Tags

, , , , , ,

Em meio ao caos implantado nas zonas rurais do Brasil por terroristas indígenas, sem terra e suas lideranças (CUT, Funai, CNBB, Cimi, Pastoral da Terra, Incra, Fundação Ford, ONU, PT, etc), no desespero de achar uma saída pacifica por parte de alguns inocentes e o objetivo delinquente dos terroristas, surgiu o debate em indenizar os proprietários legais das áreas invalidades e destruídas pelos invasores.

Já comentei anteriormente, que isso é um absurdo do ponto de vista lógico e moral.

É uma ideia extremamente perigosa a de pagar pelas fazendas invadidas e entregá-las aos invasores. Estaríamos mostrando o caminho para que conseguissem, por meios violentos, alcançar um objetivo escuso. Dessa forma a violência aumentaria cada vez mais e, cada vez mais, aumentariam as invasões, depredações, violência e destruição de nossas propriedades. Essa medida, se tomada, sinalizaria: Entrem, invadam, destruam, porque depois pagamos a fazenda pra vocês, invasores! Isso não se admite e sequer deveria ser cogitado, premiar o crime com recursos públicos.

Como demonstra essa matéria do Blog Coturno Noturno, o valor das propriedades invadidas e requeridas pelos invasores esta em torno de 1,2 bilhões de reais, o titulo da matéria é perfeito: Mato Grosso do Sul: R$ 1 bilhão para transformar terras produtivas em favelas indígenas. O contribuinte vai pagar essa conta para premiar criminosos e terroristas com terras produtivas que posteriormente se tornarão terra de ninguém, estado paralelo criminoso como as favelas no Rio de Janeiro. E não é só, vamos continuar a enviar os impostos arrecadados para sustentar essas favelas com os programas assistencialistas/populistas, as enormes verbas para as entidades estatais e Ong’s que representam essa corja, todos esses recursos que vemos diariamente serem aplicados na corrupção e no desrespeito a constituição. E ainda temos outro custo indireto, os impostos terão que subir mais ainda, pois a arrecadação estatal cairá em função da redução da área produtiva que será passada para improdutividade, o ócio, a malandragem e o crime, coisas que demandam mais gastos públicos e a necessidade de mais receita derivada de tributos. Esse aumento de receita recairá sobre o restante do setor produtivo, elevando ainda mais a carga tributaria desses, os impostos irão ter um peso muito maior para cada indivíduo a medida que esse mal se alastra, ate que não reste mais ninguém disposto a trabalhar e gerar riquezas. Isso é um grave ciclo vicioso, quanto mais pagamos, mais destruímos a nação, cada vez estamos mais próximos do abismo que leva ao inferno.

Estou tentando ser bem didático, cada vez menos pessoas para pagar mais gastos públicos a medida que o governo destrói a propriedade privada e a segurança jurídica.

Compreendo o desespero das vitimas do terrorismo, que estão vendo o trabalho de uma vida sucumbir diante do terrorismo patrocinado pelo próprio estado que deveria proteger o cidadão honesto. Em teoria a indenização seria uma solução, mas não é, pois nesse caso só esta incentivando mais crimes e mesmo esses que receberem a indenização em breve estará sendo vitimas novamente. É como pagar mensalidade a criminosos para não ser assaltado, isso é extorsão e só vai nos levar ao caos total no longo prazo. Não podemos olhar essa situação de forma imediatista e simplista.

A propriedade privada tem que ser restabelecida e preservada, os culpados pelos crimes devem ser punidos e pagarem com recursos privados pela destruição e caos que promoveram. Cobrar essa conta do contribuinte honesto não é a saída, pelo contrario, é promover o terror e a destruição do direito de propriedade, a destruição da constituição democrática. Vamos matar todos nossos direitos e acabar com o país se continuarmos a buscar respostas simplistas e pontuais a problemas graves.

Espero que nossos representantes de classe e políticos reflitam sobre isso, que olhem a longo prazo e meçam as consequências de tomar decisões ilógicas e imorais, as respostas fáceis e rápidas são as respostas erradas.