Tags

, , , , , , , , ,

image

Conservadores defendem com unhas e dentes que o liberalismo é o precursor do socialismo e do anarquismo, e portanto é de esquerda. Socialistas afirmam que, por nunca ter se colocado contra a propriedade ou a desigualdade substancial, o liberalismo é de direita. A conclusão mais precipitada, óbvia e errada, é a de que o liberalismo é uma terceira corrente que não se encaixa em nenhum dos lados. A questão é um pouco mais complicada que isso.

Quando o liberalismo surgiu, mais ou menos no final do século XVII, ainda não havia a divisão ideológica do espectro político em esquerda e direita. Na época que precedeu as reformas liberais, a forma política dominante era o absolutismo que, como o próprio nome diz, não tolera qualquer tipo de partidarismo em seu seio, pois a soberania do Rei é absoluta. Foi só com a infusão de idéias liberais na política, como a do direito ao dissenso, que ocorreu a divisão do espectro político. O liberalismo, constituindo a principal força por trás da queda do absolutismo, viria a definir os rumos de toda a política moderna de modo que hoje tanto a esquerda quanto a direita guardam resquícios dele. Pelo mesmo modo que é errôneo afirmar que o liberalismo “é de esquerda”, não se pode dizer que o absolutismo “é de direita”.

O liberalismo pertence, portanto, a uma “área cinzenta” onde a divisão entre esquerda e direita ainda não era muito clara, pois estava em gestação. Conforme a evolução das ideias políticas, algumas vertentes foram em direção ao que se convencionou chamar de esquerda e outras em direção ao que se covencionou chamar de direita. É notável a diferença entre os liberais ingleses de corte mais conservador e os liberais franceses de corte mais radical. Mesmo na Revolução Francesa havia liberais de esquerda (jacobinos e cordeleiros) e direita (orleanistas e termidorianos) em confronto. Esta cisão já tem mais de 200 anos. O nosso problema portanto é saber quais liberais são de direita, e quais não são.

Os indicadores principais de um liberal de esquerda são o apreço pela igualdade substancial e de oportunidades para além da igualdade formal, o laicismo radical (consequências diretas: anticlericalismo e antirreligião), o racionalismo e o antitradicionalismo. Em suma, o liberal de esquerda acata as premissas de que a desigualdade material é injusta por si, de que a tradição e a religião são daninhas ao progresso e de que a razão deve ser a guia de todas as nossas ações pois é o único meio de obtermos conhecimento. Desta vertente, mais forte na França, nasceram outros tributários que vieram a ser agrupados na esquerda: o socialismo (utópico) e o anarquismo coletivista. Exemplos de pensadores oriundos desta raíz são Bakunin, Fourier e Saint Simon.

O liberal de direita, por outro lado, não vê a desigualdade material ou de oportunidades como algo injusto em si (pelo menos, não mais que a miséria em termos absolutos), não crê que o Estado pode ou deve expurgar toda a herança religiosa nem que as religiões sejam daninhas ao intelecto do povo, é cético quanto a reformas radicais e crê que a tradição não tolhe, mas é fruto da liberdade do povo. Desta vertente, mais forte na Inglaterra e nos Estados Unidos, nasceram o conservadorismo (whig) e o anarquismo individualista. Exemplos de pensadores oriundos desta raíz são Spencer, Burke e Bastiat.

É necessário notar que as versões mais extremistas de ideologias acabam se aproximando em termos práticos, mesmo que partam de princípios opostos no espectro político. Duas ideologias totalitárias ou anarquistas, de esquerda e de direita, serão mais parecidas que duas ideologias moderadas de esquerda e direita. É fácil haver uma confusão na classificação do pensamento, por exemplo, de Max Stirner (um anarco-individualista) ou de Werner Sombart (um nacional-socialista), enquanto classificar o pensamento de Edmund Burke (conservador inglês) ou Eduard Bernstein (social-democrata) pode ser feito sem maiores dificuldades.

Sabemos, portanto, que há liberalismo em ambos os lados do espectro e cabe a nós escolher qual senda queremos seguir, se a utópica ou a cética.


Gostou deste artigo? Receba nossas atualizações por e-mail assinando o nosso boletim:
Boletim Direitas Já!