Tags

, , , , , ,

Está virando rotina a doutrinação ideológica feita por professores em sala de aula, seja ensino fundamental, médio ou superior. Um ambiente que era para ser democrático, livre, onde apenas o conhecimento seria o objetivo, acaba sendo deturpado por “professores” que deixam suas ideologias cruzarem a porta da sala e as despeja sobre os alunos e acabam mostrando apenas um lado da moeda.

Exemplos de “doutrinadores” é o que não falta, aposto que você leitor já teve pelo menos um professor que vangloriava Karl Marx e a agenda progressista enquanto demonizava valores cristão-judaicos e o livre mercado (capitalismo). Mas há professores piores, como o “professor” Carlão, que nas supostas aulas de história, ele acaba lecionando o ódio pessoal que tem contra os Estados Unidos da América e se baseando em inverdades.

Sandices como essa estão cada vez mais comuns

A situação fica pior quando o aluno questiona esses “professores”. Logo ele acaba sendo ridicularizado pelo doutrinador. Esse fato acaba desencorajando outros alunos a questionar o professor. Dois principais motivos levam a isso: medo do isolamento social (aconselho que pesquisem sobre Espiral do Silêncio), ou a velha premissa de que o professor é o dono do conhecimento, ou seja, o que ele fala é verdade. Com o passar dos anos, essas “verdades absolutas” desses professores acaba se tornando senso comum da população. Se dúvida, veja a maioria dos jovens: eles apenas reproduzem o que os professores dizem.

Algo precisa ser feito para acabar com essa doutrinação. Não é tolerável que crianças e adolescentes sejam induzidos a pensar ou fazer suas escolhas pautando-se em opiniões impostas, mesmo que de forma sutil. Cabe à sociedade fiscalizar o que está sendo “ensinado” nas escolas e acabar com essa prática. Um aliado nessa luta é o Escola Sem Partido,  uma iniciativa de estudantes e pais preocupados com a contaminação político-ideológica no ensino brasileiro. Pelo site é possível denunciar “doutrinadores” e eles indicam as medidas legais a serem tomadas.

Site do Escola Sem Partido: www.escolasempartido.org