Tags

, , ,

paulo-freire-01

Hoje cedo comi uma omelete com dois ovos, 3 fatias de presunto, 2 de queijo, mais parmesão extra, 2 fatias de bacon e 2 de tomate (faltou meu adorado orégano…) regados com um capuccino. Mas se eu soubesse que leria este lixo publicado pela Exame teria ficado só no meu chima. Segue meu comentário:
 
Sabe qual o problema com a educação? Ela foi dominada por ‘educadores’. Onde estão os professores? Quando leio este tipo de artigo, com a mesma ladainha, só que renovada, de que “os alunos não tem interesse” fico pensando em qual pesquisa o autor se baseou para repetir este cliché surrado. Os alunos não demonstram interesse quando professores perdem a condução do processo, quando já não sabem mais dar boas aulas expositivas e quando demonstram não oferecer absolutamente nada ao perguntar o que eles querem estudar. E prova, cara pedagoga, não serve para estigmatizar ou traumatizar um aluno, mas para avaliar onde se deve melhorar a própria aula, na sala de aula, este espaço nunca comentado por vocês. Então, quando um governo tenta fazer algo e se expõe à críticas, o que vocês fazem? Atacam-no com palavras vazias, cheias de poesia que não levam a nada, não constróem nada e servem de eterna chorumela para que tudo continue absolutamente igual. Duvido que você tenha passado duas décadas e meia em todos os níveis de ensino, que sequer conheça a realidade de escolas privadas e públicas que não seja pelos corredores de cursos universitários que se cultua o inútil Paulo Freire. Sabe qual a diferença entre um professor de verdade e um ‘educador’? O primeiro encara turmas de 50, 100 ou 200 alunos e destrincha qualquer conteúdo fazendo alguns desses alunos querendo estudar mais em seu tempo livre, alguns, pois nem todos tem o mesmo interesse. Gostou desta simples verdade? Por isso a flexibilidade curricular é tão importante. Educador não é um indivíduo em sala de aula, mas todos que com seu exemplo ensinam algo, pais, mães, bombeiros, policiais, comerciantes etc. Infelizmente, alguns dão como exemplo a enrolação, o lero-lero e a completa ausência de propostas práticas.
 
—————————
 
Fas est et ab hoste doceri – Ovídio