Tags

, ,

lenin

O espírito de Lenin agradece à toda redução de representatividade política. Quem sabe também a eliminação de partidos e formação de um único que se confunda com o próprio estado? Analogamente, liberais querem reduzir o estado via redução de parlamentares…

 

Certamente vocês já devem ter se deparado com a proposta de emenda constitucional que reduz o número de deputados dos atuais 513 para 385 e de 81 senadores para 54. Enfim, a proposta é adulada por liberais e socialistas contrários ao governo e estado vistos como “de direita”. Enfim, eu sou radicalmente contra e por uma razão bastante lógica: reduzir o número de parlamentares não tornará nosso estado menor ou menos intervencionista, pelo contrário, sem discutir o que realmente importa, seus custos de manutenção irá apenas concentrar mais poder, uma vez que teremos os mesmos gastos e total de atribuições em menos mãos.

 

Pensem em uma rede de postos de combustível… Onde vocês acham que se tem mais chance de cartelizar, combinando preços? Em uma pequena cidade, onde há menos postos ou em uma metrópole com milhões de habitantes a demandar pelo produto em milhares de unidades distribuidoras concorrendo entre si? Então, pela mesma lógica, se tivermos uma concorrência entre parlamentares para sua manutenção via novas eleições, o poder ainda que concentrado tende a se mover, há uma circulação de parlamentares, o que fica mais difícil com a consolidação e cristalização de oligarquias regionais bem definidas. Eu prefiro um maior número de parlamentares, especialmente com a entrada de novos elementos oriundos de legendas simpáticas como o PSL ou o Novo do que a força da tradição de Sarneys, Barbalhos, Gomes etc. Além do mais, se fosse por um menor número apenas, países como o Reino Unido deveriam ser mais intervencionistas que o Brasil, já que tem muito mais representantes que nós (vide Câmara dos Comuns…).

 

Se é lícito acharmos que o ser humano, como qualquer indivíduo animal é, essencialmente, egoísta temos que aprender a utilizar esta premissa a nosso favor pondo-os para concorrer e não acreditando apenas que irão, da noite para o dia, mudar toda a maneira de pensar e agir se pondo a nosso serviço só porque eu quero, só porque eu acredito e só porque eu torço por “outro mundo possível”. O mundo que temos é um e é nele que temos que fincar bases teóricas sólidas para agir. Sem sonho de virgem, esta proposta de emenda é o sonho de todo estuprador político que inventa uma historinha de amor para roubar tua ingenuidade e pureza. Depois esqueça, só se é virgem uma vez, então saiba escolher o sistema mais operacional para nossa representação no Planalto Central.