O liberalismo é de direita?

image

Conservadores defendem com unhas e dentes que o liberalismo é o precursor do socialismo e do anarquismo, e portanto é de esquerda. Socialistas afirmam que, por nunca ter se colocado contra a propriedade ou a desigualdade substancial, o liberalismo é de direita. A conclusão mais precipitada, óbvia e errada, é a de que o liberalismo é uma terceira corrente que não se encaixa em nenhum dos lados. A questão é um pouco mais complicada que isso.

Quando o liberalismo surgiu, mais ou menos no final do século XVII, ainda não havia a divisão ideológica do espectro político em esquerda e direita. Na época que precedeu as reformas liberais, a forma política dominante era o absolutismo que, como o próprio nome diz, não tolera qualquer tipo de partidarismo em seu seio, pois a soberania do Rei é absoluta. Foi só com a infusão de idéias liberais na política, como a do direito ao dissenso, que ocorreu a divisão do espectro político. O liberalismo, constituindo a principal força por trás da queda do absolutismo, viria a definir os rumos de toda a política moderna de modo que hoje tanto a esquerda quanto a direita guardam resquícios dele. Pelo mesmo modo que é errôneo afirmar que o liberalismo “é de esquerda”, não se pode dizer que o absolutismo “é de direita”.

O liberalismo pertence, portanto, a uma “área cinzenta” onde a divisão entre esquerda e direita ainda não era muito clara, pois estava em gestação. Conforme a evolução das ideias políticas, algumas vertentes foram em direção ao que se convencionou chamar de esquerda e outras em direção ao que se covencionou chamar de direita. É notável a diferença entre os liberais ingleses de corte mais conservador e os liberais franceses de corte mais radical. Mesmo na Revolução Francesa havia liberais de esquerda (jacobinos e cordeleiros) e direita (orleanistas e termidorianos) em confronto. Esta cisão já tem mais de 200 anos. O nosso problema portanto é saber quais liberais são de direita, e quais não são.

Os indicadores principais de um liberal de esquerda são o apreço pela igualdade substancial e de oportunidades para além da igualdade formal, o laicismo radical (consequências diretas: anticlericalismo e antirreligião), o racionalismo e o antitradicionalismo. Em suma, o liberal de esquerda acata as premissas de que a desigualdade material é injusta por si, de que a tradição e a religião são daninhas ao progresso e de que a razão deve ser a guia de todas as nossas ações pois é o único meio de obtermos conhecimento. Desta vertente, mais forte na França, nasceram outros tributários que vieram a ser agrupados na esquerda: o socialismo (utópico) e o anarquismo coletivista. Exemplos de pensadores oriundos desta raíz são Bakunin, Fourier e Saint Simon.

O liberal de direita, por outro lado, não vê a desigualdade material ou de oportunidades como algo injusto em si (pelo menos, não mais que a miséria em termos absolutos), não crê que o Estado pode ou deve expurgar toda a herança religiosa nem que as religiões sejam daninhas ao intelecto do povo, é cético quanto a reformas radicais e crê que a tradição não tolhe, mas é fruto da liberdade do povo. Desta vertente, mais forte na Inglaterra e nos Estados Unidos, nasceram o conservadorismo (whig) e o anarquismo individualista. Exemplos de pensadores oriundos desta raíz são Spencer, Burke e Bastiat.

É necessário notar que as versões mais extremistas de ideologias acabam se aproximando em termos práticos, mesmo que partam de princípios opostos no espectro político. Duas ideologias totalitárias ou anarquistas, de esquerda e de direita, serão mais parecidas que duas ideologias moderadas de esquerda e direita. É fácil haver uma confusão na classificação do pensamento, por exemplo, de Max Stirner (um anarco-individualista) ou de Werner Sombart (um nacional-socialista), enquanto classificar o pensamento de Edmund Burke (conservador inglês) ou Eduard Bernstein (social-democrata) pode ser feito sem maiores dificuldades.

Sabemos, portanto, que há liberalismo em ambos os lados do espectro e cabe a nós escolher qual senda queremos seguir, se a utópica ou a cética.


Gostou do conteúdo? Deixe uma gorjeta:
Donate with PayPal

Anúncios

Autor: Renan Felipe dos Santos

Indie Game Localizer.

20 comentários em “O liberalismo é de direita?”

  1. Ser liberal em alguns aspectos não torna ninguém de esquerda né? Pois não quero que um governo socialista ou comunista seja implantado pois sou contra suas idéias

    1. Depende dos aspectos. Por exemplo, se você é liberal no campo social e das liberdades individuais mas não no campo das liberdades econômicas e do direito de propriedade, você é provavelmente de esquerda. Se você é liberal no campo das liberdades econômicas e do direito de propriedade, mas não no campo social e das liberdades individuais, você provavelmente é conservadora. Você é liberal de direita ou se você admite as liberdades tanto sociais como econômicas.

      1. Mas se sou liberal no campo das liberdades econômicas e do direito de propriedade, e também no campo social e das liberdades individuais? O que sou ?

    1. Este é o Diagrama de Nolan, que nada mais é que o diagrama político tradicional girado para a esquerda. O que antes estava do lado direito de um quadrado passa a fazer parte da ponta superior de retângulo.

      Tudo que está no quadrante superior e direito do Diagrama de Nolan é aquilo que tradicionalmente se considera direita. Os libertários podem se recusar a ser agrupados com a Direita o quanto quiserem, mas as raízes históricas do seu pensamento tem uma origem comum à do liberalismo clássico e do conservadorismo-liberal.

  2. Olá…Eu me considero liberal de direita, ou centro direita, veja se o que me considero é o certo: Eu sou totalmente a favor de liberdades econômicas, sou a favor da liberação da maconha, sou a favor do casamento entre homossexuais, sou contra o desarmamento, sou contra o aborto como método contraceptivo, sou a favor de um estado laico…eu mesclo algumas ideias sociais…mas me considero pendendo mais pra direita…centro-direita pra ser mais preciso…

  3. Oi boa noite!
    gostaria de saber se me encaixo no liberal de direita, pode me ajudar?
    sou a favor das liberdades econômicas plenas, a favor da liberdade social, e não me importo com casamento gays, quem quer casar que case (eu, ainda prefiro mulheres, heh), sou contra o desarmamento, . me encaixo em liberal de direita?

    1. As questões fundamentais são:
      1. Você acredita que devemos combater a desigualdade econômica, ou que a prioridade deve ser eliminar a miséria mesmo que isso signifique manter a desigualdade?

      2. Você acredita que a religião e as tradições são nocivas para o indíviduo e a sociedade? Se sim, o que acha que deve ser feito a respeito delas?

      1. 1. Um estilo de vida favorável pode ser estabelecido mesmo com a desigualdade presente – que nunca será erradicada totalmente. Portanto, sim,a prioridade deve ser a eliminação da miséria e a produção de riquezas.

        2. Não. A cultura é imprescindível para qualquer sujeito, pois através dela os princípios étnicos são definidos de imediato, levando ao conhecimento ético e moral que rege sobre tal indivíduo, proporcionando-o a arte de conviver bem entre os próximos.

  4. Palhaçada! O fato de eu concordar em parte com a teoria liberal na esfera econômica não me torna um “liberal”. Isso só significa pequenas concordâncias, assim como as concordâncias com a direita e a esquerda. O liberalismo é sistemático nos eixos econômico,social e político.Qualquer separação a isso será mero desconhecimento e ignorância. O único LIBERALISMO DE DIREITA que você pode considerar é aquele relacionado ao Diagrama de Nolan, que te posiciona no espectro da liberdade econômica( que está à direita nesse diagrama ). Fora isso, não existe “liberalismo de direita” ou “liberalismo de esquerda”.

    1. Você leu o artigo? Não afirmamos em momento algum que a diferença entre o liberal de esquerda e o de direita se resume a economia.

      No diagrama de Nolan, o liberal de direita está entre as extremidades superior e direita do diamante, enquanto o de esquerda está no lado oposto. O que caracteriza liberal ou não neste diagrama é a sua proximidade com o topo do diamante e portanto há sim, liberalismo em ambos os lados como há autoritarismo de ambos os lados.

  5. Muito boa abordagem, depois de ter lido https://pt.wikipedia.org/wiki/Liberalismo.
    Ficam por definir alguns opções na parte económica (um liberal será contra a globalização ? será a favor do protecionismo ?); e na parte social (um liberal será a favor de um estado grande e controlador ? ou de um estado mínimo e fiscalizador ? estará preocupado com o indicador de Gini e do leque salarial? ).
    E se for contra a adoção de crianças por gays e barrigas de aluguer, deixará de ser liberal ?

    1. Depende de como é feita a globalização. Se ela implica uma espécie de governo mundial regulando o comércio internacional, um liberal deve se opor à ela porque está implicando uma concentração de poder na mão de um super-Estado. Em geral um liberal também deve ser contra medidas protecionistas, porque elas também demandam um Estado interventor e prejudicam a liberdade de concorrência.

      Na parte social, um liberal deve se opor a um Estado intrusivo na vida privada. O Estado deve ser mínimo e o menos controlador possível. O Gini e as condições dos trabalhadores são preocupações legítimas, e o Estado deve buscar incentivar soluções não-estatais e descentralizadas para o problema (ex.: acordos coletivos com sindicatos, cooperativas, etc.).

      A adoção de crianças e o aluguel de barrigas estão dentro dos limites éticos segundo a mundivisão liberal e portanto não devem ser coibidos. A oposição a isso é mais parte de uma pauta conservadora que liberal.

      Espero ter respondido às suas dúvidas.

  6. Olá, cheguei nesse texto e me surgiu uma dúvida. Não ser liberal, significa não ser de direita? Ou melhor, para ser de direita, o liberalismo é um dos requisitos? Sou estudante do ensino médio e meu professor de história falava sobre a questão do Nazismo de esquerda e tal… E ele chegou à conclusão de que a ideologia nazista não se encaixaria em nenhum dos quadros, seria uma “terceira via”. Mostrou que, ao ponto que a ideologia nazista era contra qualquer tipo de ideologia de esquerda (marxismo, socialismo, comunismo…) não poderia ser de esquerda. E disse que também não seria de direita, já que não era liberal (economicamente) e o estado tinha um grande poder. O que você acha dessa conclusão? Concorda, discorda? Por quê?

    1. O problema desta análise é que se restringe ao econômico, e nenhuma doutrina política pode ser analisada só pela sua economia. O nacional-socialismo tem elementos do nacionalismo e do socialismo. A esquerda marxista, que é internacionalista pelo seu credo, julga que nacionalismo e esquerda são opostos, mas isso não é verdade. Existe esquerda nacionalista, e o nacional-socialismo é um exemplo. A esquerda mainstream só o rejeita porque os seus crimes são universalmente reconhecidos e condenados, ao contrário dos do comunismo soviético.

  7. Olá, cheguei nesse texto e me surgiu uma dúvida. Não ser liberal, significa não ser de direita? Ou melhor, para ser de direita, o liberalismo é um dos requisitos? Sou estudante do ensino médio e meu professor de história falava sobre a questão do Nazismo de esquerda e tal… E ele chegou à conclusão de que a ideologia nazista não se encaixaria em nenhum dos quadros, seria uma “terceira via”. Mostrou que, ao ponto que a ideologia nazista era contra qualquer tipo de ideologia de esquerda (marxismo, socialismo, comunismo…) não poderia ser de esquerda. E disse que também não seria de direita, já que não era liberal (economicamente) e o estado tinha um grande poder. O que você acha dessa conclusão? Concorda, discorda? Por quê?

    1. Olá, Pedro! A direita é bastante variada e você pode encontrar nela desde libertários até tradicionalistas, passando por liberais e conservadores. Portanto, ser liberal não é um pré-requisito para ser de direita, até porque existem liberais de esquerda, também.

      Seu professor incorreu em dois erros na análise do nazismo. O primeiro é que ele restringiu a esquerda à esquerda marxista, que é uma esquerda internacionalista. O nazismo, ou nacional-socialismo que é o seu nome próprio, é uma vertente nacionalista do socialismo e portanto, obviamente, será contra o internacionalismo seja ele liberal ou marxista. O socialismo marxista não é a única vertente que existe. Você poderá encontrar mais textos sobre as origens do nacional-socialismo e do fascismo no nosso blog, onde você aprenderá que ele surgiu na extrema-esquerda revisionista (não-marxista) e foi adotando elementos do centro e da direita por conveniência política e não por convicção ideológica.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.