Tags

Reprodução do artigo de Rodrigo Constantino na Veja em 05/09/2013:

Alberto Oliva: quando a ideologia mata a filosofia

Meu amigo Alberto Oliva é um dos grandes filósofos liberais brasileiros, além de muito divertido. Professor da UFRJ (infelizmente com pensamento minoritário lá dentro), Oliva concedeu uma longa entrevista à revista Filosofia, sobre diversos assuntos, entre eles filosofia e política. Seguem dois trechos que merecem destaque:

A filosofia é plural por natureza. Por isso se pode aprender a argumentar filosoficamente com diferentes correntes de pensamento. O intercâmbio crítico entre as diversas vertentes da filosofia têm ficado aquém do desejável. O enclausuramento faz com que cada filosofia se transforme em uma espécie de mônada ideacional incapaz de entrar em interação crítica com as demais. No Brasil, em particular, não se debate a natureza das divergências entre as correntes de opinião e pensamento. Há um vazio intelectual resultante por quase tudo ser recitado, quase nada problematizado. Fora dos círculos de especialistas, as posições ideológicas vêm triunfando sobre as discussões filosóficas. Qualquer coisa que se proponha em nome de uma causa (supostamente) valorosa é vista como sacrossanta a ponto de só reacionários ousarem colocá-la em discussão. O questionador é calado como retrógrado ou conservador. Confunde-se posicionamento ideológico com exercício do pensamento crítico. Quando a ideologia escancarada prevalece, tem-se a morte do pensamento.

[…]

O que aconteceu é que diante do velho e arraigado patrimonialismo tupiniquim, o PT, por esposar uma visão estatista, quis fazer uma revolução “por dentro”, isto é, alavancada pelo próprio patrimonialismo. A consequência, ainda que não pretendida, é a de levar o patrimonialismo às últimas consequências. Com o agravante de que, por sua matriz de pensamento, o PT tende a confundir (seu) governo com Estado. A meu juízo, o debate sobre isso é urgente. Só que ninguém deseja fazê-lo. Os intelectuais brasileiros são tão ideologizados que acham que, dependendo de quem está no governo, precisam optar pelo silêncio obsequioso. Dada a força do PT, discutir seu projeto de poder é de extrema importância para o futuro de nossa sociedade. Infelizmente, no Brasil quase tudo fica artificialmente polarizado. Em parte, porque o nível intelectual é baixo. Além do mais, nossa longa tradição autoritária sempre, disfarçadamente, dá um jeito de penetrar no mundo das ideias. Os grupos intelectuais hegemônicos procuram desqualificar a alteridade, a visão contrária. Dá menos trabalho, além de servir para arregimentar grupos ideologizáveis, rotular o outro, satanizá-lo. Sem falar que é uma forma sutil de desprestigiar a liberdade.

O Brasil precisa de mais pensadores, filósofos e professores como Alberto Oliva! Se tivéssemos um Oliva para cada Marilena Chauí, o país seria outro!