Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A primeira revolução sexual ocorreu na Terra há centenas de milhões de anos, tendo à sua frente os invertebrados artrópodes, que passaram dezenas de milhões de anos sendo oprimidos por um ambiente hostil, preconceituoso e assexonormativo.

Celenterados: os contrarrevolucionários.

A revolução foi fortemente rechaçada, rejeitada pelos setores mais conservadores da sociedade – como os celenterados. Os revoltosos foram taxados pejorativamente de ‘sexuados’ (nome que acabou pegando). Os setores mais reacionários, maioria absoluta, já adiava a revolução a milhões de anos, negando ao restante da população terráquea seus direitos reprodutivos. Diziam que o sexo era coisa de depravados, e que levaria à degeneração da espécie por causa da imprevisibilidade da miscigenação. Poderíamos estar criando monstros, diziam. O decoroso era a divisão celular, o brotamento, etc. Não esta sem-vergonhice de sair por aí fertilizando os outros.

Entre os cavalos-marinhos, são os machos que engravidam. Sem dúvida o animal mais progressista do mundo, será o navio quebra-gelo da revolução sexual.

Felizmente a revolução deu certo e hoje garantimos os direitos reprodutivos para inúmeros terráqueos que não teriam a oportunidade de nascer e ter uma evolução digna. Mas ainda há muito o que fazer, pois ainda vivemos numa sociedade machista onde as fêmeas são obrigadas a gestar – o que é vergonhoso, além de desigual. Mas a próxima revolução sexual já está se levantando contra os setores reacionários, sendo encabeçada pelos cavalos-marinhos – a espécie mais progressista do planeta. Hasta la Victoria!

Bandeira do Movimento