Tags

, ,

Infelizmente, o pensamento (?) Brasileiro está todo nas mãos da esquerda, produzida em massa nas nossas universidades por professores de esquerda, jornalistas, burocratas e funcionários públicos, que engessam nossas cabeças com um suposto humanismo enobrecedor, justiceiro dos pobres. Para quem duvida, tente escrever mais de três nomes de jornalistas ou professores que sejam de direita. Funcionário público, nem pensar.

1. Ser de direita, é ter plena consciência de que existem o certo e o errado, e não ficar apelando a relativismos malucos de que julgamentos morais devem depender da situação, de tempo e local;(ex: roubar é errado, não importa se é um pedaço de pão ou milhões de dólares)

2. Ser de direita é saber que invadir propriedades é muito mais grave que defendê-las, e justifica inclusive o uso de armas;

3. Ser de direita é saber que quanto mais ricos os ricos ficam, mais ricos os pobres ficam também, como comprovam os países capitalistas e ao contrário do que apregoa a cartilha marxista de luta de classes que, mesmo imaginária, introduz no seio da vida brasileira uma divisão real.

4. Ser de direita é pautar sua vida no princípio de liberdade com responsabilidade individual, e não acreditar no materialismo dialético dos socialistas que vêem todas as ações humanas como simples produtos condicionados pelo meio material em torno: ora, se um beira-mar da vida é esse monstro que conhecemos, não é por causa das condições sociais mas por simples má índole, ou senão todas as pessoas com condições de vida parecidas seriam também assassinas.

5. Ser de direita nas décadas de 60 e 70 era estar no trabalho produzindo, e não incitando greves ilegais, fomentando atividades subversivas e guerrilhas;

6. Ser direita hoje é se indignar vendo que essa gente recebe pensões com nossos impostos, não apesar das atividades subversivas, mas exatamente por causa das mesmas, como um prêmio por vadiagem e incitamento;

7. Ser de direita é reconhecer que para lidar com o terrorismo o caminho é militar e, só depois, conversinhas e passeatas pela paz;

8. Ser de direita é ouvir a famosa frase de che guevara e entender o recado que ele estava dando: “mate, mas tenha ternura.”


Mas esperem!!! Para a esquerdalha não gritar que somos “imparciais”, vejamos o que é “ser de esquerda”:

1. Ser de esquerda é defender os pobres.

Mentira: ser de esquerda é defender que haja e continue existindo a pobreza, como em todos os lugares onde a esquerda toma o poder e implanta idéias socialistas: URSS, Cuba, China, Vietnã, Europa Oriental, toda a África e praticamente toda a Ásia. A única saída para a esquerda continuar aspirando ao poder é a produção em massa de miséria, e disso entendem como ninguém.

2. Ser da esquerda é ter “humanismo”, pois ela é a sua essência, e que um mundo onde tudo se compra e se vende é a essência da direita

Mentira: o imbecil que reduziu toda a vida a aspectos econômicos foi exatamente Marx ao afirmar que toda a estrutura religiosa, cultural, política e pessoal das sociedades é condicionada exclusivamente pela condição econômica. Nunca vi alguém da direita defender tal idéia. Esse lixo é ensinado em todas as universidades, e quem está por fora acha que os professores universitários são mentes brilhantes.

3. Ser da esquerda não significa apoiar guerrilhas, terroristas etc.

Mentira: ser de esquerda é defender as farc como o sr. Sader fez em 29/08/03 na TV Senac aberta e descaradamente, e inverter as coisas: Lula assina em novembro de 2002 um manifesto em defesa das FARC e acusa o governo colombiano de terrorismo de estado;

4. Ser de esquerda é lutar pelos pobres por meio de um regime marxista

Mentira: ser de esquerda é defender Saddam, Fidel, Chávez, Mao, Lênin; é fazer como a Jandira Fegahli do PCdoB na TVE: “sou ainda uma sonhadora dos ideais marxista-leninistas.” essa gente não se enxerga? Não viram os resultados deste “sonho”? Marxismo-leninismo é pesadelo, não para os planejadores socialistas, mas exatamente para os pobres por quem “lutas”.

5. Ser da esquerda é lutar pela verdadeira democracia

Mentira: é apelar para um democratismo que nada tem a ver, é o oposto à verdadeira democracia: é preferir duas opiniões, uma de que a grama é verde e outra que a grama é azul, do que ter a coragem de afirmar o óbvio.

6. Ser da esquerda é lutar contra a “falsa” liberdade de expressão

Mentira: toda a esquerda é anti-eua, país em que melhor funciona a pluralidade de opiniões e a possibilidade de defendê-las. País onde todo mundo quer viver por saber que lá será mais respeitado por suas diferenças do que em seus países de origem. Esquerdistas escondem o fato de que essa pluralidade só é possível dentro das regras do estado de direito e do livre mercado capitalista, e que um é impossível sem o outro.

7. Ser da esquerda significa multilateralismo e ser da direita significa unilateralismo

Mentira: ser de esquerda é entortar completamente sua mente a ponto de não reconhecer, ou não se importar, que em todos os países governados pela esquerda por mais de 5 anos ficam proibidos outros partidos políticos e outras opiniões, e que unilateralismo é isso, e multilateralismo é exterminar regimes assim.

8. Ser de esquerda é citar o exemplo de Cuba, onde o povo vive bem graças à uma revolução.

Mentira: ser de esquerda é achar que em Cuba pobre vive bem, se lixando para o fato de que nenhum pobre jamais tentou ir morar lá, e que todos os pobres que lá vivem querem mesmo é sair. Ser de esquerda é adotar a retórica da “revolução permanente” de Lênin, que só serve para justificar a tomada de poder eternamente em suas mãos: o regime de fidel ainda é considerado revolucionário, e, portanto, sob a ótica da esquerda, ainda não completou o que tinha para fazer, mesmo depois de 50 anos de ditadura renhida.

9. Ser da esquerda é fazer com que a direita reconheça seus erros e buscar idéias para corrigi-los.

Mentira: ser de esquerda é, como assinala Jean-François Revel em “a tentação totalitária”, exigir ser julgado por seus ideais e nunca pelos resultados práticos de suas idéias. É exigir dos capitalistas complacência no combate aos socialismos, mas usar de todos os meios para sepultar o capitalismo que, dizem, está velho e mofado. É insultar a direita sem piedade, mas exigir respeito em troca.

10. Ser da esquerda é conduzir uma economia igualitária

Mentira: Lênin só partiu para a socialização total da economia depois de anos deixando entrar dinheiro estrangeiro e se fingindo de liberal-capitalista, desviando a grana dos gringos para “movimentos sociais”. Fidel fez o mesmo por algum tempo antes de se bandear para a grana da URSS.

Autor desconhecido