Tags

, , ,

Por Alessandro Barreta Garcia


A esquerda raivosa parece não entender que a Lei de Anistia é um instrumento político para pacificar o país diante de conflitos insolúveis. Lembramos que a Lei de Anistia visou salvaguardar militares e terroristas.
Sob o ponto de vista histórico, os anos de 1960 foram bem turbulentos, de um lado o marxismo-leninismo de caráter violento e totalitário, e de outro a democracia americana. O Brasil estava no meio destas duas ideias, uma perversa e a outra humanitária.
Jango era a figura principal nesse cenário, e historicamente é possível relembrar passo a passo o empenho janguista a favor de uma reforma de base, reforma na lei e na marra, bem como uma nítida aproximação de Jango com o radical de esquerda, Leonel Brizola. O Brasil se encaminhava para um golpe de esquerda aos moldes de Cuba.

Paralelamente a este contexto, diversos grupos treinavam na China e em Cuba. Os enviados a China a mando do PC do B foram empregados na guerrilha do Araguaia. No nordeste existiam a Ligas Camponesas sob a direção de Francisco Julião e Brizola era responsável pelo Grupo dos 11.
Dentro das forças armadas é preciso lembrar a revolta dos sargentos em 63. Motim dos marinheiros em 64 e o jantar em apoio ao presidente oferecido pelos sargentos. Dessa forma, Jango se afastava dos militares, de uma classe conservadora e católica, era o prenúncio do caos.
Com o futuro incerto, a última coisa que poderia acontecer era um golpe comunista. Assim, uma intensa mobilização da sociedade civil se encaminhava inequivocamente contra esse golpe de esquerda. Vários jornais se expressavam a favor de uma intervenção militar. Toda essa agitação resumia-se na Marcha da Família com Deus pela Liberdade. E assim foi. Em 31 de março de 1964 o Exército Brasileiro assume o comando do Brasil. Em editorial, o jornal “O Globo de 2 de abril de 1964”, manifesta-se a favor da contrarrevolução. Segundo o jornal, “Vive a Nação dias gloriosos…”.
A partir da contrarrevolução, o Congresso institucionaliza o regime militar. Salta da 46ª potência para a 8ª potência econômica. Avança no planejamento estratégico, na construção de estradas, em um parque industrial, nas leis de trabalho, no mercado interno e serviços.
Segundo Vélez Rodriguez (2014)
No que tange à economia, o Brasil transformou-se num país industrializado. Consolidou-se a indústria petroleira e desenvolveu-se a petroquímica, bem como a siderurgia e a fabricação de maquinaria pesada. A engenharia deu um grande salto para a frente, com as obras públicas que pipocaram pelos quatro cantos do território nacional (VÉLEZ RODRIGUEZ 2014).
Sendo assim, o ciclo militar ou a contrarrevolução pode ser interpretado de forma clara, como um ciclo necessário para o impedimento de um golpe de esquerda violento e assassino (todos os exemplos revolucionários de esquerda provam esta tese). Foi importante para uma redemocratização a partir de 1978 e completando-se na Lei de Anistia de 1979. Lembramos que o processo de redemocratização brasileira foi conduzido por militares, quanto a nossa esquerda, ela jamais lutou por democracia.
Meus parabéns aos militares de 31 de março de 1964, parabéns pelos 50 anos de nossa contrarrevolução.

Fontes Consultadas:

Palestra do: Gen. Eduardo ROCHA PAIVA – Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=m_-045mGPoA#t=943
USTRA, C. A. B. A verdade sufocada: a história que a esquerda não quer que o Brasil conheça. 6ª edição. Brasília: Editora, 2007.

Referência
VÉLEZ RODRIGUEZ, R. 1964, meio século depois. http://pensadordelamancha.blogspot.com.br/2014/02/1964-meio-seculo-depois.html

Publicado em: http://www.averdadesufocada.com/index.php/contra-revoluo-de-1964-notcias-106/10435-280314-da-serie-anos-de-chumbo-ou-de-chumbinho