, mesmo que diversos fatos atestem o contrário; atestem que, apesar de existirem problemas causados pelo material, existem problemas de outras ordens, de ordens superiores (o que é a indiferença senão um problema de ordem moral?).

Por isso é importante agir com calma e tranquilidade. A serenidade é importante nesse momento crítico, para que não venhamos a cair na lábia de um grande líder qualquer que venha a nos prometer o mundo. Não há como abraçar o mundo. Se temos à disposição um sistema com funcionamento razoável, precisamos apenas pensar como melhorá-lo dentro de nossas limitações. Como atrelá-lo às noções de justiça e como legitimar os nossos representantes desde a base. Não há como transformarmos a terra em um paraíso, mas podemos ao menos tentar torná-la tolerável, como diz Russel Kirk.