Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

De acordo com o Press Freedom Index de 2012, índice publicado pela Reporters Without Borders (Reporters sans Frontieres), o Brasil caiu 41 posições no ranking de liberdade de imprensa, o que deixa o país na 99ª posição. Estamos atrás de países como Guatemala, Congo, Zâmbia e Quênia  e a anos-luz dos primeiros colocados Finlândia, Noruega, Estônia, Holanda e Áustria.

Segundo o artigo do site, “Uma das maiores quedas na América Latina foi o Brasil, que despencou 41 posições até o 99º lugar por causa da alta incidência de violência que resultou nas mortes de três jornalistas e blogueiros.”

Repressão à liberdade de expressão caminha a passos largos no Brasil

A tendência é que a censura, a repressão e a violência no país aumentem ainda mais se não detivermos projetos de lei como o do senador Roberto Requião (PMDB) que torna obrigatória a publicação de respostas nos meios de comunicação. Políticos desaforados como a deputada Cidinha Campos (PDT-RJ) já tem demonstrado o total desrespeito que tem pela livre imprensa, não exitando atacar pessoalmente qualquer um que os exponha com verdades inconvenientes.

Mas ainda pior é o Marco Regulatório das Comunicações (PT) que tem o descarado objetivo de calar a mídia independente bancando com verba pública quem quer se dedique a bajular o governo e defender a agenda do Partido. A desculpa oficial deste último é “garantir pluralidade e diversidade na mídia atual, que esvazia a dimensão pública dos meios de comunicação e exige medidas afirmativas para ser contraposta”. É a pluralidade compulsória, que beleza.

Estupradores da liberdade: eles querem acabar com seu direito de discordar.

Segundo o desaforado texto “Impera, portanto, um cenário de ausência de regulação, o que só dificulta o exercício de liberdade de expressão do conjunto da população”. Afinal todos sabemos que só é livre para ir e vir aquele cidadão que tem a sua rota regulada, não é mesmo? Assim como só tem liberdade de expressão garantida aqueles que o governo pode determinar o que falam. Da última vez que estudei História, todas as ditaduras foram impostas com promessas de liberdade.

O objetivo é explícito: “A ausência deste marco legal beneficia as poucas empresas que hoje se favorecem da grave concentração no setor.” Ou seja, a situação atual beneficia quem tem poder de ameaçar os governantes. O que interessa ao governo é uma mídia dócil, diminuta e dividida.

“Socialismo do Século XXI”
A julgar pelas repressões similares que vem ocorrendo já há anos na Venezuela de Hugo Chávez e mais recentemente na Argentina de Cristina Kirchner, podemos afirmar sem dúvida que o projeto das esquerdas latinas é o controle da imprensa a todo custo. Democracia boa para a esquerda é aquela que não tem oposição, como Cuba e Coréia do Norte.

Deixo apenas uma reflexão de um dos homens mais sábios que já pisou em terras brasileiras:

Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados.

– Millôr Fernandes