Tags

, , , , , , , , , , , ,

O governo húngaro está transferindo escolas públicas para instituições religiosas, reportou a revista francês L’Express.

Esta política enfureceu líderes socialistas dentro e fora da Húngria e mesmo em países europeus onde a educação pública tem obtido resultados calamitosos. As reclamações enfurecidas focam no fato de que a moral tradicional está sendo restaurada com a ajuda política do governo húngaro.

As escolas voltaram a ter seções de canto de hinos religiosos e a iniciar as aulas com uma oração. E os pais dos alunos devem escolher o catequismo a ser ensinado a seus filhos.

As escolas mantém seus subsídios escolares independente do número de alunos. Na pequena cidade de Alsoörs, que o L’Express apresenta como um caso típico, de um total de noventa e seis famílias somente duas votaram contra a transferência da escola para a Igreja, enfatizando o forte apoio popular a esta medida.

Curisomanete, um padre católico, talvez impulsionado por uma mentalidade ecumênica ou de diálogo com o mundo secularizado, após consultar-se com o bispo recusou-se a adotar uma escola.

O ministro luterano local, Miklos Rasky, imediatamente concordou e, muito satisfeito, disse: “O atual governo está abraçando os calores cristãos. Isto nos permite reconectar-nos a nosso papel tradicional no campo da educação.”

Os perplexos professores, majoritariamente católicos, foram informados de que serão substituídos por protestantes.

Oitenta escolas já foram transferidas pelas prefeituras, que também ficaram satisfeitas com o fato de não mais ter de pagar estas despesas que são insustentáveis na atual crise.

Sindicatos e partidos políticos de esquerda também estão furiosos com as aulas de catequese agora ministradas nas escolas que ainda estão nas mãos do Estado.

A Ministra da Educação Rozsa Hoffman lamenta a falta de valores morais: “Queremos restaurá-los, seja a proteção da vida humana, o respeito ao trabalho e à lei, a honestidade e o amor à pátria. A escola não é só o lugar para obter conhecimento: também deve transmitir valores”, explicou.

A lei educacional se encaixa no contexto da nova Constituição que exalta os valores cristãos e reabilita a “Santa Coroa” dos Reis Católicos, a encarnação húngara do poder soberano.


Tradução por Renan Felipe dos Santos. Fonte do artigo (em inglês):

Artigo original do L’Express (em francês):