O VELHO MARX

O que podemos dizer a respeito do velho Karl Marx? Um aprendiz de acadêmico? Um pseudocientista? Um imaginável jornalista? Talvez nada disso. O velho Marx era na realidade um persistente antissemita, um antiburguês, burguês. O velho Marx era com toda certeza um pensador diabólico, e certamente não poupou esforços para destruir a sociedade. A classe proletária para Marx deveria destruir todas as outras, e deveria por fim a história. Pela sua lógica deveria por fim a ele mesmo.

Marx ficou famoso por retratar o proletário e suas condições de trabalho, contudo, Marx nunca viu ou conversou com um proletário pessoalmente. Marx nunca pisou em uma fábrica, nunca esteve em um local de manufatura, nunca presenciou um trabalho industrial. Marx é uma fraude. Ademais, estar entre proletários não era uma ideia atraente para o velho Marx. Por ironia, Marx preferia a classe média, seria odiado pela Marilena Chauí.

Além de utilizar fontes desatualizadas, mutiladas, adulteradas e deturpadas de Engels, o velho Marx foi mesmo um brilhante falsificador. Alterou declarações de Gladstone e Adam Smith, sendo que a totalidade do capitulo 8 do Capital é uma falsificação do começo ao fim. O velho Marx é uma praga, uma epidemia no cérebro dos idiotas úteis.

Marx, além de falsificador era um homem extremamente violento, sua personalidade forte lhe proporcionou toda sua raiva contra o burguês, muito embora o próprio Marx também fosse um. Marx brigava com todos os seus amigos, além é claro, de dominá-los friamente. Marx se inclinava ao terrorismo e a violência, tese indiscutível em sua “obra”. Além de violento, Marx tinha uma inabilidade surpreendente para lidar com dinheiro, essa característica lhe atribuía aversão aos credores. Marx era um explorador, sua empregada nunca recebeu um centavo em salários. Além de não pagar sua empregada, Marx traiu sua esposa com sua serva dos afazeres domésticos, não contente, Marx nunca reconhecer seu filho com esta. Marx explorou sua família, e principalmente seu melhor amigo Engels. Marx praticamente nunca trabalhou, a não ser, esporadicamente como “jornalista”. Para finalizar, Marx era um racista, chamava seu genro, Paul Lafargue, de “Negrinho” e “Gorila”. Marx sempre tratou mal todos aqueles que se candidatavam a companheiros de suas filhas. Por fim, Marx é uma das grandes enfermidades da sociedade, ele é um demônio a ser exorcizado.

 

Bibliografia consultada

 

JOHNSON, P. Os intelectuais. Tradução de: André Luiz Barros da Silva, – Rio de Janeiro: Imago Ed, 1990.

REALE, G, e ANTISERI, D. História da filosofia, 5: do romantismo ao empiriocriticismo. São Paulo: Paulus, 2005.

Anúncios

Autor: Alessandro Barreta Garcia

37, anos. É mestre em educação, tendo como filósofo predileto o grande mestre Aristóteles. É autor dos livros: Educação grega e jogos olímpicos, Aristóteles nos manuais de história da educação e Educação física e regime militar: Uma guerra contra o marxismo cultural.

6 comentários em “O VELHO MARX”

  1. Impressionante como é uma dificuldade humana aceitar que o outro possa lhe ser, integralmente, o contrário. Quer dizer, por mais que não aceito a análise de Marx acerca do tema que for, meu papel é: primeiro, compreendê-lo, principalmente, considerando o contexto de sua elaboração. e segundo, com base na compreensão do seu texto, expor os argumentos que possam ser refutados e repensados, e não cair na mediocridade de criticar o autor pela sua personalidade e por uma dada concepção do que seja o normal, o certo e o ideal. É por isso que vários pensamentos são impraticáveis na vida social, pois, por mais que eles defendam a liberdade individual e humana, são medíocres em querer impor suas verdades, apelando para argumentos vis e de ordem pessoal, assim como os comunistas ao culpar o capitalismo e os burgueses pelo “problema” histórico do mundo, e você, por culpar uma experiência histórica mal sucedida por um dos expoentes teóricos do sistema proposto (o socialismo). Lamentável, textos assim só atingem aos já doutrinados.

    1. Falar que ele não é o mais preparado para falar sobre um assunto não é nada errado. Errado seria falar que ele estará totalmente errado apenas por isto. Um tratado sobre o proletariado de alguém que nunca estudou um proletário merece uma cautela maior. O mesmo podemos falar sobre qualquer forma de socialismo não-marxista, já que nenhum homem chegou perto de compreender uma sociedade e cada possibilidade de ações e consequências nela. As ciências sociais, mesmo sendo tão antigas quanto as ciências naturais, não alcançaram a maturidade de apreender e explicar o que observam nas sociedades existentes. Querer agora aplicar as ciências sociais assim como fazem os engenheiros com as ciências naturais é loucura. Os modelos atuais das ciências sociais não podem nem serem comparados com modelos que desprezem o atrito e o momento de inercia.
      Já o que foi exposto mostra como a teoria de Marx é no mínimo incoerente. Ele sendo um burguês não poderia, segundo a própria teoria, falar mais que a ideologia da própria classe para defendê-la. E seus seguidores nada podem falar de deturpação dos resultados de uma teoria onde tudo é falsificado. Se o mesmo fosse feito na matemática veríamos um monte de gente dizendo que esta foi deturpada porque 2+2 não está dando 5, conforma diz uma teoria qualquer.

  2. Boa síntese da personalidade do Marx.
    O cidadão que comentou mais acima não entendeu que o autor do texto apenas quis demonstrar quem, e como, era Karl Marx. É raro vermos artigos sobre o homem e não apenas o teórico.

    Já sobre as ideias do velho farsante não precisamos nem mais debater.
    A História provou fartamente sua ineficácia, sua inaplicabilidade, seus efeitos colaterais genocidas e seu desrespeito absoluto pela vida humana.

    Por isso é interessante vermos como era seu principal teórico.
    Um sistema tão nefasto só poderia ter como defensor maior um indivíduo como o acima descrito. As ideias muitas vezes tem tudo a ver com quem as defende.
    No caso Marx/Socialismo o casamento, macabro, foi perfeito

  3. Não adianta querer tapar o sol com mentiras. Acreditar ou dissimular um outro viés da História demonstra uma fissura de caráter e desonestidade intelectual. Os dois modelos de personalidade estão na moda nos guetos sulamericanos. Basta! Max foi um exemplar fétido, pilantra e suas ideias transformadas em miséria e degradação por onde andou.

  4. Pode ser que Marx realmente fosse assim, mas qualquer juízo de valor quanto a isso há que ter cuidado. O maior desafio de qualquer um que observe o passado é analisar com olhos da época. Muitos dos valores e obrigações civis de nossa sociedade atual não eram tão razoáveis há um século atrás. Não há como não pensar em racismo no século XIX na Europa, por exemplo. Sua crítica caberia a diversos outros filósofos ou até mesmo à sociedade daquela época – e não exclusivamente ao Marx.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.