Tags

, , , , , , , , , , , , , , ,

Em um artigo em março deste ano, identifiquei mentalidades coletivistas de acordo com a relação que elas estabelecem entre os coletivos abstratos que idealizam. Os tipos identificados foram os supremacistas, os igualitaristas e os vitimistas.

black-sheep

O artigo de hoje aborda a mentalidade coletivista desde uma outra perspectiva: o tipo de coletivo abstrato que ele idealiza. Coletivos abstratos só podem ser idealizados a partir de características individuais partilhadas entre várias pessoas, real ou imaginariamente. A raça, por exemplo, foi um coletivo abstrato idealizado com forte presença no imaginário popular, em sua literatura e política. Este coletivo não raro é idealizado em torno de meras características físicas consideradas peculiares e distintivas, como a cor da pele.

Porém, nenhum coletivo abstrato idealizado pode ser aplicado no mundo real: no mundo real existem pessoas reais e elas não se encaixam em nenhum padrão ideal porque, bem, é por isso que o chamamos “ideal”. Entre os negros, por exemplo, existe uma infinidade de combinações de tons de pele ou traços físicos como o formato e largura do nariz ou do rosto, ou culturais como a língua. Se eles não se miscigenassem já seria impossível colocá-los todos num mesmo grupo: um pigmeu, um igbo, um hauçá e um iorubá certamente não tem entre si a sensação de identidade e comunidade que tem, por exemplo, um negro brasileiro com os outros negros brasileiros. Se há miscigenação e grupos mestiços emergem, então, a situação fica incontornável. Mesmo coletivos aparentemente mais heterogêneos e simples como o do gênero podem levantar problemas bem cabeludos: um transgênero, a que gênero pertence? Ao que equivale o seu comportamento ou ao que equivale o seu corpo? Não pode uma lésbica aderir ao código de conduta e comportamento masculino e pertencer ao gênero masculino ainda que seu sexo permaneça inalterado? Poderíamos discutir aqui muitos casos, mas você já entendeu o meu ponto.

Vamos ao que interessa. Em matéria da natureza dos coletivos abstratos idealizados, que tipos podemos encontrar nas mentalidades coletivistas?

Racialismo – O racialismo fundamenta-se sobre coletivos abstratos que idealizam a raça ou etnia, os traços físicos e genéticos como cor da pele, pureza genética e Urheimat (terra primitiva: a África para os negros, a Europa para os brancos, etc.)
Exemplos: supremacismo branco, separatismo negro, pan-germanismo, etc.

Sexualismo – Fundamenta-se sobre coletivos abstratos que idealizam o sexo ou gênero: valores, atributos, comportamentos e traços físicos identificáveis com um determinado modelo de gênero. Exemplos: femismo, machismo, etc.

Classismo – Fundamenta-se sobre coletivos abstratos que idealizam classes ou estratos econômicos ou sociais. Exemplos típicos: a associação entre nobreza enquanto classe sócio-econômica e nobreza de espírito, a associação imediata e errônea entre pobreza e humildade. Doutrinas como o positivismo comteano e o socialismo marxista são exemplos clássicos.

Sectarismo – Fundamenta-se sobre coletivos abstratos que idealizam uma seita, religião ou grupo político-ideológico. Exemplos típicos: supremacismo cristão, supremacismo islâmico, antirreligião (supremacismo ateu).

Não é raro nos depararmos com mentalidades coletivistas. Muitas pessoas pensam que se pode corrigir erros do passado apenas revertendo papéis num jogo maniqueísta de opressor-oprimido, passando do supremacismo branco para o supremacismo mestiço ou negro, do machismo para o femismo, do fanatismo cristão para a antirreligião, da adulação da nobreza para a romantização da pobreza e assim por diante. É necessário estar sempre atento para não cometer o mesmo erro duas vezes, especialmente se ele vem com uma desculpa nova.


Leia também: