Tags

, , , , , , , , , , , , , ,

Tema frequente aqui no blog é a análise de disposições, mentalidades e ideologias políticas. Já dissertei aqui sobre os tipos de mentalidade política no que diz respeito à relação do projeto político com o tempo (passado/futuro) e o método de implementação (etapista/radical).

Também comentei aqui que, mesmo entre os esquerdistas, há sempre alguns reacionários. Gente que acha que é progressista, mas é mais retrógrada que aqueles profetas de rua. Expliquei que o que determina isso é a presença de elementos antiliberais e antimodernistas comuns nas ideologias de esquerda. Hoje explicarei mais detalhadamente a diferença entre os reacionários/passadistas (“românticos”) e os revolucionários/futuristas (“progressistas”) . Não abordarei aqui a visão de mundo conservadora, que deixarei para um próximo artigo.

I. O romântico
O reacionário (neste caso, o romântico), é alguém que idealiza o passado. Você encontrará este tipo de pessoa entre aquelas que pensam que décadas ou séculos atrás todo mundo tinha moral, bons costumes, era solidário, pensava na família, tinha o  suficiente para sustentar-se, etc. A visão de mundo funciona mais ou menos neste esquema:

Inocência
A Era de Ouro, um tempo remoto e obscuro perdido em algum lugar do passado, é a sociedade idealizada na cabeça do reacionário. A esta sociedade ele credita uma série de incontáveis qualidades como a pureza, a inocência, a moralidade, a solidariedade, o altruísmo, etc. Some-se a isso condições econômicas bucólicas e prósperas. Mas então veio a…

Decadência
A Era Moderna, quando todos os valores da Era de Ouro foram totalmente destruídos ou corrompidos pela malícia, pela perversidade, pela imoralidade, a ganância, o egoísmo, etc. Corresponde a atual situação econômica: processos de urbanização, privatização, formalização, aumento de imigração, sistema financeiro mais complexo, etc. O atual estado de corrupção, decadência e impureza chegará ao seu ápice e então virá a…

Redenção
O reestabelecimento da Era de Ouro, a recuperação dos valores passados tão almejados para o presente e o futuro. Um estado de plenitude onde todos estarão felizes, satisfeitos e desenvolverão ao máximo seus talentos e capacidades, como se supõe era antes da Decadência.

II. O progressista
A humanidade progride linearmente e a sua idealização da sociedade reside num futuro inevitável. Os que se opõem a sua visão de mundo podem, no máximo, tentar reduzir a marcha do progresso, mas não podem de forma alguma pará-lo por completo. O atual estado da sociedade é insuficiente para satisfazer as necessidades e os desejos da humanidade, e devemos lutar para chegar no próximo estágio a qualquer custo. O esquema de pensamento é mais ou menos assim:

Barbárie
O estado anterior era de miséria: econômica, moral, espiritual. A penúria era a regra e a iniquidade imperava. Vivendo em um ambiente hostil, o homem fez muitos sacrifícios para poder viver em segurança e liberdade e passou da ignorância à ciência através de muita observação. O estágio seguinte é a…

Civilização
O atual estado é de conforto: econômico, moral, espiritual. Mas este ainda não chega a todos. A tecnologia, a industrialização, a divisão do trabalho, levou o homem ao seu atual estado de desenvolvimento e à criação de suas cidades e ambientes urbanos. A cadência do progresso é ditada pela ciência e pelo trabalho duro, apesar dos esforços contra-produtivos de setores “reacionários” como “os oligarcas”, “a Igreja”, “os latifundiários”, etc. Porém, é inevitável que eles serão derrotados pela inexorável marcha do tempo que nos trará a…

Utopia
Um estado ideal de plenitude e realização econômica, moral e espiritual que atinge a todos na sociedade. Com o desenvolvimento da tecnologia e o espírito humano trabalhando em cooperação e solidariedade, será estabelecido o Paraíso terreno onde todos tem acesso a comida, roupa, automóvel, casa, carro, educação, serviço médico, diversão, etc. e onde todos são altruístas, solidários, amáveis e cooperativos.

III. Conclusão
Estes dois tipos de mentalidade política podem ser encontrados tanto na esquerda quanto na direita política, ao contrário do que supõem e de como rotulam os auto-declarados “de esquerda”. É necessário compreender estas visões de mundo antes de discutir ideologias e suas propostas políticas, pois são elas que fundamentam idéias mais complexas e específicas.


Leia também: