Tags

, , ,

Dilma desapropria imóveis rurais em 6 estados para reforma agrária

Estamos passando por tempos nebulosos para o estado de direito e consequentemente a vida em sociedade organizada que conhecemos.

Hordas de anarquistas tentam implantar o caos e o terror através dos ditos “movimentos sociais”, os quais são inimputáveis perante a lei quanto aos atos de terror e vandalismo que promovem (Índios, Sem terra, Sem teto, “Estudantes”, etc).

1385543_228869923943965_1147900505_n

A bandeira da reforma agrária é constantemente evocada por esses grupos assim como demonizar o lucro e o capitalismo, sem que os hipócritas abdiquem do dinheiro e das benesses capitalistas.

Em nenhum país desenvolvido e civilizado, reforma agrária foi feita com propriedade privada, somente em ditaduras e proto ditaduras isso ocorre.

A verdadeira Reforma agrária sempre foi feita repassando terras publicas para indivíduos (iniciativa privada), consequentemente limitada pela quantidade de terras publicas disponíveis na nação, vide os EUA que fizeram sua reforma agrária no século XVIII, repassando terras publicas para colonos interessados, nunca terras particulares expropriadas.

Mesmo mediante a “indenização” desapropriação é algo absurdo de qualquer ponto de vista, se uma propriedade foi constituída legalmente (não oriunda de recursos do narco trafico, sequestros, assassinatos dentre outros crimes tipificados) não tem cabimento violar o direito a propriedade. O suposto argumento de produtividade e índice de utilização da terra não é valido, pois viola os direitos individuais. Obrigar alguém a produzir mediante a pena de perder seu patrimonio? Que tal estender isso as propriedades urbanas, fazer valer para todos os cidadãos? Se é bom deveria se aplicar a todos.

Uma industria que não atinge a meta mensal de produção seria desapropriada e passada a ser controlada pelo estado, socializada. A Venezuela é o melhor exemplo desse sistema atualmente, falta tudo, de alimentos básicos ate papel higiênico. Por que isso ai vale para os produtores rurais? Como um descalabro ainda é vigente em pleno século 21?

Indenização?

O dinheiro usado para pagar pela propriedade privada é oriundo dos impostos, pagos pelo contribuinte, consequentemente também pelo proprietário que esta recebendo a dita “indenização”, normalmente bem abaixo do valor de mercado da propriedade, a não ser que seja um dos “amigos do regime”.

A vitima tem a “indenização” paga com recursos que ela mesma repassou a estado compulsoriamente.

Sendo que os expropriados e outros contribuintes ainda terão que sustentar os assentamentos improdutivos, verdadeiras favelas rurais, nas terras outrora produtivas que geravam divisas e recursos ao estado, também através de impostos.

O produtor é triplamente prejudicado: 1) perde sua terra e os anos de trabalho ali investidos recebendo um valor muito abaixo do valor de mercado,  2) o dinheiro que ele supostamente recebe é oriundo de seus próprios recursos pago ao governo na forma de impostos e também de outros cidadãos que também estão sendo lesados com isso, 3) Mais impostos serão necessários para sustentar esses assentamentos, altamente dependentes de programas populistas/assistencialistas estatais e quem irá pagar esses impostos? O setor produtivo que é vitima da “reforma agrária”.

Cria-se um circulo vicioso, onde o contribuinte é cada vez mais penalizado, pois áreas produtivas são convertidas em áreas assentamentos improdutivos, QUE ESTÃO ACIMA DA LEI VISTO QUE ÍNDICES DE PRODUTIVIDADE E GRAU DE UTILIZAÇÃO DA TERRA NÃO SE APLICAM A ELES, sendo que mais impostos se concentrarão no “bolso” dos mesmos contribuintes ou de menos deles, pois perde-se áreas geradoras de impostos, os mesmos que servem para pagar as “indenizações” e posteriormente sustentar os assentados, cada vez em maior numero, mais dependentes do estado babá. Ate o mesmo o PTralha capa preta Gilberto Carvalho reconhece que assentamentos se tornaram favelas rurais.

É impossível levar o pobre à prosperidade através de legislações que punem os ricos pela prosperidade.
Por cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber.
O governo não pode dar para alguém aquilo que não tira de outro alguém.
Quando metade da população entende a idéia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação.
É impossível multiplicar riqueza dividindo-a.

Adrian Rogers

O Estado Brasileiro possui 150 milhões de hectares somente em terras devolutas, os números totais estão aqui, porque usar terras privadas para a dita “reforma agrária”? Claro que é para espalhar o socialismo, criar dependentes, eleitores de cabresto e disseminar a luta de classe, mesmo porque a grande maioria dos integrantes desses movimentos sociais não sabe diferenciar entre um focinho de porco e uma tomada, não tem relação nem aptidão nenhuma com o meio rural.

Se estivessem interessados mesmo em reforma agrária estariam fazendo isso com essa enorme quantidade de terras estatais improdutivas e inúteis.