Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Ontem, dia 3 de outubro, foi uma data muito especial para os alemães. Há aproximadamente 22 anos deixava de existir a Alemanha Oriental (socialista) para que a Alemanha fosse novamente reunificada. A reunificação (em alemão, Wiedervereinigung) é lembrada por pessoas ao redor do mundo pela icônica imagem da queda do Muro de Berlim.

Um povo dividido

Por cerca de 50 anos, o povo alemão ficou separado em duas “Alemanhas”: a Ocidental (República Federal da Alemanha – Bundesrepublik Deutschland, BDR) e a Oriental (República Democrática Alemã – Deutsche Demokratische Republik, DDR). A separação não implicava somente a divisão do país (e de sua antiga capital, Berlim), mas de famílias e comunidades inteiras. Berlinenses que antes se visitavam passaram a ser tratados como cidadãos de países distintos praticamente em estado de guerra.

O lado ocidental, uma republica federativa parlamentar, passou pelas mãos de cinco presidentes: Heuss, Lübke, Heinemann, Scheel, Carstens e Weizsäcker, o último continuando a presidência da Alemanha novamente unificada. Dos cinco presidentes, dois foram membros do partido liberal Freie Demokratische Partei (FDP), dois do democrata-cristão Christlich Demokratische Union (CDU) e um do social democrata Sozialdemokratische Partei Deutschlands (SPD). Nela, um período de baixa inflação e rápido crescimento industrial foi desenvolvido pelo governo do chanceler Konrad Adenauer e seu ministro da economia Ludwig Erhard, levando a Alemanha Ocidental da devastação total do tempo da Segunda Guerra ao patamar de uma das nações mais desenvolvidas da Europa. Foi nesta época que ocorreu o milagre econômico alemão (Wirtschaftswunder).

Socialismo: memórias amargas

O lado oriental, infelizmente, era quase um estado fantoche da então existente União Soviética e entrou para a História como uma continuação dos horrores totalitários que os alemães só haviam sentido então sob o regime nacional-socialista de Hitler. Não bastasse a escassez e o racionamento[1], boa parte dos alemães orientais era empregada pelo Estado para agir como espiões nos dois países, espionando amigos e colegas, delatando-os e vendendo informações para a Stasi, a polícia secreta da Alemanha Oriental.[2][3]

A Stasi prendia pessoas por motivos banais, como tentar sair do país ou contar piadas políticas. Após meados de 50, suas execuções eram feitas em segredo, geralmente empregando uma gilhotina e, em anos posteriores, um tiro de pistola. Na maioria dos casos, os parentes do executados não eram informados sobre a sentença ou a execução.[4] A Stasi também é conhecida pelas técnicas de tortura psicológica que desenvolveu: a Zersetung, como era chamada, consistia em causar danos colaterais à vida pessoal, profissional e social de uma pessoa sem envolvimento aparente do serviço secreto. Hoje considerada uma organização criminosa, muitos membros da Stasi foram condenados por seus crimes na década de 90, apesar de terem tentado destruir os arquivos que os incriminavam. Estima-se que as autoridades do governo socialista tenham sido responsáveis por 1.393 assassinatos no período entre 1961 e 1989.[5]

A ASTAK (Anti-Stalinist Action Normannenstraße), uma associação fundada por comitês de cidadãos da antiga Alemanha Oriental, transformou a antiga sede da Stasi em um museu, que é dividido em três andares. O térreo foi mantido com a decoração original, suas estátuas e bandeiras. Os andares seguintes exibem a tecnologia de espionagem e os símbolos da Stasi, ferramentas (como câmeras ocultas e uma AK-47 escondida na bagagem).

O termo “Stasi 2.0” é usado hoje na Alemanha para se referir a toda tentativa do governo de vigiar ou censurar os cidadãos na internet ou na mídia em geral. Arquivos sobre as vítimas do regime socialista podem ser acessados no site da Stasiopfer [6].

Reunificação

Com o colapso da União Soviética, e consequentemente seus estados-satélite, a Alemanha Oriental tendia a um idêntico colapso político e econômico. A decisão da data da unificação foi feita em 22 de agosto pelo ministro-presidente da Alemanha Oriental, de Maiziere, numa sessão especial no Congresso que iniciou-se às 9 horas da manhã. Após um acalorado debate o presidente do Congresso (Volkskammer) anunciou os resultados às 2:30 da manhã de 23 de agosto:

A Volkskammer decide pela adesão da GDR à Constituição da República Federal da Alemanha de acordo com o Artigo 23 das Leis Básicas em efeito a partir de 3 de outubro, 1990. O tópico de Nº 201 recebeu 363 votos. Não houveram votos inválidos. 294 deputados votaram ‘sim’, 62 deputados votaram ‘não’, e 7 pessoas se abstiveram do voto. Este é um evento histórico. Senhoras e Senhores, acredito que não tenhamos feito uma decisão fácil, mas hoje agimos dentro de nossas responsabilidades no que diz respeito aos direitos eleitorais dos cidadãos da GDR. Agradeço a todos que este resultado tenha se tornado possível pelo consenso entre os partidos.

O Dia da Unidade Alemã (Tag der Deutschen Einheit) é um feriado nacional na Alemanha celebrado em 3 de outubro.[7] Comemora a Reunificação de 1990, embora também seja comemorado alternativamente no dia da Queda do Muro de Berlim, em 9 de novembro.

Para os alemães, a Reunificação representou muito mais do que um rearranjo de fronteiras. Significou o reencontro com amigos e parentes, ou com a verdade por trás de seu desaparecimento; significou poder ir para a escola ou para o trabalho sem temer a perseguição e a violência da Stasi; significou não ter mais a sua privacidade violada por espiões e informantes, não ter mais sua vida pessoal arruinada pelo pesadelo da Zersetsung. Significou e significa a reconquista da liberdade e do respeito à vida e à dignidade humana. Sem dúvidas, são motivos de sobra para comemorar o presente, preparar o futuro, e nunca esquecer o passado.


NOTAS:

[1] http://www.osaarchivum.org/files/holdings/300/8/3/text/24-5-79.shtml
[2] http://www.spiegel.de/international/germany/shocking-new-research-stasi-had-thousands-of-spies-in-west-germany-a-799335.html
[3] http://www.spiegel.de/international/germany/bild-799335-286696.html
[4] Koehler, John. Stasi: The Untold Story Of The East German Secret Police.
[5] http://www.thelocal.de/national/20100811-29105.html
[6] http://www.stasiopfer.de/
[
7] https://www.tag-der-deutschen-einheit.de/