Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A maior diferença entre o sistema eleitoral americano e o Brasileiro é, sem dúvida, o fato do sistema americano eleger o presidente através de colégios eleitorais, enquanto o sistema brasileiro elege através de eleições majoritárias. Além de complexo, o sistema americano dá brecha para que um candidato que não obteve a maioria dos votos populares seja eleito. Isso aconteceu algumas vezes, por exemplo, no ano de 2000 quando mesmo Al Gore tendo a maioria dos votos populares perdeu a eleição pra George W. Bush.

Nos Estados Unidos o presidente é eleito por votos indiretos, através de colégios eleitorais como já dito anteriormente. O colégio eleitoral sim é escolhido por meio de votação popular. Cada um dos 50 estados americanos tem um número de delegados que geralmente é igual ao número de representantes que o estado tem nas duas casas do congresso, o senado e a câmara. O número mínimo de delegados por estado é de 3 (três) e o máximo de 55 (cinquenta e cinco). Os EUA no total conta com 538 integrantes do colégio eleitoral. Então para conseguir se eleger, o candidato deve ter no mínimo 270 votos de colégios eleitorais. Os delegados estaduais são escolhidos pelo voto de militantes e membros dos partidos em cada estado.

Trocando em miúdos é como se cada estado dos EUA votasse pra presidente. Porém, para complicar um pouquinho, os estados tem peso diferente, por exemplo: um estado como a Califórnia tem direito a 55 delegados, ou seja, 55 votos, enquanto um estado como a Dakota do Sul só tem direito a 3 votos.Você acha que já entendeu? Bom, agora vem ai mais uma curiosidade. Se hipoteticamente um estado que tem direito a 55 delegados, como a Califórnia, 28 votos são para o candidato A e 27 para o candidato B, na contagem final dos colégios eleitorais, o colégio da Califórnia contribui com 55 votos pro candidato A, que foi o vencedor naquele estado, esse sistema é conhecido nos EUA como “the winner takes it all” (o vencedor leva tudo).

Não podemos esquecer também dos candidatos independentes que não são filiados em partidos políticos e que podem sim, afetar no resultado da eleição, pois se nenhum candidato obter o mínimo de 270 votos de colégio eleitoral, os três candidatos que receberam mais votos disputam uma nova eleição, só que não mais sendo escolhidos por colégios eleitorais e sim pela câmara de representantes onde cada estado tem um voto.

No próximo post explicarei como funcionam as primárias.