Tags

, , , , ,

As milicias nos EUA tiveram papel crucial na criação da nação, durante a Guerra de independência contra os britânicos, o filme O Patriota retrata esses acontecimentos. Devido a toda essa contribuição para a criação da nação os EUA consagram as milicias na segunda emenda junto a garantia do direito de manter e portar armas na Constituição Federal Americana:

Segunda emenda:

Uma bem treinada milícia sendo necessária à segurança de um estado livre, o direito do povo de manter e portar armas não deverá ser infringido.

[Note que no texto original o termo “regulated”, no século 18, significava “properly disciplined” (ver Oxford English Dictionary vol. 7, 1933, p. 416). O termo “disciplined”, em relação a armas, significava “training in the practice of arms” (ver Oxford English Dictionary vol. 3, 1933, p.416). Daí a tradução acima (ver também David Kopel, “The Samurai, the Mountie, and the Cowboy: Should America Adopt the Gun Controls of Other Democracies?”, Amherst, N.Y.: Prometheus Books, 1992, pp. 113).]

A well regulated militia, being necessary to the security of a free state, the right of the people to keep and bear arms, shall not be infringed.

O ‘Militia Act of 1903 organizou as várias milícias estaduais no atual sistema da Guarda Nacional. Com a aprovação, em 1916, do National Defense Act, cerca de metade das forças de combate disponíveis do Exército dos EUA e um terço de suas organizações de apoio, são compostas de unidades da Guarda Nacional. A Guarda Nacional Aérea, da Força Aérea, foi estabelecida em 1947.

Título 10 do Código dos Estados Unidos:

(a) A milícia dos Estados Unidos da América consiste de todos os homens a partir dos 17 anos e, exceptuando-se o previsto na seção 313 do título 32, abaixo dos 45 anos que sejam, ou que tenham assinado declaração de intenção de se tornar, cidadãos dos Estados Unidos e por mulheres cidadãs dos Estados Unidos que forem membros da Guarda Nacional.
(b) As classes da milícia são:
(1)as milícias organizadas, que integrem a Guarda Nacional e a Milícia Naval; e
(2)as milícias não-organizadas, que consistem nos membros milicianos que não integrem a Guarda Nacional ou a Milícia Naval.14

Muitos estados mantém também sua própria Força Estadual de Defesa. Estas forças são federalmente reconhecidas como milícias, mas não como um serviço de forças armadas. Por conta disto elas não integram a Guarda Nacional e não têm funções nacionais. Servem exclusivamente ao estado, especialmente quando a Guarda Nacional não possa intervir ou esteja indisponível.

A unidade do Exército da Guarda Nacional são treinadas e equipadas como parte do Exército dos EUA. O Exército também operava as unidades aéreas, até a aprovação do ato de defesa, em 1947 – que criou a Força Aérea, como também separou a Guarda Nacional Aérea, treinada e equipada por esta força. Os mesmos graus de hierarquia e insígnias são usados tanto pelas forças regulares como pela Guarda Nacional, existindo nestas, entretanto, algumas distinções estaduais, para servições prestados em cada estado.

Outros exemplos de reação armada por parte da população contra criminosos se deu no México, onde o exercito e a policia não não foram capazes de acabar com carteis do narcotráfico por vários anos, uma milicia armada resolveu o problema em um mês. Com isso o Governo Federal Mexicano esta legalizando as Milicias.

No Brasil a milicia no estado de São Paulo barrou os planos ditatoriais de Getúlio Vargas, como explica Bene Barbosa explica na entrevista dada a Guilherme Macalossi do programa Confronto, a partir 45 minutos (exatamente aos 53 minutos), o porque de Getúlio Vargas estabelecer uma lei que proíbe as policias estaduais e os cidadãos de terem armas com poder de fogo igual ou superior ao governo federal.

Se tivéssemos autonomia Estadual via Federalismo onde milicias estaduais fossem ativas, grupos terroristas como o MST não agiriam livremente com a certeza de impunidade e pior, com patrocínio do Governo Federal. Eles só agem livremente pois sabem que não serão confrontados, pois vagabundos delinquentes como Getúlio Vargas criou leis que os protegem há décadas. O MST apoia o desarmamento civil.

A esquerda odeia a Segunda Emenda da CF Americana e tudo o que ela representa, pois ela garante o direito do cidadão comum se defender, defender seu patrimonio e defender a nação contra toda sorte de criminosos e “candidatos” a tiranos, os queridinhos dessa gente.